Clique e assine por apenas 8,90/mês

Novo Chevrolet Tracker não esconde: seu maior rival é o VW T-Cross

Com preços e versões similares, ambos os SUVs têm equipamentos e atributos para roubar clientes do rival. Descubra qual combina mais com você

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 17 mar 2020, 09h16 - Publicado em 17 mar 2020, 07h00
Arte/Quatro Rodas

O novo Chevrolet Tracker já tem preços para o mercado brasileiro – que variam de R$ 82.000 a R$ 112.000. E a comparação com o Volkswagen T-Cross, atual líder dos SUVs, é inevitável pela proximidades de valores (e equipamentos).

Nas versões de entrada, a vantagem é do estreante da GM, que na configuração 1.0 turbo manual, justamente a de R$ 82.000, já traz itens exclusivos como faróis com projetores, central multimídia com tela de 8 polegadas, portas USB para a segunda fileira, internet wi-fi e piloto automático de série.

Lanternas de led serão exclusividade da opção Premier Divulgação/Chevrolet

Por outro lado, o rival é o único com acendimento automático dos faróis na versão 200 TSI manual, R$ 84.990, além de incluir luzes de conversão, maçanetas na cor da carroceria e lanternas de led.

Já a central multimídia é de série apenas no T-Cross 200 TSI AT (R$ 94.490).

Continua após a publicidade
Central de 8 polegadas vem de série em todas as configurações Divulgação/Chevrolet

No caso do Tracker LT 1.0 turbo, que sai por R$ 89.000 – ou seja, quase R$ 5.500 abaixo do VW automático mais barato – há detalhes externos na cor da carroceria, grade cromada, câmera de ré e chave presencial com partida por botão.

Na versão Highline, T-Cross tem grade preta com frisos e detalhes cromados Pedro Danthas/Quatro Rodas

Nas opções intermediárias, ambos os SUVs chegam bem perto dos R$ 100.000. São R$ 99.990 para o T-Cross Comfortline 200 TSI e R$ 99.900 no caso do Tracker LTZ 1.2 turbo AT.

Mas só o VW possui ar-condicionado digital, sensor de estacionamento dianteiro, indicador de pressão dos pneus, frenagem pós-colisão, borboletas para trocas de marchas, porta-luvas refrigerado e saídas de ar para segunda fileira nessa faixa de preço.

Preços de Tracker e T-Cross são semelhantes até nas opções topo de linha Divulgação/Volkswagen

Se o Tracker LTZ 1.2 turbo AT acrescenta apenas o sensor de chuva como diferencial na lista de equipamentos, na ficha técnica o novato tem ligeira vantagem: 133 cv e 21,4 kgfm gerados pelo motor 1.2 turbo flex, contra 128 cv e 20,4 kgfm do 1.0 TSI.

Continua após a publicidade
Apenas o T-Cross Highline tem motor 1.4 turbo com 150 cv Christian Castanho/Quatro Rodas

Na topo de linha, o Chevrolet é o único com alerta de colisão frontal com frenagem de emergência, faróis de led, indicador de distância do veículo à frente, assistente automático de estacionamento, teto solar panorâmico e carregador sem fio.

Entretanto, o T-Cross Highline 250 TSI contra-ataca com preços ligeiramente mais baixos – R$ 109.990, contra R$ 112.000 do estreante –, revestimento de couro real nos bancos e números melhores na ficha técnica: 150 cv e 25,5 kgfm.

Outro trunfo importante do T-Cross é o quadro de instrumentos 100% digital. Ele é oferecido sempre como opcional, é verdade, mas está disponível tanto na versão Comfortline quanto na Highline.

 

Continua após a publicidade

O ônus disso é que, para o T-Cross, ter o quadro digital mais faróis full-led com regulagem de facho, assistente de estacionamento e rodas de liga leve, o teto panorâmico e outros opcionais poderá elevar o preço até o teto de R$ 126.740, enquanto o concorrente chega a R$ 113.600 com pintura metálica.

Confira o comparativo de preços:

Chevrolet Tracker VW T-Cross
1.0 turbo MT: R$ 82.000 200 TSI MT: R$ 84.990
LT 1.0 turbo AT: R$ 89.900 200 TSI AT: R$ 94.490
1.2 turbo AT: R$ 90.500
LTZ 1.2 turbo AT: R$ 99.900 Comfortline 200 TSI AT: R$ 99.990
Premier 1.2 turbo AT: R$ 112.000 Highline 250 TSI AT: R$ 109.990

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade