Impressões ao Dirigir: novo Nissan March / Micra

O Nissan March mudou na Europa, onde é conhecido como Micra. A boa notícia é que ele ficou muito melhor. A má é que por enquanto ele não vem para o Brasil

A nova versão em nada lembra nosso March: está maior e mais esportiva A nova versão em nada lembra nosso March: está maior e mais esportiva

A nova versão em nada lembra nosso March: está maior e mais esportiva (divulgação/)

A Nissan quer voltar ao segmento de compactos premium com a quinta geração do Micra europeu, hatch que conhecemos como March. Ele está maior e mais bem equipado, mas nem se anime: não vem para o Brasil tão cedo – pelo menos não desse jeito.

O novo Micra rompe os laços com seu antecessor. Lançado em 2010 (e renovado em 2014), o modelo era visto como um downgrade na linha. Tinha na sua mira os mercados emergentes, deixando a desejar em qualidade geral de materiais e acabamento.

Coeficiente aerodinâmico (Cx) foi reduzido para 0,29 Coeficiente aerodinâmico (Cx) foi reduzido para 0,29

Coeficiente aerodinâmico (Cx) foi reduzido para 0,29 (divulgação/)

Na Europa, a Nissan agora quer retomar sua posição em um mercado premium. No Brasil, o modelo atual vai continuar na briga pelo segmento de entrada.

A diferença mais evidente entre as gerações está no design arrojado do Micra V – lado a lado, os dois carros nem parecem ter parentesco. Até no tamanho a novidade se destaca: tem 17,4 cm a mais no comprimento (são 4 metros), 7,8 cm extras na largura e 5,5 cm na altura. Os novos traços também beneficiaram o Cx (0,29), colocando-o como o melhor da categoria.

Maçanetas traseiras disfarçadas simulam a carroceria de duas portas, que traz itens de design do Kicks Maçanetas traseiras disfarçadas simulam a carroceria de duas portas, que traz itens de design do Kicks

Maçanetas traseiras disfarçadas simulam a carroceria de duas portas, que traz itens de design do Kicks (divulgação/)

O Micra utiliza a nova plataforma modular CMF B, e passou por aperfeiçoamentos para atingir comportamento mais esportivo – o anterior tinha propósito mais familiar. Usa suspensão McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira. A direção conta com assistência elétrica e freios a disco na frente, mantendo os tradicionais tambores na traseira, ainda o padrão nesse segmento.

Vincos e linha de cintura ascendente: ar esportivo Vincos e linha de cintura ascendente: ar esportivo

Vincos e linha de cintura ascendente: ar esportivo (divulgação/)

No quesito segurança, as novidades são itens inéditos no seu segmento: monitor de faixa de rolagem com travas nas rodas – sistema que impede a troca inadvertida de faixa, alerta de colisão que reconhece pedestres e câmeras de 360º, semelhantes às do Kicks. As câmeras do Micra também são capazes de conseguem ler placas de trânsito e de velocidade da via.

Volante traz comandos do cruise control, inexistente no Kicks Volante traz comandos do cruise control e tem a base achatada

Volante traz comandos do cruise control e tem a base achatada (divulgação/)

Nossa avaliação foi feita com uma unidade a gasolina, de 0,9 litro e turbo (de origem Renault). A sensação de esportividade começa quando entramos no carro, que melhorou em acabamento. O painel (que também lembra muito o do Kicks, assim como alguns elementos visuais do exterior) é envolvente e o volante tem a parte inferior reta.

Interior bicolor reforça o estilo mais jovem Interior bicolor reforça o estilo mais jovem

Interior bicolor reforça o estilo mais jovem (divulgação/)

Na versão Connecta, há uma tela de 7 polegadas sensível ao toque e som Bose, que conta com dois alto-falantes inseridos no encosto de cabeça do banco do motorista.

Central multimídia é idêntica à do Kicks Central multimídia de 7 polegadas e ar-condicionado digital, mas sem dual-zone

Central multimídia de 7 polegadas e ar-condicionado digital, mas sem dual-zone (divulgação/)

Recurso que impede a troca inadvertida de faixa é inédito no segmento Recurso que impede a troca inadvertida de faixa é inédito no segmento

Recurso que impede a troca inadvertida de faixa é inédito no segmento (divulgação/)

Durante o test-drive em Aalborg (Dinamarca), agradou a sonoridade do motor, discreta, mas marcante. O giro do propulsor turbinado sobe rápido, característica típica dos três-cilindros. Acima dos 2.000 giros, a condução se anima quando a turbina começa a trabalhar.

De acordo com a Nissan, ele vai de 0 a 100 km/h em 12 segundos e atinge 183 km/h. Também agrada a alavanca do câmbio em posição elevada (são 5 marchas), e os engates se mostraram confortáveis.

Espaço para os passageiros do banco de trás continua pequeno Espaço para os passageiros do banco de trás continua pequeno

Espaço para os passageiros do banco de trás continua pequeno (divulgação/)

Porta-malas oferece 300 litros - 35 a mais que o modelo atual Porta-malas oferece 300 litros – 35 a mais que o modelo atual

Porta-malas oferece 300 litros – 35 a mais que o modelo atual (divulgação/)

A evolução deste March/Micra foi tão grande que só lamentamos uma coisa: que a Nissan não tenha planos de fabricá-lo no Brasil tão cedo.

Apesar das patentes da nova geração já terem sido registradas no país, os planos da montadora são outros. No Brasil, ela deverá aproveitar a plataforma V já utilizada no Kicks, resultando em uma versão simplificada – o modelo europeu é feito sobre a base modular CMF B, cujos custos elevados inviabilizariam sua produção local.

Dessa maneira, a Nissan deverá manter o March atual como carro de entrada. Mesmo sem a mesma sofisticação, a nova geração utilizaria o nome europeu (Micra) para se situar num patamar acima dos hatches compactos, junto com VW Polo e Fiat Argo.

Veredicto

Não fosse pelo nome, você nunca pensaria que este é um March: design, acabamento e conteúdo estão bem melhores

Ficha técnica – Nissan Micra 0.9 i-GT

  • Preço: 13.000 euros (estimado)
  • Motor: gas., diant., transv., 3 cilindros em linha, 898 cm3, 12V, 72,2 x 73,1 mm, 9,5:1, 90cv a 5.500 rpm, 14,3 mkgf a 2.250 rpm
  • Câmbio: manual, 5 marchas, tração dianteira
  • Suspensão: McPherson(diant.), eixo de torção (tras.)
  • Freios: disco (diant.), tambor (tras.)
  • Direção: elétrica
  • Rodas e pneus: 205/45 R17
  • Dimensões: comp., 399,9 cm; largura, 174,3 cm; altura, 145,5 cm; entre-eixos, 252,5 cm; peso, 1.067 kg; tanque, 50 l; porta-malas, 300 l
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 12 s, vel. máx., 183 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Igor Pricandi

    Engraçado, o estilo desse carro até a coluna B é uma repaginação do Elantra/i30 da penúltima geração que diziam estar cansado. A frente tirando alguns retoques é um xerox.

  2. Thiago Duarte

    13 mil euros.. no brasil, 75 mil reais…

  3. Leandro Figueira

    Está havendo um exagero nas linhas dos últimos lançamentos. Este carro parece que está amarrotado. muito estranho.

  4. Sergio Bertoni

    Por fora tá aprovado, mas por dentro… Jesuis!

  5. Jamelao Silva da Silva

    não entendi direito. o refinamento dele está no freio a tambor traseiro ou no eixo de torção? talvez no farol monoparobola? design diferente não quer dizer muita coisa. é piada dizer que esse carro é “premium” ou muito refinado para o mercado brasileiro. o interior é o mesmo do kicks que será fabricado aqui. e pela descrição desse novo micra, podia vir muito bem pra cá como todos esses itens de “refinamento” citados ai. acrescentaria ainda o motor 1.6 do march/kicks atual, umas calotinhas exclusivas, e pronto, teríamos um novo march. poderia vender fácil ao preço do hb20 de topo. ainda acho que a nissan lucraria.

  6. Júnior Nascimento

    O carro está lindo e merecia vir ao Brasil. Coloca um 1.0 turbo aí de uns 130hp e cobra menos de 60k que vai vender bem.

  7. Jeremias Humberto Gouveia

    o carro está fantastico, deveria vir

  8. Marcus Vinicius

    De fábrica-lo no Brasil talvez não tenha por enquanto poderia ser feito no México para chegar aqui deixando a versão nacional como o carro de entrada !

  9. João Euro Küster

    Grandes m…, se não vem pra cá, por que publicar’.
    Que continue essa corroca vendida aqui

  10. Quando chegar no Brasil já é hora de partir pela demora que vamos até perder a tesao pelo carro.