Clique e assine por apenas 8,90/mês

Férias: encarando 4.000 km de uma vez com o Honda HR-V

Depois da obrigação, o merecido descanso: aos 40.000 km, HR-V passa pela quarta revisão e cai na estrada

Por Péricles Malheiros - Atualizado em 23 nov 2016, 20h43 - Publicado em 10 mar 2016, 12h37
Longa Duração - Honda HR-V
Em Salvador (BA), HR-V descansa na praia de Itapoã

A saída do HR-V no período de férias de fim de ano já estava programada: o designer Fabio Paiva e sua família (esposa, filha e avó) sairiam de São Paulo rumo a Salvador (BA). Uma viagem de  4.000 km, ida e volta.

Para entregar o HR-V em plena forma para Fabio, aceleramos a rodagem até atingir os 40.000 km antes de sua viagem. Feito isso, agendamos a quarta revisão na Hville, em Barueri (SP). Com o HR-V, deixamos duas reclamações: ruídos na suspensão dianteira e palhetas do para-brisa trepidantes. No dia seguinte, retiramos o carro: “Fizemos um reaperto na suspensão e os barulhos sumiram. Uma simples correção no ângulo de contato com o para-brisa eliminou a trepidação das palhetas”, disse o consultor. O técnico ainda explicou que a quarta revisão inclui a troca da junta da tampa de válvulas, uma vez que um ajuste de folga das mesmas é preconizado pela Honda. Pela revisão, pagamos salgados R$ 1.100, mais os extras de alinhamento, balanceamento e rodízio (R$ 165) e filtro de ar-condicionado (R$ 65).

Na verificação pós-revisão, nosso consultor técnico, Fabio Fukuda, detectou um pequeno deslize da Hville: “O rodízio estava errado. Se deixássemos assim e o carro voltasse do período de férias somente após os 4.000 km da viagem do Fabio Paiva, certamente um par de pneus ficaria com um índice de desgaste maior do que o do outro”, disse Fukuda. Uma vez com os pneus reposicionados, o HR-V caiu na estrada.

Fabio Paiva conta como foi a aventura. “Chamou minha atenção a diferença do contorno das estradas, com vegetação abundante e ricas plantações nos trechos paulista e mineiro e muita aridez no interior baiano. Quanto ao carro, achei excelente: o porta-malas é amplo e minha avó e minha filha não tiveram problema em dividir o banco traseiro. Pelo contrário, nenhuma das duas demonstrou sinal de cansaço, mesmo tendo, respectivamente, 3 e 82 anos. Como motorista, posso dizer que tive confiança plena no carro. E isso é primordial em uma viagem tão longa com a família. O nível de ruído de motor é  elevado, mas dois detalhes me incomodaram mais: o tecido no apoio de braço da porta é áspero e o console central invade a área das pernas. Fiquei com o cotovelo esquerdo esfolado e a lateral do joelho direito dolorida. Na volta, coloquei uma almofada na perna e me policiei para não encostar o braço machucado.”

Honda HR-V: 42.370 km
CONSUMO
No mês: 7,6 km/l com 13,4% de rodagem na cidade
Desde maio de 2015: 8,3 km/l com 24,2% de rodagem na cidade
Combustível: etanol
GASTOS NO MÊS
Revisão: R$ 1.100
Filtro de cabine: R$ 65
Alinhamento: R$ 165
Combustível: R$ 2.050
FICHA TÉCNICA
Versão: EX 1.8
Motor: dianteiro, transversal, 4 cil., flex, 139/140 cv a 6 300 rpm, 17,4/17,3 mkgf
Câmbio: a 5 000 rpm
Continua após a publicidade
Publicidade