Mercedes-AMG Project ONE: motor de F-1 e 1006 cv livres nas ruas

Hiperesportivo ainda está na fase conceitual e terá cinco motores para gerar mais de 1.000 cv

Hiperesportivo tem motor V6 1.6 da Formula 1 (Ulisses Cavalcante/Quatro Rodas)

Foi com a intenção de dar a sensação de pilotar um carro de corrida que surgiram clássicos como a Ferrari F40 e o McLaren F1. Esta também é a proposta por trás do Mercedes-AMG Project ONE, um hiperesportivo com motor da F-1 e mais quatro motores elétricos que, juntos, geram mais de 1000 cv.

O Project ONE ainda está na fase de conceito e marca os 50 anos da AMG, divisão esportiva da Mercedes-Benz. Mas a versão final já está confirmada e terá produção limitada a 275 unidades. E todas já estariam vendidas.

Além do aerofólio retrátil, há uma barbatana sobre o compartimento do motor (Ulisses Cavalcante/Quatro Rodas)

O Project ONE está mais próximo dos monopostos da Formula 1 do que de um Mercedes-AMG GT S de rua. O motor a combustão usa a base do V6 1.6 litro do W08 F1 usado por Lewis Hamilton e Valtteri Bottas na atual temporada. Tem injeção direta e turbocompressor assistido eletricamente, além de comando de válvulas pneumático, mais rápido do que que o sistema por molas convencional. A vantagem está em poder trabalhar a até 11.000 rpm.

É uma rotação elevada, mas abaixo dos  13.500 rpm que alcança nas pistas. Precaução da Mercedes: este motor usará gasolina premium comum e precisa durar mais do que algumas corridas.

Conceito dará origem a um carro de produção com as mesmas características (Divulgação/Mercedes-Benz)

Destaque até na F-1, o turbocompressor assistido eletricamente é uma atração a parte. As partes deste turbo ficam separadas. De um lado do motor está a caixa quente, alimentada pelos gases do coletor de escape. Do outro, interligada por um mancal, está a caixa fria, que comprime o ar frio para dentro do motor.

Junto à caixa fria está um motor elétrico de 122 cv que tem a função de fazer o turbo girar a até 100.000 rpm, eliminando qualquer atraso nas respostas do V6. Também pode de gerar eletricidade através do fluxo dos gases de escape quando o motor não precisa de impulso extra. 

Conjunto mecânico combina quatro motores elétricos com um a gasolina (Divulgação/Mercedes-Benz)

A energia gerada pode ir direto para o motor elétrico do KERS, conectado diretamente ao virabrequim e que gera 161 cv para dar impulso extra ao motor a gasolina, mas que também recupera energia nas desacelerações. Sobras de energia podem ir direto para o conjunto de baterias de íon de lítio de descarga rápida, instaladas no assoalho, entre os bancos e os pedais. 

Quem gerencia a força dos motores traseiros é um câmbio manual automatizado de oito marchas, que pode ser operado por alavanca ou por borboletas atrás do volante. 

Motores elétricos dianteiros são fixados no chassi e ligados às rodas por caixas de redução (Divulgação/Mercedes-Benz)

Ainda há outros dois motores elétricos de 163 cv cada, instalados na dianteira. São ligados cada um a uma roda por meio de uma caixa de redução. A operação destes motores é independente e controlada pelo sistema de vetorização do torque, o que melhora o desempenho nas pistas.

De acordo com a Mercedes, os motores dianteiros conseguem converter em eletricidade até 80% da energia liberada nas frenagens. E esta energia também é acumulada nas baterias, que permitem rodar até 25 km em modo 100% elétrico.

Chassi monocoque é feito de fibra de carbono (Divulgação/Mercedes-Benz)

De certa forma, o Project ONE é uma central elétrica. Mas isso tem lá suas vantagens: a eficiência térmica do motor a combustão combinado ao elétrico é de 40%. Em outras palavras, 40% do calor gerado pelo motor é convertido em energia mecânica, quando os melhores motores convencionais da atualidade alcançam entre 33 e 38%. A potência total é de 740 kW, ou 1006 cv.

Tudo isso se traduz em números de desempenho animadores. A Mercedes anuncia aceleração de 0 a 200 km/h em menos de 6 segundos e velocidade máxima que supera os 350 km/h.

Por dentro, volante de F-1 e bancos que fazem parte do assoalho (Divulgação/Mercedes-Benz)

O AMG Project ONE tem carroceria monocoque de fibra de carbono e muito do seu projeto tem relação com os carros da F-1. Motor e transmissão, por exemplo, suportam a carga da suspensão traseira do tipo pushrodNa dianteira foi possível reproduzir o sistema de suspensão com braços triangulares e amortecedor inboard compartilhado entre as duas rodas.

O interior também tem partes estruturais, como os assentos que, na verdade, fazem parte do assoalho do veículo. O posto de comando é semelhante ao dos carros da F-1, com direito a comandos concentrados no volante. Mas há ar-condicionado, lugar para apoiar o smartphone e duas telas para acompanhar as funções do veículo.

As portas abrem-se para cima (Divulgação/Mercedes-Benz)

Apesar de tudo, a fabricante alemã não trata seu futuro hiperesportivo apenas como um laboratório de tecnologia híbrida. Acredita que ele será completamente funcional para ser usado no dia a dia. Veremos isso logo, quando o Project ONE for transformado em um carro de produção.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s