Peugeot 308 e 408 se despedem do Brasil, e quase ninguém sentirá falta

Com volume de vendas anual equivalente ao do Onix em dois dias, hatch e sedã saem de cena para dar espaço a 208, SUVs e veículos comerciais

Performance e consumo agradam, mas dirigibilidade não é tão boa quanto a dos concorrentes Peugeot 308 deixa de ser importado da Argentina

Peugeot 308 deixa de ser importado da Argentina (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Mais uma dupla de carros dá adeus ao mercado brasileiro: a Peugeot confirmou que o hatch médio 308 e o sedã médio 408 não serão mais oferecidos no país.

No site da marca, os dois nem aparecem mais na página inicial, já que a ideia da empresa é focar nos SUVs – tendência mundial, aliás – 2008, 3008 e 5008, no compacto 208 e em sua linha de veículos comerciais.

Os carros aparecem apenas na parte em que a marca apresenta sua gama de produtos, uma vez que ainda existem unidades em estoque. Os preços são R$ 89.990 para o 308 e R$ 69.990 para o 408.

Quando se tenta configurar o modelo escolhido, porém, o site não entra na página.

A baixa procura justifica a interrupção da importação argentina dos “irmãos”. Segundo dados da Fenabrave, 739 unidades do 408 foram emplacadas no ano passado. O 308 teve desempenho ainda pior, com apenas 434 carros vendidos.

Somados, ambos emplacaram em um ano o mesmo que o Chevrolet Onix costuma vender em dois dias. Ou seja: pouca gente sentirá a ausência. Conheça o histórico dos dois modelos que se despedem do Brasil.

Peugeot 408

Motor THP e câmbio com trocas no volante deram novo ânimo ao 408 Sedã teve 739 unidades emplacadas no ano passado

Sedã teve 739 unidades emplacadas no ano passado (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A primeira geração do 408 estreou em janeiro de 2010, apresentado do Salão de Pequim (China). Desenvolvido para mercados emergentes, o carro não foi oferecido na Europa (também foi fabricado na Rússia e na Malásia, onde a produção se mantém).

Ele não foi um substituto direto do 407, cuja produção foi descontinuada também em 2010, mas chegou para suprir sua ausência e do 307 Sedan no segmento de sedãs médios para a marca.

Chegou ao mercado brasileiro em fevereiro de 2011 importado da Argentina, que começou a produzir o modelo em sua fábrica de El Palomar em novembro do ano anterior. Inicialmente trazia motor 2.0 16V flex de 151 cv.

Em 2014 o carro ganhou a segunda geração no mercado chinês, que não chegou ao país. Apenas no final de 2015 o 408 recebeu uma reestilização no mercado brasileiro. Apesar de ser equipado com o motor turbo 1.6 THP flex de ótimo desempenho, com 173 cv de potência, nunca fez um sucesso estrondoso por aqui.

Na China, o modelo continua em linha, uma geração à frente da nossa. O 408 passou, inclusive, por uma atualização no fim do ano passado para deixar seu visual mais alinhado com o restante dos carros da marca.

Peugeot 308

Lanternas traseiras são de leds Hatch foi reestilizado em 2015, mas ficou descolado do 308 europeu

Hatch foi reestilizado em 2015, mas ficou descolado do 308 europeu (Marco de Bari/Quatro Rodas)

Apesar da estreia na Europa ter sido em 2007, o 308 só chegaria ao Brasil (importado da Argentina) cinco anos depois, sendo lançado por aqui no início de 2012 para substituir o 307.  Estreou o motor 1.6 flex de até 122 cv da marca nesse primeiro momento.

Assim como o “irmão” 408, recebeu apenas um facelift no fim de 2015, enquanto a segunda geração do hatch já rodava no mercado europeu desde 2013, com visual alinhado com 208 e 508 – fabricado na França, China e Malásia.

Ganhou o bom motor 1.6 THP em 2016, que passou a ser o único oferecido na linha 308/408 a partir do início de 2017, quando as opções com o 1.6 aspirado e com o 2.0 foram descontinuadas.

A última novidade mais significativa da dupla no Brasil foi a edição especial Roland Garros, limitada a 300 unidades, em maio de 2017.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Ulisses Braga

    Pena que os franceses levam má fama por aqui. Todo carro dá problema, ainda mais quando o proprietário não faz as manutenções necessárias. Os carros da PSA são acima da média. Mas o consumidor prefere o Onix. Então a montadora tem que dar o que o consumidor quer.