Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Toyota faz recall para trocar o motor do Camry

Falha na montagem dos pistões pode provocar travamento completo do propulsor

Por Rodrigo Ribeiro Atualizado em 3 abr 2018, 15h21 - Publicado em 2 abr 2018, 18h04
Oitava geração do Camry começou a ser vendida no Brasil no início de 2018 Divulgação/Toyota

A indústria automotiva já foi cenário para os mais inusitados recall. Já teve carro que teve o logotipo invertido, que ligava sozinho e até sem freio. E a Toyota acaba de adicionar mais um exemplo insólito para a lista.

A marca convocou 1.730 unidades do novo Camry para uma verificação bem séria: esses modelos podem ter sido montados com pistões maiores do que as especificações de fábrica.

Vale ressaltar que a tolerância das peças dos motores atuais fica na casa dos centésimos de milímetros. Uma diferença, ainda que minúscula, fará com que os anéis de vedação e compressão percam a eficiência e pode ocasionar até o contato direto do pistão com a camisa do cilindro.

Motor V6 do Camry chega aos 300 cv sem auxílio de turbo ou compressor Divulgação/Quatro Rodas

A Toyota não especificou quais versões do Camry foram afetadas pelo recall. Atualmente a oitava geração do sedã usa, nos Estados Unidos, um quatro-cilindros 2.5 de 206 cv e um 3.5 V6 de 310 cv.

A falha na montagem, é, naturalmente, catastrófica. Se o cliente der sorte, ele terá problemas como redução de potência, aumento de ruído e emissão de fumaça pelo escapamento.

Na pior das hipóteses, o motor pode travar – o que, claro, pode ocasionar risco de um acidente grave.

  • Como más notícias vêm em baciada, os concessionários Toyota precisarão desmontar parcialmente o motor para verificar os códigos de cada um dos pistões.

    E, se o veículo foi montado com as peças erradas, a solução é uma só: trocar o motor inteiro.

    Questionada, a Toyota do Brasil afirmou que, por enquanto, não recebeu nenhum comunicado indicando se esse recall irá afetar o Camry vendido no país, pois o sedã comercializado por aqui é produzido no Japão, enquanto o modelo afetado foi fabricado nos Estados Unidos.

    Continua após a publicidade
    Publicidade