Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Quando se deve colocar protetor de cárter no carro?

Alguns fabricantes ainda recomendam o uso do protetor de cárter, mas apenas se for a peça original, para não comprometer segurança e garantia

Por Fernando Miragaya
19 nov 2018, 12h03
Nos anos 1990 e 2000 os protetores de cárter eram comuns (Mauro Souza/Quatro Rodas)

O protetor de cárter já foi muito badalado e ainda hoje faz parte do cotidiano. Mas, se nos anos 1990 e início de 2000 era comum vê-lo na lista de opcionais da maioria dos carros, os projetos atuais já pensam no reservatório que armazena o óleo mais imune a rompimento provocado por impactos.

Mesmo assim, muitas marcas ainda disponibilizam o item como acessório original de concessionária. Só que a peça tem de ser original. Veja quais os riscos e quando colocar ou não o protetor.

Quando usar?

O protetor é feito para evitar que pedras atinjam o bujão do cárter, provocando vazamento de óleo. Ou seja: se você transita com frequência em estrada de terra ou com muita pedra, ou mesmo com muitos buracos e valas, talvez seja válido.

Continua após a publicidade

Mas o equipamento deve ser original e instalado na concessionária. O ideal é verificar no manual do proprietário se o carro já vem com o item ou se sua instalação é possível e recomendada.

Para quem faz trilha…

Muitas marcas já nem recomendam o uso da peça e nesses veículos o item é só indicado para quem fará um fora de estrada pesado ou vai competir, o que implica não só na instalação do protetor como de outras peças para uso no off-road extremo – a Mitsubishi e a Suzuki, por exemplo, oferecem um item mais robusto para seus modelos, que já são fabricados com protetor de cárter de série.

Mesmo assim, é preciso ficar atento ao desenho desse item. “O protetor tem de ser uma peça fácil de colocar e de retirar para a eventual troca de óleo. O equipamento também não pode interferir em outro elemento do carro e ter janelas de ventilação”, orienta Francisco Satkunas, conselheiro da SAE Brasil.

Continua após a publicidade

E quando é opcional na marca?

Aí, fica a critério do cliente. “É importante reforçar que a questão de ser necessário ou não é uma decisão do cliente.

a Suzuki, por exemplo, oferece um item mais robusto para seus modelos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Alguém que dirige apenas na cidade ou em estradas asfaltadas muito dificilmente vai usar o protetor de cárter na prática, mas ele pode se sentir mais seguro e confortável sabendo que seu carro possui o equipamento”, explica Flavio Cuareli, supervisor de Produto da Hyundai Motor Brasil, que oferece o item como acessório de concessionária.

Continua após a publicidade

Homologado

Lembre-se de que os protetores são testados e homologados pelas marcas para não interferirem na dinâmica ou no balanço do veículo. A instalação, quando recomendada, deve ser feita com peça original e na revenda autorizada, onde os funcionários são treinados para tal fim.

Por isso, peça para verificar o componente, que deve vir com número de série e logomarca da montadora. Exija, ainda, a nota fiscal do acessório.

“Os principais riscos de não instalar o item original é adquirir um acessório que não teve a resistência do material, performance e pontos de fixação testados pela engenharia”, observa Mário Furtado, gerente de Pós-Vendas da Nissan do Brasil.

Continua após a publicidade

Riscos

O protetor de cárter, quando não recomendado, é um corpo estranho no veículo e interfere em vários aspectos. Se não tiver ventilação, corre-se o risco de superaquecer o motor. Além disso, pode alterar o balanço do veículo e mudar a dinâmica de deslocamento do motor, em caso de colisão.

Se estiver fora das especificações, ainda impacta o funcionamento de outros componentes, como o esterçamento da direção, itens da suspensão ou os parâmetros para detonação do airbag.

“Protetor de cárter é um invasor de estrutura que impacta a dinâmica e a segurança, é um agregado de projeto.Todo peso que você coloca altera a dinâmica e afeta o balanço. Muda o comportamento do carro”, alerta Emílio Paganoni, gerente sênior de Treinamento da BMW, que não equipa nem recomenda o protetor em seus modelos.

Continua após a publicidade

Garantia

O protetor de cárter não original não implica em perda de garantia diretamente. Mas quaisquer danos ocasionados pela má instalação ou funcionamento do equipamento acarretam a perda automática da cobertura.

Tem ou não tem?

O que diz cada marca sobre o protetor de cárter

  • BMW: seus carros já têm cárter protegido; não indica a instalação
  • Fiat: é de série em Toro, Doblò e linha Adventure. Na Strada, é opcional. No restante, pode ter o acessório da Mopar
  • Ford: EcoSport, Fiesta, Ka e Ka Sedan têm a opção de acessório original
  • Honda: oferecido como acessório original em todos exceto o Accord
  • Hyundai Brasil: o item é oferecido como acessório para HB20 e Creta
  • Jaguar Land Rover: os modelos já trazem a proteção do cárter
  • Jeep: vem nos Renegade diesel e no Compass Trailhawk. Os demais modelos podem ter como acessório
  • Kia: ou o cárter não fica exposto ou há defletores ou capas plásticas
  • Lifan: há a opção do acessório original
  • Mercedes: os veículos que não têm vêm com proteção que faz essa função
  • Mitsubishi: todos têm 
  • Nissan: só na Frontier; para os demais há opção do acessório
  • Renault: só Kwid não tem de fábrica
  • Suzuki: todos têm
  • Toyota: Etios e Yaris têm; marca não indica a instalação nos demais 
  • Volvo: todos os veículos contam com uma proteção plástica, que atua nas batidas leves 
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.