Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Norueguês usa peças de Fiat para fazer réplica do Lamborghini Aventador

Steinar Thyholdt passou sete anos construindo seu próprio Aventador, que tem motor V12 BMW e também tem peças de carros da VW, Seat, Suzuki, Audi e Volvo

Por Henrique Rodriguez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 nov 2022, 09h31 - Publicado em 12 set 2021, 15h55
Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Carro pronto consegue se passar facilmente por um Aventador original (Reprodução/Acervo pessoal)

Depois de assistir ao filme The Cannonball Run (1981) e ficar fascinado pelo Lamborghini Countach logo nas cenas iniciais, o norueguês Steinar Thyholdt (57) decidiu que teria, em algum momento, seu próprio Lamborghini. Ele conseguiu realizar seu sonho: após sete anos de trabalho, muitas pesquisas e viagens ao redor do mundo, concluiu sua própria réplica do Lamborghini Aventador

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

O resultado e a perfeição do trabalho surpreendem até proprietários de Lamborghini. Não é por acaso: o supercarro feito em casa tem quadro de instrumentos digital, painel fiel ao carro original, peças genuínas da Lamborghini e até motor V12 – de um BMW 750i, diga-se. Além disso, o carro tem chassi próprio e está legalizado para circular pelas estradas da Noruega.

Na verdade, o carro batizado de Stethy (aproveitando as três primeiras letras do nome do seu criador) tem diversas peças de BMW, Audi, Volkswagen, Volvo e até de carros da Fiat. E nasceu a partir de uma estrutura feita de madeira.

O carro começou a ser projetado e construído em 2014. A Noruega já permitia que qualquer cidadão pudesse construir seu próprio carro, desde que seguisse algumas regras para viabilizar sua homologação. Mas só a partir de 1° de janeiro de 2014 carros artesanais e kit cars (vendidos em kits para serem montados pelo proprietário) ficaram isentos de tributos e sobretaxas que inviabilizavam os projetos.

Continua após a publicidade

Steinar, que é proprietário de uma academia na cidade de Stjørdal, a 520 km de Oslo, onde vive, contratou um gerente geral para poder se dedicar à construção do seu próprio carro. Ele já tinha alguma experiência por ter comandados uma oficina de funilaria e pintura por dez anos em Hommelvik. Portanto, ele entendia de restauração e reconstrução, mas construir um carro seria um processo bem diferente.

As regras norueguesas baratearam o projeto, mas a burocracia foi grande. Foram três meses de planejamento para apresentar o projeto ao departamento de administração rodoviária local, que exige que especificações técnicas, técnicas de construção, materiais e origem dos componentes sejam apresentados antes que seja concedida a autorização para a fabricação do carro. 

O órgão local inclusive fiscaliza o processo construtivo do carro até a conclusão do projeto. A um jornal local Steinar conta que o processo evoluiu muito ao longo dos sete anos de trabalho e que os procedimentos passaram a valer para todo o país. E, todo orgulhoso, também disse que os agentes se impressionaram com seu esforço e precisão, e não sugeriram alterações.

A aprovação final, porém, só veio após testes em pistas fechadas com procedimentos de aceleração e frenagem, e condução no trânsito tanto na rodovia quanto na cidade.

Pesquisas, viagens e madeira

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Aventura começou com a construção de uma estrutura de madeira (Reprodução/Acervo pessoal)

O processo de construção começou em 2014 a partir de desenhos técnicos completos do Lamborghini Diablo, o que garantiu uma boa visão de todos os componentes, com direito a qualidade e dimensões. Para os conjuntos de suspensão dianteira e traseira, Steinar optou por tomar como ponto de partida os conjuntos independentes duplo A da BMW, que posteriormente foram modificados.

Continua após a publicidade
Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Chassi é todo de aço tubular (Reprodução/Acervo pessoal)

Antes de seguir com a construção propriamente dita, o norueguês fez uma estrutura de madeira seguindo as características técnicas do Diablo, mas ligeiramente maior e mais larga para se aproximar das dimensões do Aventador.

Depois, essa estrutura evoluiu para um chassi tubular que já contemplava a posição de cada componente mecânico e adaptado ao estilo do Aventador. Na verdade, até mesmo um kit oficial de montagem de um Aventador em escala 1:8, com 600 peças, foi usado como inspiração.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Motor V12 5.4 saiu de um BMW e o câmbio era de um Audi A8 (Reprodução/Acervo pessoal)

Seguindo a lógica original do projeto, Steinar Thyholdt comprou um BMW 750i 1998 na Alemanha e foi rodando com ele até sua cidade. O carro serviu de doador do sistema de freios e do motor, o M73 V12 5.4 aspirado. O carro já tinha 240.000 km rodados e, por isso, achou prudente refazer o motor. O câmbio automático, porém, é de um Audi A8.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Steinar foi ao México acompanhar a produção das peças da carroceria (Reprodução/Acervo pessoal)

Para encontrar as peças certas, Thyhold viajou até países como Bulgária, Tailândia e Estados Unidos. A própria carroceria e a estrutura do painel do carro foram fabricados no México, à mão, por Carlos Munoz. Foram quatro anos de trabalho concomitantes ao processo de construção da estrutura do carro. E toda a burocracia para levar as peças de fibra de vidro para a Noruega somaram maios nove meses ao processo. 

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Foi o próprio Steinar quem instalou os painéis da carroceria e aplicou o primer (Reprodução/Acervo pessoal)

A carroceria foi pintada na cor Lamborghini Balloon White, um branco perolizado, e apenas a pintura não foi feita na garagem de Steinar. Uma oficina de pintura local se encarregou de depositar 28 litros de tinta na carroceria. Mas os 35 litros de primer foram aplicados pelo próprio Steinar em sua garagem. 

Continua após a publicidade
Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
(Reprodução/Acervo pessoal)

O proprietário também foi responsável pela fabricação de algumas peças de acabamento, como as grades das tomadas e saídas de ar espalhadas pela carroceria. A forração de couro do painel também foi feita em sua garagem, assim como a montagem de todos os detalhes e componentes necessários.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Forração do interior com couro foi feita pelo próprio Steinar (Reprodução/Acervo pessoal)

Outra história curiosa é das saídas de escape. São quatro, no total, feitos a partir das tubulações de tanques compradas na loja Ikea.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Parte do console central do Fiat Doblò (Reprodução/Acervo pessoal)
Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Saídas do ar condicionado do Fiat foram instaladas ao contrário (Reprodução/Acervo pessoal)

A prospecção de peças também foi especialmente importante na cabine. Por exemplo, as saídas de ar centrais foram fornecidas por um Fiat Doblò de nova geração e instaladas invertidas. O furgão da Fiat também forneceu a luz de teto da cabine. Já o mecanismo dos vidros elétricos foram adaptados de um Volvo V70. Molduras dos vidros vieram de carros da Volkswagen, enquanto conectores dos faróis são do Seat Ibiza e a estrutura do bocal do tanque veio de um Suzuki Swift.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Quadro de instrumentos é digital e estilo remete aos Lamborghini (Reprodução/Acervo pessoal)

A propósito, as vigias laterais traseiras foram aproveitadas de um VW Polo. Contudo, Steinar conseguiu aproveitar as vigias laterais dianteiras e o para-brisas original de um Lamborghini Aventador. Os faróis também são originais do supercarro.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Repare nos botões seletores do câmbio à esquerda do volante (Reprodução/Acervo pessoal)

O quadro de instrumentos digital é genérico, mas tem grafismo semelhante ao dos Lamborghini. Os botões do seletor do câmbio estão à esquerda do volante e um tablet Lenovo está onde iria uma central multimídia.

Continua após a publicidade

Para todos os efeitos, um Lamborghini

Agora o Stethy, o Lamborghini Aventador norueguês, está pronto. Suas dimensões são muito próximas do carro original: 4,8 m de comprimento, 2,36 m de largura (com espelhos) e 1,13 m de altura. Os pneus dianteiros são 255/35 R19 e os traseiros 335/30 R20. O peso líquido com tanque cheio é de 1.650 quilos.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Trem de força foi instalado em posição central (Reprodução/Acervo pessoal)

Steinar até instalou proteções aerodinâmicas no assoalho e diz que a altura do carro é o maior problema para vencer as lombadas da região onde mora. 

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
Chassi durante testes dinâmicos (Reprodução/Acervo pessoal)

O carro é totalmente funcional e legalizado. Mas, ainda que tenha motor V12 aspirado como o Aventador verdadeiro, o motor BMW entrega 286 cv e 41,5 kgfm a 2.000 rpm nas rodas traseiras, de acordo com medição em dinamômetro. O criador do carro diz estar satisfeito com a potência e o desempenho.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Sistemas de freio vieram do BMW 750i (Reprodução/Acervo pessoal)

Steinar calcula ter gasto o equivalente a 97.357 euros, ou R$ 603.500 ao cambio atual na empreitada. Isso sem considerar as 5.000 horas de trabalho que calcula ter gasto em seu carro.

Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt
Carro parado na entrada da garagem de Steinar (Reprodução/Acervo pessoal)

Foi muito dinheiro, mas não custa lembrar que os Lamborghini fabricados em Sant’Agata Bolognese não custam menos de 400.000 euros. Aqui no Brasil, o Aventador SVJ novo não sai por menos de R$ 7,2 milhões.

Continua após a publicidade
Lamborghini Aventador Sthety Steinar Thyholdt (1)
(Reprodução/Acervo pessoal)

Seja como for, o trabalho de Steinar despertou a admiração de outros entusiastas da Lamborghini. Harald Skjøldt, presidente de Lamborghini Klubb Norge e que mantém alguns carros da fabricante italiana em sua garagem, aprovou a réplica: “Estou muito impresionado com o trabalho que foi realizado. Os Lamborghini são superesportivos muito avançados, por isso não foi uma tarefa fácil”.

E por mais que não se trate de um carro oficial, Skjøldt gostaria que o Stethy participasse dos encontros que organiza com outros proprietários de Lamborghini. Difícil será encontrar espaço na agenda: a réplica do Aventador já foi convidada até para o Unique Hand Built Cars, na Dinamarca, como um dos cerca de 30 carros convidados. O evento é tratado como um “Goodwood em miniatura”.

Galeria de fotos do Aventador Stethy:

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Capa quatro rodas 748 agosto 2021

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.