Clique e assine por apenas 8,90/mês

Volkswagen pode demitir até 35% de seus funcionários no Brasil, diz site

Marca estaria disposta a dispensar até 5 mil colaboradores de suas quatro fábricas no país mas já negocia com trabalhadores e sindicatos

Por Daniel Telles - 19 ago 2020, 17h19
Fábrica da VW em São Bernardo do Campo (SP) Divulgação/Volkswagen

A Volkswagen pode demitir até 5.000 de seus 15.000 funcionários no Brasil em breve. A informação é do site Auto Indústria. 

De acordo com a publicação, a onda de demissões atingiria funcionários de todas as fábricas mantidas pela marca por aqui: São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP), São José dos Pinhais (PR) e São Carlos (SP).

Os cortes também seriam sobre colabores mensalistas, horistas e até mesmo os terceirizados. A montadora, inclusive, teria se reunido essa semana com representantes dos trabalhadores de cada uma das unidades para iniciar negociações e apresentar propostas de reduções de custos – o que poderia ajudar a evitar cortes.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

A VW suspendeu a produção de todas as suas unidades no Brasil por conta da pandemia no dia 23 de março, e só reabriu completamente suas unidades no dia 1º de junho, com a retomada da produção em São Bernardo do Campo (SP) e Taubaté (SP).

Procurada, a VW se manifestou por meio de nota admitindo que está em negociação com os sindicatos dos trabalhadores de suas fábricas, mas não falou em números. Confira o pronunciamento da fabricante na íntegra:

“A Volkswagen do Brasil está em processo de negociação com os sindicatos das fábricas em São Bernardo/SP, Taubaté/SP, São Carlos/SP e São José dos Pinhais/PR avaliando em conjunto medidas de flexibilização e revisão dos Acordos Coletivos vigentes para adequação ao nível atual de produção, com foco na sustentabilidade de suas operações no cenário econômico atual, muito impactado pela pandemia do novo coronavírus. Segundo a Anfavea, a produção de veículos da indústria brasileira deve cair 45% em 2020 e a recuperação do mercado, com queda prevista de 40% em relação a 2019, é projetada só para 2025.”

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade