Top ten: dez carros que ninguém acredita, mas ainda estão em produção

Eles resistiram ao longo de décadas sem grande mudanças e ainda dominam seu terreno

Reinado britânico

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Desde 1936, a inglesa Morgan Motor Company faz roadsters sob encomenda, como o modelo 4/4, mantendo a tradição da receita de chassi de madeira e carroceria de alumínio. E não é que ele continua à venda da mesma maneira? Do motor original 1.1 de 34 cv, passou agora para o Sigma 1.6 de 111 cv que equipa o Ford Fiesta.

Imigrantes japonês

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Lançado em 1970 no Japão e hoje disponível em mais de 180 países, o Suzuki Jimny só teve quatro gerações, mas foi a terceira que mais durou: nasceu em 1998 e ainda está viva – montado em Catalão (GO), ele vai até conviver com a nova versão, chamada Sierra.

Gato de sete vidas

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Na época apenas uma concessionária Lotus, a Caterham comprou os direitos para fabricar o icônico Lotus Seven (1957-73), desde que não usasse o nome original. Assim, o projeto está rodando por aí até hoje, em sete versões com motores Ford 1.6 Sigma ou 2.0 Duratec.

Exército vermelho

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Considerado o Jeep Willys dos soviéticos, o russo UAZ-469 surgiu em 1971. Sobreviveu à queda do Muro de Berlim, em 1989, e ao fim da União Soviética, em 1991. Desde então, é quase o mesmo, mudando só o nome (Hunter), com opções a gasolina e a diesel.

Nova cidadania

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Na essência, o indiano Mahindra Thar é o Jeep CJ-5 de 1954. As únicas diferenças estão no acabamento, na motorização 2.5 turbodiesel de 62 cv e no câmbio, manual ou automático de cinco marchas. Desde 2018, é exportado para os EUA com o nome de Roxor.

Perua maquiada

 (Arquivo/Quatro Rodas)

A Palio Weekend deu as caras em 1997 e, desde então, reina no segmento das peruas. Ganhou a versão Adventure, passou por três reestilizações, desvinculou-se do Palio, mas no fundo sempre foi o mesmo carro. E é cara: a Weekend Adventure sai por R$ 84.000.

A coisa tá russa

 (Arquivo/Quatro Rodas)

O Lada Niva é feito desde 1977 pela AvtoVAZ com a mecânica simples e o acabamento  espartano de sempre. Xodó dos russos e um autêntico 4×4, ele oferece atualmente a versão hatch (3 portas) e wagon (5 portas), mas já teve picapes de 2 e 4 portas e até van.

Acordo do Irã

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Sob licença da Nissan, a iraniana Zamyad produz desde 1970 a picape Z24. Apesar de suas linhas básicas intocadas, continua sendo um sucesso: em 2015, ele foi o veículo mais vendido no Irã, com seus motores Isuzu 2.4 (92 cv) ou 2.8 turbodiesel (93 cv).

Saída à francesa

 (Arquivo/Quatro Rodas)

Desenhado pela Pininfarina, o Peugeot 405 de 1987 durou dez anos na França, mas desde 1995 segue vivo no Irã e Egito, onde tem o nome de Pars (foto). Curioso é que no Irã há o ROA, cópia do 405 antigo, mas com tração traseira e base de Paykan, um carro local.

Sou quadrado, sim, e daí?

 (Arquivo/Quatro Rodas)

É verdade que o Mercedes Classe G, lançado em 1979, era o mesmo até 2018, quando veio a segunda geração, com várias melhorias, como a suspensão independente, mas o estilo quadradão, robusto e old school permanece. Afinal, não se mexe em time que está ganhando.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s