Porsche cria alternativa barata aos freios cerâmicos

Discos com carbureto de tungstênio custam um terço dos carbocerâmicos presentes em esportivos

Disco de freio PCSB Porsche Novo sistema de freios custa 1/3 dos carbocerâmicos

Novo sistema de freios custa 1/3 dos carbocerâmicos (Divulgação/Porsche)

A terceira geração do Porsche Cayenne está mais sofisticada. Tem, por exemplo, eixo traseiro esterçante, amortecedores adaptativos (que se adaptam às irregularidades do piso) e controle dinâmico de chassi.

Mas um carro tão grande e que se destaca pelo bom desempenho (a versão intermediária S, com 446 cv, chega aos 100 km/h em menos de 5 segundos) precisa de bons freios. Duro é ter que pagar mais de 10 mil euros (ou quase R$ 40 mil, quase 10% do preço do carro) para ter freios cerâmicos.

São freios feitos de um compósito de carbono e cerâmica. Eles duram mais, proporcionam maior atrito com as pastilhas, a ponto de reduzir a distância de frenagem em até 25%, e dissipam o calor tão bem que praticamente não há fadiga. Por isso são usados nos carros de Fórmula 1.

O grande porém é o preço. E isso afasta inclusive clientes endinheirados. Não é raro o veículo vir de fábrica com essa tecnologia, mas ter o item substituído por outro comum no momento da troca.

Disco de freio PCSB Porsche Discos recebem revestimento de carbureto de tungstênio

Discos recebem revestimento de carbureto de tungstênio (Divulgação/Porsche)

Para contornar isso, a Porsche encontrou um jeito de entregar freios com desempenho mais próximo dos freios cerâmicos, mas por um terço do valor.

O Porsche Cayenne estreia o chamado Porsche Surface Coated Brake (PCSB), freio com superfície revestida em tradução literal. Ele usa discos de alumínio (que dissipa o calor muito bem) com revestimento de carbureto de tungstênio, um material muito duro e bastante resistente a abrasão.

De acordo com a empresa, o carbureto de tungstênio estende a durabilidade do sistema de frenagem em 30% em comparação com o sistema convencional. Ele também garante maior atrito com as pastilhas de freio, o que melhora as frenagens frente ao sistema convencional.

Disco de freio PCSB Porsche Porsche diz que os discos de freio ganham aspecto espelhado com o uso

Porsche diz que os discos de freio ganham aspecto espelhado com o uso (Divulgação/Porsche)

Mas o melhor de tudo é que os freios PSCB são opcionais de 3.394 euros no Cayenne S. E é item de série no Cayenne Turbo. A ideia da fabricante alemã é oferecer esta tecnologia em todos os seus modelos no futuro.

Não que isso seja importante, mas a Porsche diz que após os primeiros 600 km os discos de freio passam a ter a superfície brilhante, o que dá aspecto diferente ao sistema.

Os freios PSCB ainda liberam menos fuligem do que os outros tipos de freio. É tão pouco que a Porsche usa pinças brancas para identificar a presença deste sistema.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s