Clique e assine com até 75% de desconto

Comparativo: Chevrolet Joy e Renault Kwid, portas de entrada de R$ 45.000

Afinal, é melhor escolher um hatch maior depenado ou um menor completo? Conheça duas opções para quem pretende comprar um compacto de entrada

Por Gabriel Aguiar Atualizado em 13 fev 2020, 08h00 - Publicado em 13 fev 2020, 07h00
Fernando Pires/Quatro Rodas

Se você chegou até aqui, é porque já deve ter resistido à tentação de pagar quase R$ 50.000 por algum seminovo – e, com certeza, seu vizinho disse que seria melhor aquele Toyota Corolla completão de 2012.

Para começar, o Chevrolet Joy (sem Onix), de R$ 48.690, é a novidade do comparativo, ainda que o visual seja praticamente igual à reestilização de quase quatro anos.

Do outro lado está o Renault Kwid Outsider, versão mais completa e cara do modelo mais barato da marca, por R$ 45.390. Qual será digno da vaga na sua garagem?

Fernando Pires/Quatro Rodas

Em relação ao tamanho, há clara vantagem para o “novato”, que é maior em todas as medidas. Por ser de uma categoria acima, ao menos no porte, o modelo também garante mais espaço a bordo.

E, para compensar o entre-eixos 10 cm menor, o pequeno franco-indiano de São José dos Pinhais (PR) é bem mais recheado: central multimídia com câmera de ré, retrovisores elétricos e airbags laterais vêm de série.

Ainda assim, faltam ajustes de altura do banco e do cinto de segurança – mesmo que só para motorista e como parte do pacote Black, de R$ 700 – do rival.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Quando o quesito é segurança, ambos têm as mesmas três estrelas no Latin NCAP para adultos, com pequena vantagem do Renault para proteção de crianças (três estrelas, contra duas do Joy).

E vale lembrar que a marca corrigiu um defeito que existia desde o lançamento, quando todas as configurações tinham freios dianteiros com discos sólidos.

O que isso significava? Menos eficiência nas frenagens e desgaste prematuro das pastilhas, algo que já comprovamos durante os 60.000 km que rodamos com nosso (quase reprovado) Kwid de Longa Duração.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Na ficha técnica, a superioridade do Che-vrolet é evidente – mesmo com 1.028 kg na balança, ou seja, 270 kg a mais que o rival.

E ele nem teve que apelar para dieta e motor três-cilindros sob o capô para superar o concorrente no teste de 0 a 100 km/h: foram 15 s, contra 15,8 s.

Mas, se você conhece o efeito placebo, entenderá a sensação de dirigir o Renault. Isso porque, apesar de os números serem piores, é provável que o Kwid pareça ser mais ágil pelo tamanho pequeno, que facilita a vida no trânsito.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Comum aos dois modelos é a posição mais elevada para dirigir.

E, ainda que o assento do Joy seja pouco inclinado, é justamente ele que oferece a melhor ergonomia, já que o Renault não tem nenhuma regulagem de altura ou profundidade da coluna de direção.

O Chevrolet também é mais refinado no dia a dia, com menos vibrações e ruídos, além do comportamento mais acertado – o rival de comparativo é instável em algumas situações, já que a suspensão traseira de eixo rígido transmite mais buracos à cabine e quica nas curvas.

Fernando Pires/Quatro Rodas

E não estou falando de situações específicas, como o comportamento na pista com o qual poucos compradores se importariam de fato. Afinal, isso realmente não faz sentido para um carro que provavelmente será a única opção da família.

Enquanto o Joy passa a impressão de solidez, algumas situações com o Renault foram especialmente preocupantes.

Nenhum dos dois tem controle de estabilidade, mas, durante um dia chuvoso, por exemplo, o Kwid Outsider deslizou mais de dianteira que o rival em situações bem semelhantes.

Continua após a publicidade
Fernando Pires/Quatro Rodas

Claro que estamos falando de modelos considerados baratos no cenário atual. Por isso, não dá para esquecer aquela velha história do cobertor curto: para cada item presente, algo ficará de lado.

No Chevrolet, central multimídia e vidro traseiro elétrico, assim como os dispensáveis sensores de estacionamento dianteiro e alertas de ponto cego, são oferecidos apenas como acessórios nas concessionárias.

E, para ter todos esses itens, você terá que desembolsar R$ 5.251 (lembrando que esse valor é apenas estimado e pode variar).

Fernando Pires/Quatro Rodas

Resumindo: se você chegou até aqui, comprar um seminovo nunca esteve nas suas pretensões. E, por isso, já deve saber que, para levar um zero-quilômetro para casa, terá de fazer algumas concessões.

Só que, enquanto o Joy não tem nada que realmente desagrade – com exceção da lista de equipamentos um pouco enxuta –, o Kwid Outsider, apesar de completo, tem características que dificultam a convivência.

É claro que nem sempre as escolhas são racionais, mas, pelo conjunto, o Chevrolet é sinônimo de compra certa.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Veredicto

O Kwid se destaca apenas pela lista de equipamentos. Mas o Joy oferece mais qualidade de construção, maior espaço interno, é mais rápido e mais econômico.

  • Chevrolet Joy

    Preço: R$ 48.690
    Motor: flex, dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, DOHC, 8V, 999 cm3, 12,6:1, 80/78 cv a 6.400 rpm, 9,8/9,5 mkgf a 5.200 rpm
    Câmbio: manual, 6 marchas, tração dianteira
    Suspensão: McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
    Freios: disco ventilado (diant.) e tambor (tras.)
    Direção: elétrica
    Rodas e pneus: aço, 185/65 R15
    Dimensões: comprimento, 393 cm; largura, 170,5cm; altura, 147,6 cm; entre-eixos, 252,8; porta-malas, 289 l; tanque, 54 l; peso, 1.028 kg

    Teste

    Aceleração
    0 a 100 km/h: 15 s
    0 a 1.000 m: 36,3 s – 143,1 km/h
    Velocidade máxima: n/d

    Retomada
    3a 40 a 80 km/h: 9,1 s
    4a 60 a 100 km/h: 14,2 s
    5a 80 a 120 km/h: 26,2 s

    Frenagens
    60/80/120 km/h – 0 m: 15,1/27,5/62,7 m

    Consumo
    Urbano: 11,8 km/l
    Rodoviário: 18,1 km/l

    Renault Kwid Outsider

    Preço: R$ 45.390
    Motor: flex, dianteiro, transversal, 3 cilindros em linha, 12V, 999 cm3, 10:1, 70/66 cv a 5.500 rpm, 9,8/9,4 mkgf a 4.250 rpm
    Câmbio: manual, 5 marchas, tração dianteira
    Suspensão: McPherson (diant.) e eixo rígido (tras.)
    Freios: disco ventilado (diant.) e tambor (tras.)
    Direção: elétrica
    Rodas e pneus: aço, 165/70 R14
    Dimensões: comprimento, 368 cm; largura, 157,9 cm; altura, 147,4 cm; entre-eixos, 242,3 cm; porta-malas, 290 l; tanque, 38 l; peso, 806 kg

    Teste

    Aceleração
    0 a 100 km/h: 15,8 s
    0 a 1.000 m: 37 s – 137,2 km/h
    Velocidade máxima: n/d

    Retomada
    3a 40 a 80 km/h: 9,5 s
    4a 60 a 100 km/h: 16,1 s
    5a 80 a 120 km/h: 27,3 s

    Frenagens
    60/80/120 km/h – 0 m: 15,3/27,5/63,1 m

    Consumo
    Urbano: 13 km/l
    Rodoviário: 16,5 km/l

    Continua após a publicidade
    Publicidade