Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Fiat Uno Evolution 1.4

Na linha 2015, o Uno ganha linhas mais bonitas e o econômico start-stop, o primeiro de um carro nacional.

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 8 nov 2016, 18h06 - Publicado em 25 set 2014, 22h06
impressoes

O Fiat Uno 2015 não ficará famoso pelas mudanças externas: elas foram discretas. O mesmo não pode ser dito de um equipamento que ele acabou de ganhar: o Uno será o primeiro nacional a ter um dispositivo que desliga e liga o motor automaticamente no anda e para do trânsito. Bem conhecido na Europa, o start-stop é um poderoso aliado para ajudar a reduzir consumo de combustível e emissões de poluentes. Ele desliga o motor quando o carro para e volta a ligar quando o veículo reinicia o movimento. Seu benefício é proporcional ao tráfego. Quanto mais travado, melhor – comparando com um carro sem esse recurso, que continua queimando combustível mesmo com o trânsito parado. Sucessivas partidas, ao contrário do que pode parecer, não anulam ou diminuem o benefício, porque a partida que gera mais consumo é somente a primeira do dia, quando o motor está frio. As demais não requerem combustível extra. Segundo a Fiat, o sistema pode reduzir em até 20% o consumo (e a emissão de gases), em condições de trânsito pesado.

Para demonstrar a eficiência do equipamento, a Fiat realizou um teste simulado, em que o carro fez duas viagens – a primeira com o sistema desativado e a segunda, ativado -, e confrontou os resultados. O ganho de 20% foi obtido num percurso de 1,7 km, com velocidade média de 15,7 km/h, o que caracteriza um trânsito bastante congestionado. Segundo a CET, a velocidade média nos principais corredores da cidade de São Paulo, no horário de pico, na parte da tarde, é um pouco melhor: 18,5 km/h.

Retorno do investimento

A Fiat não havia divulgado os preços do Uno 2015. Mas deu a estimativa de que o start-stop encareceria o modelo em R$ 800 reais – valor que poderia ser amortizado em cerca de 3 000 km rodados, segundo a empresa. Infelizmente o sistema estará disponível apenas na versão Evolution 1.4 (mostrada nas fotos aqui), como item de série. Nas outras, nem como opcional. Mas a fábrica tem planos de ampliar a oferta do equipamento não apenas para as outras versões do Uno como também para os demais modelos da marca. O start-stop é um sistema eletrônico simples, mas requer aperfeiçoamentos no carro. A bateria deve ser capaz de acumular energia mais rapidamente, e o motor de arranque, ter uma vida útil maior. Segundo a Fiat, no caso do Uno, esse componente é capaz de produzir seis vezes mais ciclos que um equipamento convencional.

Na linha 2015, a família Uno cresceu. Antes havia seis versões, agora há sete: Vivace (duas e quatro portas), Attractive e Way (quatro portas) 1.0, Evolution, Way e Sporting (quatro portas) 1.4. A Vivace permaneceu sem alterações, assumindo o papel de modelo de entrada que antes era do falecido Mille. Todas as versões adotaram dois recursos para reduzir o consumo: pneus verdes, mais eficientes (com resistência ao rolamento 8% menor, segundo a Fiat), e ajustes no câmbio. Além disso, o motor passou a ser apoiado em novos coxins, que contribuem conjunto com o start-stop, por uma questão técnica – o start-stop de um carro manual usa o pedal da embreagem como referência para funcionar. Entre os itens de série, todo Uno virá com direção hidráulica, banco traseiro rebatível, palhetas flat blade e calotas, entre outros. A versão Evolution tem como diferenciais computador de bordo, quadro de instrumentos com tela de LCD, som, retrovisores externo com luzes de direção e volante com regulagem de altura. A unidade mostrada aqui exibe ainda todos os opcionais a que tem direito, como o cinto de segurança de três pontos atrás, na posição central – uma falha, já que recursos de segurança deveriam ser sempre itens de série. A lista toda contempla ainda ar-condicionado, Bluetooth, sensor de ré e rodas de liga leve, além de itens de personalização.

Continua após a publicidade

Ao volante, o Uno não mudou. Ele continua obediente e com sua suspensão cumpridora, embora com calibragem macia. O desempenho também se manteve como antes, esperto para um hatch da sua categoria, já que não houve mudanças no motor e as alterações no câmbio se resumem ao alongamento da quinta marcha, com o objetivo de melhorar o rendimento na estrada, principalmente.

COMO FUNCIONA O START-STOP

660-uno-motor.jpeg

Para instalar o start-stop, a Fiat fez diversas mudanças no Uno. Além da bateria e do motor de partida, a fábrica instalou sensores para monitorar diferentes partes do carro, como o câmbio, o freio e o ar-condicionado. O start-stop desliga o motor do carro quando o motorista pisa na embreagem e coloca o câmbio em ponto morto e volta a ligá-lo, quando o motorista aciona a embreagem para engatar a primeira marcha (nas transmissões automáticas, a referência é o pedal do freio). Para funcionar de forma correta e segura, o start-stop precisa seguir uma série de condições. Ele só desliga o motor se o líquido de arrefecimento estiver acima de 40 °C (para não ter de religar o motor quando ele ainda está frio). E volta a ligar o motor, mesmo com o carro parado, se uma parada mais longa prejudicar o funcionamento do ar-condicionado ou do servofreio, para evitar que os freios deixem de atuar por redução de vácuo.

VEREDICTO

O Uno evoluiu e ficou mais bonito e equipado. Mas é uma pena que sua grande novidade, o start-stop só estará disponível nas versões mais caras da linha.

Continua após a publicidade

Publicidade