Clique e assine por apenas 8,90/mês

Impressões: Clubman e Countryman são dois Mini que de mini não têm nada

Com motor de 306 cv de potência e preços acima de R$ 200.000, esses modelos estão mais para esportivos – até no espaço interno

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 12 nov 2019, 08h00 - Publicado em 12 nov 2019, 07h00
Novo Clubman virá ao Brasil apenas na versão John Cooper Works Divulgação/Mini

O novo Mini Clubman é um dos maiores carros da marca e, na verdade, só perde para o SUV Countryman – que está no fim da matéria.

Mas a perua veio ao Brasil na versão topo de linha John Cooper Works, que ficou ainda mais potente, para tentar compensar essa heresia. O preço? Nessa configuração, que será a única por aqui, R$ 219.990.

Já o irmão maior (também nessa versão esportiva e com exatamente o mesmo conjunto), desembarca no país por R$ 239.990. Ambos chegarão às lojas ainda este mês.

Nos últimos lançamentos, os próprios executivos admitiram que os modelos têm crescido para prender os fãs que, lá atrás, eram solteiros e não tinham filhos.

Lanternas receberam desenho inspirado na bandeira do Reino Unido Divulgação/Mini

Só não dá para dizer que agora há espaço de sobra para todos: dois adultos viajam com certo conforto na fileira de trás.

Mais que isso e haverá reclamação na certa, principalmente pelo túnel central elevado. Ao menos o espaço para cabeça é bom. Já as saídas de ventilação e as portas USB garantem mais comodidade a todos.

Continua após a publicidade

Mas você não precisa ter família para se render à perua. Se for esse o caso, nem é preciso falar do porta-malas com 360 litros e fácil acesso graças à tampa traseira dividida em duas.

Basta dizer que o acabamento ficou anos-luz à frente daqueles plásticos rígidos da geração anterior e que toda a cabine está mais BMW.

Por aqui, o Clubman será sempre completo, com central multimídia, serviço de concierge, som Harman/Kardon, head-up display e teto panorâmico.

Painel tem materiais bem melhores que na última geração Divulgação/Mini

Claro que, por esse preço, há opções maiores e mais confortáveis. Só que nenhuma delas têm à disposição o 2.0 turbo com 306 cv de potência e 45,8 mkgf de torque, sempre com tração integral e câmbio automático de oito marchas.

Para você ter ideia, a marca garante que a perua chega aos 100 km/h em 4,9 segundos. E dá para escolher entre três modos de condução: Sport, Mid e Green. Pena que não haja uma opção Individual que seja configurável, por exemplo.

Para identificar o Clubman atualizado nas ruas, basta reconhecer as novas lanternas com iluminação inspirada na bandeira do Reino Unido.

Continua após a publicidade

Além das pequenas mudanças do lado de fora, o modelo recebeu turbina maior, sistema de injeção com mais pressão, além de pistões e virabrequim serem forjados.

O resultado das novidades? 75 cv de potência e 13 mkgf de torque a mais que a versão anterior.

Ar-condicionado digital de duas zonas é oferecido de série Divulgação/Mini

Não há suspensão adaptativa, mas o conjunto é 10 mm mais baixo que nas versões civilizadas. Aliado ao bom fôlego e às dimensões contidas (para o mercado), ela garante a agilidade impecável nas curvas.

É claro que a direção de respostas rápidas, o sistema de tração e o diferencial mecânico na dianteira também fazem parte da receita.

Se o SUV (que tem a mesma motorização) tende a sair de frente, o Clubman chega ao limite apenas indicando que, na pior das hipóteses, escorregaria de lado, como um bom esportivo com força enviada às quatro rodas deve fazer.

Falta espaço na segunda fileira do Clubman Divulgação/Mini

Esse é o carro mais rápido oferecido pelo fabricante no Brasil e custa bem menos que BMW X2 com mesmo motor (que sai por R$ 313.950).

Continua após a publicidade

Só que, mesmo assim, a Mini prevê que apenas 100 interessados deverão levar esse carro para casa, contra as 250 previstas para o Countryman na versão esportiva John Cooper Works.

Talvez seja o declínio das peruas – a própria empresa prefere usar o termo “sportback”. Mas se você quer um esportivo purista, ainda que isso não reflita as tradições inglesas, saiba que ainda existe luz no fim do túnel.

E o Countryman?

Countryman é mais barato que o principal rival em proposta e desempenho Divulgação/Mini

Talvez a principal vantagem do SUV da Mini seja pertencer ao segmento mais querido do mercado na atualidade. Além disso, o Countryman é cerca de R$ 7 mil mais barato que o BMW X1 xDrive25i, modelo com o qual divide a plataforma.

Só que a novidade do fabricante (quase) inglês tem como vantagem os 75 cv de potência e 10 mkgf de torque adicionais em relação ao concorrente.

Claro que, comparado ao Clubman, há algumas desvantagens em relação à dinâmica, principalmente por conta do centro de gravidade mais alto – o acréscimo de peso é de apenas 50 kg, com 1.600 kg no total.

Centro de gravidade mais alto piora o comportamento nas curvas Divulgação/Mini

Para tentar resolver o problema, o modelo tem suspensão com rigidez variável de acordo com o modo de condução selecionado, também com opções Sport, Mid e Green.

Continua após a publicidade

O comportamento ao volante surpreende, ainda que não chegue ao mesmo nível de refinamento da perua. As acelerações empolgam graças à boa entrega de torque já a baixas rotações (45,8 mkgf vêm às 1.750 rpm).

Só que o Countryman tende a sair de dianteira quando entra rápido demais nas curvas, mesmo com as suspensões reguladas no modo mais esportivo, que garante ajuste ideal à direção.

Espaço interno é um pouco melhor que no Clubman Divulgação/Mini

Os pontos positivos da perua se mantêm no maior modelo da marca: o acabamento é bem melhor que na geração anterior, a lista de itens de série já vem completa, com direito a ar-condicionado de duas zonas, teto panorâmico, central multimídia e serviço de concierge.

Mas as desvantagens também se repetem: quase não há melhoria no espaço interno e o porta-malas só cresce 90 litros.

Ainda que não seja tão diferente do Clubman, o SUV está mais alinhado ao que o consumidor procura e cobra menos que o rival mais próximo (em proposta e mecânica).

Detalhe do seletor de modos de condução que altera a suspensão Divulgação/Mini

Talvez a versão JCW não seja esportiva como você espera e nem tenha comportamento de Mini.

Continua após a publicidade

Mas se tudo que você busca é um utilitário rápido, com estilo diferente e bons equipamentos, essa é uma boa opção – desde que não precise de espaço.

Ficha técnica

Mini Clubman John Cooper Works

  • Preço: R$ 219.990
  • Motor: gasolina, dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16V, turbo, injeção direta, 1.998 cm³; 306 cv a 5.000-6.200 rpm, 48,8 mkgf a 1.750-4.500 rpm
  • Câmbio: automático, 8 marchas, tração integral
  • Suspensão: McPherson (dianteira) /multibraço (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira), disco sólido (traseira)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 225/40 R18
  • Dimensões: comprimento, 426,6 cm; altura, 144,1 cm; largura, 180,0 cm; entre-eixos, 267,0 cm; peso, 1.550 kg;
    tanque, 48 l; porta-malas, 360 l

Mini Countryman John Cooper Works

  • Preço: R$ 239.990
  • Motor: gasolina, dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16V, turbo, injeção direta, 1.998 cm³; 306 cv a 5.000-6.200 rpm, 48,8 mkgf a 1.750-4.500 rpm
  • Câmbio: automático, 8 marchas, tração integral
  • Suspensão: McPherson (dianteira) /multibraço (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira), disco sólido (traseira)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: liga leve, 225/45 R19
  • Dimensões: comprimento, 429,9 cm; altura, 155,7 cm; largura, 182,2 cm; entre-eixos, 267,0 cm; peso, 1.600 kg;
    tanque, 51 l; porta-malas, 450 l
Publicidade