Impressões: BMW i8 Roadster, a diversão irracional ficou mais ecológica

O BMW i8 Roadster é capaz de rodar a altas velocidades sem emitir um ruído – o que permite ouvir bem os haters de plantão

O capô foi alterado para desviar da cabine o ar quente do radiador

O capô foi alterado para desviar da cabine o ar quente do radiador (BMW/Divulgação)

O BMW i8 é a reunião do que muito entusiasta odeia – e os millennials adoram. Há motorização híbrida, bateria recarregável na tomada, modo de condução econômico, chave que parece um smartphone e até um sistema de som que ajuda a compensar a apatia sonora do 1.5 turbo derivado do Mini Cooper.

E agora inclua na receita polarizadora uma versão conversível, que chega ao Brasil este ano sob encomenda por um preço ainda não revelado. Mas espere algo na faixa dos R$ 900.000, suficiente para comprar um BMW M5 e ainda levar 45.000 litros de gasolina para usar enquanto ouve o dono do i8 Roadster dizendo que bastam só 4,5 horas na tomada 220V para carregar sua bateria.

O marcante spoiler flutuante na lateral foi mantido no conversível

O marcante spoiler flutuante na lateral foi mantido no conversível (BMW/Divulgação)

Naturalmente não há uma defesa racional para colocar o único conversível híbrido do Brasil na garagem. Nem o consumo combinado (que pode chegar a 50 km/l, segundo a fábrica) nem o 0 a 100 km/h em 4,6 s – 0,2 mais lento que o cupê – são bons argumentos diante do preço elevadíssimo.

O BMW i8 faz o estilo de quem vive ligado nas redes sociais ostentando roupas de grife, praias paradisíacas e festas exclusivas. E, para alegria dos influenciadores, a versão conversível manteve as icônicas portas que se abrem para cima, que ficam bem em qualquer filtro do Instagram.

As portas foram modificadas para compensar ausência dos batentes dos vidros

As portas foram modificadas para compensar ausência dos batentes dos vidros (BMW/Divulgação)

Já o teto de lona não orna tanto com a marcante cor “laranja e-cooper”, mas é possível tirá-lo de cena em 15 segundos (e até 50 km/h) ao toque de um botão. A cobertura removível deixou o porta-malas com parcos 88 litros de volume e eliminou os dois bancos traseiros, mas ainda assim o alcance do i8 Roadster foi ampliado.

Claro que não estamos falando de posts no Facebook. O esportivo vai literalmente mais longe, pois ele recebeu as melhorias do novo i8 Coupe (que já começou a ser vendido no Brasil sem mudanças no visual).

Interior na cor laranja chama a atenção e destaca as linhas modernas da cabine

Interior na cor laranja chama a atenção e destaca as linhas modernas da cabine (BMW/Divulgação)

As baterias dispostas sob o elevado túnel central tiveram sua capacidade ampliada de 20 para 34 Ah, o que se refletiu em uma autonomia elétrica de 53 km, 16 a mais que o modelo anterior. De quebra, o motor elétrico na dianteira ganhou 12 cv, elevando a potência combinada para 374 cv.

Melhor sem autobahn

Claro que a primeira coisa que se pensa ao testar um esportivo na Alemanha é procurar a autoestrada mais próxima que tenha trechos sem limite de velocidade. Com o i8 Roadster conseguimos encontrar isso alguns minutos após sair de Munique, mas logo depois a animação virou frustração.

Teto do modelo leva 15 segundos para ser aberto

Teto do modelo leva 15 segundos para ser aberto (BMW/Divulgação)

E não é por causa da velocidade máxima limitada a 250 km/h, típica da maioria dos esportivos alemães. O problema é que, após os 200 km/h, parece faltar fôlego ao i8, que exige uma longa faixa da esquerda para conseguir chegar ao seu máximo. Não é como um M5, que até tira suas costas do banco quando encosta no limitador, deixando claro sua capacidade para ir além.

Melhor pensar que o problema não é o carro, e sim o ambiente. Basta entrar na primeira estrada vicinal sinuosa para o conversível brilhar. Mesmo pesando 1.670 kg (60 kg a mais que o cupê), o esportivo entrega uma agilidade que destoa do enorme entre-eixos de 2,80 m e dos modestos pneus 195/50 (à frente) e 215/45 (atrás) com rodas de 20 polegadas.

Vigia elétrica é um item exclusivo do roadster

Vigia elétrica é um item exclusivo do roadster (BMW/Divulgação)

O modo Sport mantém o motor de três cilindros de 231 cv ligado o tempo inteiro, enquanto usa alto-falantes sob os bancos para criar uma experiência acústica à altura da dinâmica.

A tração integral, a suspensão firme e a posição de dirigir próxima ao assoalho ajudam o motorista a buscar o insano limite de 100 km/h das estreitas estradinhas rurais alemãs. A única recomendação é curtir esse cenário de teto fechado.

Peças que sustentam a cobertura do teto são feitas com impressoras 3D

Peças que sustentam a cobertura do teto são feitas com impressoras 3D (BMW/Divulgação)

Turbulência elétrica

A BMW incluiu uma discreta vigia traseira atrás dos assentos, que pode ser levantada para reduzir a turbulência na cabine quando o teto é recolhido. Mas, durante nosso test-drive, o ruído de vento acima dos 100 km/h era tão elevado que desestimulava qualquer passeio mais rápido a céu aberto.

Outros conversíveis, incluindo os da BMW, lidam melhor com esse desafio aerodinâmico. Por outro lado, só o i8 Roadster permite que você rode a velocidades elevadas ouvindo só o farfalhar das árvores ou o canto dos passarinhos.

É possível ligar o ar-condicionado à distância pela chave com LCD

É possível ligar o ar-condicionado à distância pela chave com LCD (Hermann Koepf/BMW)

E não é poesia: o modo elétrico do i8 só liga o propulsor a combustão se você colar o pedal do acelerador no assoalho. Caso contrário, dá para sair da rodovia e chegar em sua casa de veraneio curtindo o visual e os sons da natureza.

Não que os vendedores das nove concessionárias BMW autorizadas a comercializar a linha i no Brasil precisem usar esse argumento, mostrar a chave com tela LCD ou explicar que as peças que sustentam a cobertura do teto são feitas com impressoras 3D.

Quem tiver interesse em um BMW i8 Roadster certamente não tem outro carro em mente. Por outro lado, quem busca um esportivo na faixa dos R$ 900.000 dificilmente vai olhar para este conversível. Não que isso seja um problema: com o i8 Roadster, o que não vai faltar é gente de olho nele.

Veredicto

A versão Roadster mais agregou ao i8 do que tirou. Seu visual não envelheceu em nada e o fôlego extra em potência e autonomia vem em boa hora. Mas o preço próximo de R$ 1 milhão restringe seu público a fãs de tecnologia e status.

Ficha técnica – BMW i8 Roadster

  • Preço: R$ 900.000 (estimado)
  • Motor a combustão: gasolina, traseiro, transversal, 3 cilindros em linha, 1.499 cm3, 12V, turbo, 231 cv a 5.800 rpm, 32,6 mkgf a 3.700 rpm
  • Motor elétrico: dianteiro, transversal, 143 cv a 4.800 rpm, 25,5 mkgf a 1 rpm
  • Câmbio: automático, 6 marchas (combustão), automático, 2 marchas (elétrico)
  • Suspensão: braços sobrepostos (dianteira), multibraço (traseira)
  • Freios: disco ventilado (dianteira/traseira)
  • Direção: elétrica, 12,3 m (diâmetro de giro)
  • Pneus: 195/50 R20 (dianteira), 215/45 R20 (traseira)
  • Dimensões: comprimento, 468,9 cm; largura, 194,2 cm; altura, 129,1 cm; entre-eixos, 280 cm; peso, 1.670 kg; tanque, 30 l (42 l opcional) porta-malas, 88 l
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 4,6 s; velocidade máxima de 250 km/h

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s