Clique e assine por apenas 8,90/mês

Projeto de lei quer fim de carros a gasolina e diesel no Brasil

Mudança na legislação pode banir a venda de automóveis movidos a combustíveis fósseis a partir de 2030

Por Rodrigo Ribeiro - Atualizado em 6 set 2017, 11h46 - Publicado em 5 set 2017, 22h00
Toyota Prius em movimento na posição 3x4 de frente
Mesmo sendo híbrido, o Toyota Prius seria banido do Brasil pelo projeto de lei proposto pelo senador Ciro Nogueira Divulgação/Toyota

Se depender do projeto de lei do senado (PLS) 304/2017, do senador Ciro Nogueira (PP-PI), o Brasil será mais um integrante do clube de países que vão banir carros com motores a combustão, como Alemanha, França e Reino Unido.

Mas não completamente: a mudança na legislação prevê que modelos movidos a biocombustíveis, como etanol, ainda tenham autorização para circular no Brasil.

De acordo com o PLS, a partir de 2030 seria proibida a comercialização de automóveis movidos a combustíveis fósseis, com gasolina, diesel e GNV. Dez anos depois, toda a frota circulante, à exceção de veículos de coleção, oficiais ou diplomáticos, deverão usar etanol, biodiesel ou eletricidade como combustível.

Scania 111
Ao menos por enquanto, caminhões e ônibus não serão impactados pela lei Divulgação

Um detalhe da lei é que, apesar de prever o uso de veículos elétricos, ela ignora as versões híbridas. Em uma análise literal, o Prius só poderia continuar a ser vendido no Brasil caso seu motor a combustão fosse adaptado para usar apenas etanol.

Continua após a publicidade

O senador deu uma entrevista exclusiva à QUATRO RODAS para comentar sobre seu projeto de lei. “Uma das bases do meu mandado é proteger o meio-ambiente. Inclusive, muitos países e fabricantes já se adiantaram neste tema e se preparam para banir carros movidos a combustíveis fósseis”, explicou Nogueira.

O antigo Corsa Sedan foi um dos últimos modelos vendidos no Brasil com opção de motor movido apenas com etanol Chevrolet/Divulgação

Ele também comentou sobre a ausência dos veículos híbridos na lei, argumentando que esse tipo de veículo “é uma transição”, mas que a inclusão deles na legislação pode ser discutida.

Nogueira afirmou que a repercussão positiva de seu PLS no Senado o impressionou positivamente, e ele crê que a lei seja aprovada até o final de 2018.

Apesar da PLS não incluir caminhôes e ônibus, o senador acha que os veículos pesados também devem sofrer restrições, mas “com prazos mais longos para adaptação”.

Continua após a publicidade

Procurada por QUATRO RODAS, a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) ainda não se pronunciou sobre a PLS até a publicação desta reportagem. O posicionamento oficial da entidade será incluído posteriormente neste texto.

Publicidade