Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Segredo: novos Classe A e Série 1 estreiam até o fim de 2018

O Mercedes vai radicalizar no visual, enquanto o BMW ganhará tração dianteira

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 3 ago 2017, 17h17 - Publicado em 3 ago 2017, 16h55
Novo Classe A chega à Europa no fim do ano
Novo Classe A chega à Europa no fim do ano Du Oliveira/Quatro Rodas

BMW e Mercedes são duas das marcas que mais lançam carros em novos segmentos – até porque passaram boa parte de sua existência fazendo basicamente sedãs em três tamanhos: M, G e GG.

Apesar da atual diversificação, a dupla não descuida dos territórios já conquistados, nos quais são rivais históricas. Um desses segmentos é o de hatches médios.

Neste momento, BMW e Mercedes trabalham no desenvolvimento das novas gerações de Série 1 e Classe A, respectivamente.

Série 1 vais seguir a atual identidade visual da marca, como no Série 5
Série 1 vais seguir a atual identidade visual da marca, como no Série 5 Du Oliveira/Quatro Rodas

A Mercedes apresentará resultados antes: o novo Classe A é esperado para o final deste ano. Mais precisamente, a avant-première deve acontecer em setembro, no Salão de Frankfurt. A BMW vem um ano depois, final de 2018, com o Série 1.

O Classe A será um exemplar de segunda geração (o monovolume homônimo lançado nos anos 90 não entra na conta). Ele usa a mesma plataforma modular MFA da versão atual, mas em uma variação chamada internamente de MFA2, que é maior no comprimento, o que significa que deverá haver mais espaço interno para pessoas e bagagem.

Maior no comprimento, o hatch vai oferecer mais espaço interno
Maior no comprimento, o hatch vai oferecer mais espaço interno Du Oliveira/Quatro Rodas

O estilo muda bastante. Inspirado no show car Concept A, apresentado este ano no Salão de Xangai, o Classe A terá linhas mais fluidas, no lugar dos atuais vincos bem definidos que começam a cair em desuso na marca.

Continua após a publicidade

No que diz respeito à motorização, a Mercedes deve aumentar a oferta com versões híbrida e elétrica acrescentadas às tradicionais gasolina e diesel de quatro cilindros.

A terceira geração do Série 1 estreia com mudanças mais radicais, uma vez que ele ganha a plataforma modular UKL, já aplicada em modelos como o BMW Série 2 Active Tourer e o Mini Countryman.

Essa estrutura não permite arquiteturas de tração traseira, uma tradição na linha BMW.

O novo Série 1 poderá ter versões com tração dianteira ou integral. O lado positivo da troca de plataforma está no fato de que a nova base será mais leve (o que vai contribuir para o desempenho e a economia) e maior nas três dimensões (assegurando mais espaço interno).

O Série 1 pode ser produzido em Araquari (SC)
O Série 1 pode ser produzido em Araquari (SC) Du Oliveira/Quatro Rodas

O visual vai obedecer à nova linguagem da BMW, tendo como exemplo recente o Série 5. A grade ficará maior e integrada ao conjunto de faróis.

Outra novidade que pode desagradar aos fãs mais conservadores é a ausência do motor de seis cilindros, item que também não é previsto pela nova plataforma. Em seu lugar haverá versões de três e quatro cilindros, 1.5 e 2.0, respectivamente.

Sobre o Brasil, ainda não se sabe como seriam as duas estratégias. Por ser fabricado aqui, o Classe A pode demorar mais de um ano para ser renovado.

Já o Série 1 poderia estrear em alguns meses, importado. Mas, como essa plataforma é usada também pelo Mini, haveria uma chance de o BMW ser produzido em Araquari (SC).

Continua após a publicidade

Publicidade