Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dirigimos o BMW iX5 a hidrogênio que prepara o futuro da marca alemã

Fomos até os EUA conhecer o protótipo que tenta viabilizar o lançamento de um carro a hidrogênio, com preço de elétrico, até 2030

Por Henrique Rodriguez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
18 jan 2024, 17h02

Foi emblemático: dois dias depois de eu ter conhecido e dirigido o BMW iX5 Hydrogen, a BMW fabricou seu último motor a combustão na Alemanha, um V8 4.4 biturbo montado em Munique. Não é o fim deles, porém os V8 e V12 estão sendo produzidos nos Estados Unidos e os quatro e seis-cilindros são fabricados pela Steyr, na Áustria. É a planta de Munique que está se voltando à produção de carros elétricos.

A BMW é pragmática. Espera que carros elétricos respondam por 50% das suas vendas globais em 2030 e, por isso, continua desenvolvendo motores a combustão, sistemas híbridos e híbridos plug-in, e também aposta nas células de combustível a hidrogênio (FCEV), por meio de uma parceria com a Toyota que já dura dez anos. A intenção é, antes de mais nada, acelerar a descarbonização.

IX
Única emissão deste carro é água, por um dreno (Divulgação/Quatro Rodas)

Um carro com célula de hidrogênio é um veículo elétrico que pode recarregar rápido. O iX5 Hydrogen tem dois tanques de fibra de carbono, onde até 6 kg de hidrogênio são armazenados a uma pressão de 700 bar. Isso é suficiente para percorrer 504 km e o tempo de reabastecimento fica ao redor dos 3 minutos – tanto quanto um abastecimento de gasolina.

Para ter a mesma autonomia, um elétrico do mesmo porte teria uma bateria com mais de 100 kWh, com cerca de 500 kg, e precisaria de pelo menos 1h para a recarga completa. Isso é um verdadeiro drama para caminhões e ônibus. Por isso o hidrogênio é visto como uma solução ideal para veículos pesados de transporte, que dão prejuízo quando estão parados.

No caso dos automóveis, o hidrogênio beneficia quem não tem acesso fácil a carregadores, viaja com frequência, vive em climas frios (onde baterias perdem eficiência) ou usam reboque regularmente, aponta a BMW. O sistema de abastecimento e armazenamento não muda de acordo com o tamanho do veículo, a forma de gerar eletricidade também é a mesma.

Continua após a publicidade
IX
Um FCEV pesa o equivalente a um híbrido plug-in de mesmo porte (Divulgação/Quatro Rodas)

Sim, eletricidade. A Toyota até trabalha em motores a combustão movidos a hidrogênio. Mas o gerente do programa de hidrogênio da BMW, o dr. Jürgen Guldner, diz que esse sistema foi descartado pela alemã devido à queima de óleo lubrificante, o que implica em emissões.

IX
Reação acontece na célula de combustível e o abastecimento é em alta pressão (Divulgação/Quatro Rodas)

O jeito é usar outro tipo de reação. Dentro da célula, o hidrogênio gasoso reage com o oxigênio filtrado do ar comprimido pelo carro. Cada elemento fica em contato com um eletrodo (uma membrana metálica) e o eletrólito entre eles recebe os elétrons que migram de um eletrodo ao outro, criando a corrente elétrica. Essa pilha de hidrogênio é formada por centenas de placas, montadas em um processo que exige uma compressão de 5 toneladas. O resultado é uma potência contínua de 170 cv.

IX

Como alimentar, então, o motor elétrico traseiro que gera até 401 cv? Entra em ação a bateria de 2,5 kWh, que funciona como um tampão e garante a entrega da potência máxima. Ela também acumula energia excedente da célula de hidrogênio e a energia recuperada nas desacelerações. Sozinha, permite que o carro percorra até 15 km.

iX
Existe admissão de ar, pois o carro capta o oxigênio para reagir com o hidrogênio (Divulgação/Quatro Rodas)

Chega a ser um tanto frustrante dirigir o iX5 Hydrogen. É uma oportunidade e tanto estar ao volante de um dos pouco mais de 90 protótipos feitos, ainda mais sabendo que o iX5 elétrico não existe para a venda. Mas o comportamento é rigorosamente o mesmo de um SUV elétrico. A dinâmica, porém, é de híbrido porque não tem o lastro da bateria para reduzir o centro de gravidade.

Continua após a publicidade

BMW iX5 Hydrogen

E no quadro de instrumentos acompanha-se o nível do tanque, a entrega de força e a eficiência da célula, em quilos de hidrogênio por 100 km.

IX%
(Divulgação/Quatro Rodas)

Claro que para o BMW iX5 Hydrogen ser limpo, o hidrogênio precisa ser produzido com energia renovável, como a proveniente de energia solar, eólica ou hidrelétrica. E é mais eficiente recarregar um elétrico com essa energia do que gerar hidrogênio.

ix

A proposta da BMW é usar o excedente de energia, pois usinas eólicas e solares nem sempre têm seu máximo potencial em um momento de alta demanda, para fazer hidrogênio limpo e evitar desperdício.

Continua após a publicidade
IX5
Detalhes azuis servem para lembrar que este X5 usa hidrogênio (Divulgação/Quatro Rodas)

E vai além. De acordo com um levantamento da alemã FZ Jülich, o custo da infraestrutura de recarga de carros elétricos aumenta de forma não linear. É mais barata hoje, mas se tornará mais cara conforme a frota de carros elétricos aumentar. Quando chegar aos 10 milhões de carros elétricos, a infraestrutura para carros a hidrogênio passa a ser mais barata.

IX5
O mais importante é acompanhar o nível do tanque, a entrega de potência e o nível de consumo do hidrogênio (Divulgação/Quatro Rodas)

Mas essa expansão depende de investimento em estações de abastecimento. Há cerca de 1.100 no mundo atualmente, sendo 650 somando Ásia e Oceania; 276, Europa e Oriente Médio; e 116, América do Norte. O Brasil tem uma na Unicamp com baixa pressão (abaixo de 350 bar).

IX5

A Europa planeja ter uma estação de abastecimento a cada 200 km em 2030, confiante nessa solução para veículos pesados. Mas a demanda compartilhada com veículos leves reduzirá custos. A BMW estima que, na segunda metade desta década, terá pelo menos um carro a hidrogênio e custando tanto quanto um modelo elétrico. O desenvolvimento já começou, pois esses BMW iX5 estão ajudando a validar a tecnologia.

BMW iX5 Hydrogen

Continua após a publicidade

Veredicto Quatro Rodas

A tecnologia FCEV oferece a potência de carro elétrico, com preço de híbrido e tempo de abastecimento de gasolina. Mas só é limpo onde há energia limpa. O Brasil não tem infraestrutura para aproveitar esse potencial.

ix

Ficha Técnica

Motor: traseiro, elétrico, 401 cv; célula de combustível de 125 kW; bateria de lítio, 2,5 kWh
Câmbio: automático 1 marcha, tração traseira
Direção: elétrica
Suspensão: McPherson (diant.), multilink (tras.)
Freios: disco ventilado (diant.), disco sólido (tras.)
Pneus: 275/35 R22
Dimensões: comprimento, 492,2 cm; largura, 200,4 cm; altura, 174,5 cm; entre-eixos, 297 cm; peso, n/d*; porta-malas, 650 litros; tanque de combustível, 6 kg; altura livre do solo,
21,4 cm

Desempenho**: 0 a 100 km/h, 6 s; velocidade máxima de 180 km/h; consumo,
1,1 kg/100 km

* A BMW não divulga o dado preciso, mas diz que pesa tanto quanto um híbrido plug-in de mesmo porte. Ou seja: cerca de 2.500 kg.
**Dados de fábrica

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.