Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Puma GTB era alternativa nacional ao Camaro e usava mecânica do Opala

Inspirado nos pony cars americanos, o Gran Turismo brasileiro era rápido, veloz e oferecia um padrão de conforto inédito no mercado

Por Felipe Bitu Atualizado em 6 fev 2021, 17h18 - Publicado em 6 fev 2021, 08h00
O estilo lembrava os Aston Martin DBS de 1967
O estilo lembrava os Aston Martin DBS de 1967 Fernando Pires/Quatro Rodas

Fundada em 25 de agosto de 1963, a Puma Veículos e Motores Ltda. surgiu pela iniciativa de Luiz Roberto Alves da Costa, Milton Masteguin, Mário César de Camargo Filho e Rino Malzoni. Originalmente Sociedade de Automóveis Lumimari (amálgama da primeira sílaba do nome de cada sócio), a fábrica paulistana construiu uma reputação invejável em seus dez primeiros anos de atividade, coroados pelo desenvolvimento do Puma GTB.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 7,90

“A ideia do GTB surgiu devido ao sucesso que os esportivos americanos faziam no Brasil, especialmente o Ford Mustang e o Chevrolet Camaro”, conta Kiko Malzoni, filho do projetista Rino. “O Puma Volks-wagen era um grande sucesso, mas seguia o conceito dos esportivos europeus, em que o objetivo era ser o menor e mais leve possível. Havia demanda na época para um estradeiro menos voltado a competições, maior e mais confortável, impulsionado por um motor dianteiro que tivesse grande cilindrada.”

Finalizado em 1971, o protótipo P8 lembrava muito o estilo do Aston Martin DBS e foi avaliado pelo jornalista Emilio Camanzi, da QUATRO RODAS, em outubro daquele ano (edição 136): “O P8 impressionou pelo estilo e muito mais pelo conforto, silêncio e espaço que o Puma GTE não oferecia.

O 4.100 do Opala entregava 171 cv de potência
O 4.100 do Opala entregava 171 cv de potência Fernando Pires/Quatro Rodas

O motor de seis cilindros e 3,8 litros do Chevrolet Opala o fazia acelerar rapidamente, mantendo altas velocidades com facilidade e mostrando um comportamento quase neutro nas curvas. Foi uma ideia muito bem-vinda em um mercado carente de automóveis desse tipo”, lembra Camanzi.

  • O novo esportivo nacional logo ganhou o apelido de Puma Chevrolet e acabou sendo redesenhado por Rino Malzoni, que adotou mais elementos de estilo da escola norte-americana. O resultado foi apresentado no Salão de São Paulo, realizado entre 25 de novembro e 10 de dezembro de 1972: o estande da Puma ficou pequeno para acomodar o público atraído pelas linhas do Puma GTO (Gran Turismo Omologato).

    As laternas traseiras vinham do Alfa Romeo 2300
    As laternas traseiras vinham do Alfa Romeo 2300 Fernando Pires/Quatro Rodas

    “O problema é que a sigla GTO já era utilizada pela GM no modelo homônimo da Pontiac”, conta Luís Costa, filho de Luiz Roberto Alves da Costa, sobrinho de Mário César de Camargo Filho e atual presidente da Puma Automóveis Ltda. “Para evitar qualquer conflito com a futura fornecedora de componentes mecânicos, acabaram mudando o nome para Puma GTB, cuja sigla passou a significar Gran Turismo Brasil.”

    Foram quase dois anos até o início da produção, em 1974. Avaliado em agosto de 1974 (QR 170) agradou pela estabilidade proporcionada pelos enormes pneus 205/70 R14 dianteiros e 215/70 R14 traseiros. Um de seus poucos defeitos estava na suspensão traseira: o GTB abandonou os braços arrastados com molas helicoidais do protótipo P8 em favor do esquema Hotchkiss com molas semielípticas, muito mais adequado ao chassi tubular.

    Continua após a publicidade
    Instrumentos e botões no painel eram derivados da linha Chevrolet
    Instrumentos e botões no painel eram derivados da linha Chevrolet Fernando Pires/Quatro Rodas

    A involução técnica cobrava seu preço: o GTB oscilava quando levado além dos 130 km/h. A modificação não agradou o piloto Emerson Fittipaldi, que avaliou o GTB em fevereiro de 1975 (QR 176): “A frente afunda nas curvas forçando a saída da traseira. […] o GTB se inclina muito nas curvas, chegando a assustar o motorista. Se a suspensão traseira fosse mais dura, acho que eliminaria esse problema”, disse Fittipaldi. 

    “Eu já acho que o GTB se torna uma máquina divertida e muito rápida no momento em que o motorista conhece seus limites”, conta Newton Masteguin. “O acerto das suspensões foi aprimorado em viagens que fiz com meu pai na região de Campos do Jordão. O entre-eixos cerca de 24 cm mais curto que o do Opala o deixava bem mais arisco, colaborando para a insegurança inicial do motorista.”

    Detalhe dos comandos no painel
    Detalhe dos comandos no painel Fernando Pires/Quatro Rodas

    Quase 50 anos após sua primeira aparição, o GTB continua cativando a atenção das pessoas por onde passa. “A primeira tiragem produzida até o primeiro semestre de 1977 é um pouco mais rara, caracterizada pelas lanternas traseiras do Saab Sonett, importadas da Suécia”, conta o entusiasta Leandro Pascholatti. “Os modelos produzidos a partir do segundo semestre de 1977 são mais comuns e trazem lanternas do Alfa Romeo 2300 e a placa posicionada abaixo da linha do para-choque.” 

    Puma emblema
    Fernando Pires/Quatro Rodas

    Cerca de 710 unidades do GTB foram fabricadas até a chegada do GTB S2, em 1979, resultando em uma média mensal inferior a 12 unidades. “Foi um momento muito feliz na história da empresa, pois a fila de espera chegava a dois anos”, conta Masteguin. “Mesmo estando entre os automóveis mais caros do país, o GTB sempre teve uma demanda elevada: a Puma não precisava fazer esforço algum para vendê-lo.”

    Depois de 50 anos, ainda chama atenção
    Depois de 50 anos, ainda chama atenção Fernando Pires/Quatro Rodas

    Ficha técnica

    Motor: longitudinal, 6 cilindros em linha, 4.097 cm3, comando de válvulas no bloco, alimentação por carburador de corpo duplo
    Potência: 171 cv SAE a 4.800 rpm
    Torque: 32,5 kgfm a 2.600 rpm
    Câmbio: manual de 4 marchas, tração traseira
    Carroceria: aberta, 2 portas, 2 lugares
    Dimensões: comprimento, 430 cm; largura, 174 cm; altura, 126 cm; entre-eixos, 242 cm; peso 1.216 kg
    Pneus 205/70 R14 dianteiros e 215/70 R14 traseiros

    Capa Quatro Rodas setembro de 1974
    Quatro Rodas/Quatro Rodas

    Teste (setembro de 1974):

    Aceleração: 0 a 100 km/h: 12,4 s
    Velocidade máxima: 170,22 km/h
    Consumo Médio: 6,2 km/l
    Preço (setembro de 1974): Cr$ 79.000
    Preço atualizado: R$ 219.095 (referência: salário mínimo)

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa Quatro Rodas edição de dezembro 740

    Continua após a publicidade
    Publicidade