Clique e assine por apenas 6,90/mês

Renault Sandero igualou segurança do colombiano com solução local

Entenda mudança técnica que levou linha 2020 da família de compactos a ter duas notas diferentes no Latin NCAP

Por Leonardo Felix - Atualizado em 15 dez 2019, 07h28 - Publicado em 13 dez 2019, 15h43
Renault Sandero 2020 no teste do Latin NCAP Latin NCAP/Divulgação

Sua decisão de compra de um carro se baseia no nível de segurança que ele oferece? Então você certamente ficará confuso ao pesquisar o quão seguro é o Renault Sandero 2020.

Isso porque, no ano-modelo 2020, a família formada pelo hatch, pelo sedã compacto Logan, pelo aventureiro Stepway e pelo esportivo RS pode entrar na sua garagem com três padrões diferentes de segurança, segundo o Latin NCAP (programa de segurança viária para América Latina e Caribe).

O primeiro é o do Sandero 2020 pré-facelift: uma estrela (18,01 pontos de 34 possíveis) em proteção para adultos e três (28,97 de 49) para crianças.

Mas o estranho mesmo é saber que a linha 2020 reestilizada também pode vir de fábrica com dois parâmetros diferentes.

Continua após a publicidade

Unidades fabricadas até 10 de dezembro deste ano são avaliadas com uma (23,28 pontos) e quatro estrelas (38,52), respectivamente, enquanto aquelas produzidas a partir de tal data recebem três estrelas (23,4 pontos) para adultos.

Imbróglio foi causado pela prova de colisão lateral Latin NCAP/Divulgação

QUATRO RODAS já contou um pouco dos bastidores desse imbróglio: uma inesperada diferença de padrão entre exemplares feitos no Brasil e na Colômbia levou a Renault a atualizar o modelo nacional.

Só que erramos uma parte importante da informação: o Sandero feito em São José dos Pinhais (PR) não ganhou reforços estruturais nem trocou os airbags laterais, conforme inicialmente publicado.

Oficialmente, a Renault confirma ter promovido alterações no compacto, mas afirma que o modelo continua a usar as mesmas bolsas infláveis de antes, com 4 litros a menos de volume em relação ao colombiano.

Continua após a publicidade

O fabricante se limitou a informar que “foram efetuados pequenos ajustes técnicos” no modelo – sem detalhar quais seriam eles –, suficientes para promover o ganho de duas estrelas.

Á esquerda, o airbag do Sandero colombiano, maior; à direita, o do brasileiro Latin NCap/Divulgação

Ainda, iterou que o “Sandero atende e sempre atendeu plenamente às normas de segurança vigente”, e que, “em relação às especificações técnicas entre o modelo produzido na Colômbia e no Brasil, as pequenas diferenças existentes são em função dos fornecedores locais de cada país, como é prática de vários fabricantes”.

“Importante ressaltar que tais diferenças não alteram os resultados de proteção aos ocupantes, que são os mesmos independentemente da locação produtiva”, finalizou o comunicado da marca.

Procuramos, então, o Latin NCAP, que explicou a mudança: “a Renault mudou o tempo de disparo dos airbags laterais nos carros brasileiro e argentino”, respondeu o secretário-geral da entidade, Alejandro Furas.

Continua após a publicidade

“Eles adiaram um elemento de absorção de energia no impacto lateral para ajudar a manter o boneco com distância maior do ponto de impacto lateral. Também mudaram o tempo de disparo dos airbags para reduzir os ferimentos do boneco”, seguiu.

Esse ajuste, claro, se refere a milésimos de segundo. E surpreendeu o Latin NCAP. “Esperávamos que Renault atualizaria os airbags laterais do carro brasileiro, mas isso não aconteceu”, disse Furas.

Sandero tem mesma dianteira do sedã Logan Divulgação/Renault

Entretanto, na avaliação do programa, o Sandero brasileiro “continua oferecendo menos proteção contra impactos laterais do que o colombiano”, devido ao volume menor da bolsa e à estrutura do banco, na avaliação do executivo.

O órgão questiona ainda a Renault por “não comunicar voluntariamente aos compradores dos carros de uma estrela quais modificações foram feitas” para que a nota fosse atualizada.

Continua após a publicidade

Por outro lado, uma fonte familiarizada com o caso apontou que a Renault teria contestado internamente o resultado do teste de uma estrela junto ao programa, alegando que o boneco estava posicionado 7 milímetros fora do padrão. Lembrando que o teste foi patrocinado pelo fabricante.

No fim das contas, o fato é que o Sandero brasileiro continua a ter bancos dianteiros e airbags laterais diferentes do colombiano.

E, entre milímetros e milésimos, ou entre trocas de farpas de Renault e Latin NCAP, mais do que uma diferença de duas estrelas na nota, ficou em jogo a segurança efetiva dos ocupantes dos veículos vendidos no país.

Publicidade