Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Novos seguros para o carro prometem cobertura completa a R$ 25 por mês

Esse é o valor médio da contratação do seguro chamado de “Pay Per Use”, que cobra um valor fixo mensal e alguns centavos por quilômetro rodado

Por Isadora Carvalho Atualizado em 13 ago 2020, 12h01 - Publicado em 15 jul 2020, 17h59
Você protege o carro usado pagando até 40% menos
Mensalidade tem um valor fixo e outro variável, em função das distâncias percorridas no mês Nik/Quatro Rodas

Parece bom demais pra ser verdade, mas atualmente é possível contratar um seguro automotivo completo por um valor médio de 25 reais mensais e 0,06 centavos por quilômetro rodado.

Esse modelo é chamado de “Pay per Use” ou “Liga e desliga” e é oferecido de forma pioneira no Brasil pela startup Thinkseg. “Nós lançamos esse produto em novembro de 2019 e a principal intenção é democratizar a utilização de seguros automotivos no Brasil”, diz André Gregori, presidente da Thinkseg. 

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Segundo o executivo o seu modelo de negócios cresceu de maneira vertiginosa a partir de abril deste ano, devido às medidas de contenção da Covid-19.

“Com o isolamento e a falta de utilização dos veículos houve um crescimento do interesse por esse novo formato. Ocorreu um aumento de 600% na contratação do meu produto de abril a junho de 2020”, afirma Gregori.

Essa nova modalidade de seguro oferece guincho e socorro mecânico 24 horas com limite de quilometragem Reprodução/Internet

Um segundo formato de pay per use que está no mercado é o da seguradora Argo. Batizado de Instant, o seguro não tem mensalidade, e o cliente paga apenas pelo período de cobertura utilizado, calculado a partir do momento em que ele próprio liga e desliga a função pelo seu celular.

O valor cobrado começa em 40 reais para um período de 24 horas em rodovia e cobre perda total por colisão.

A Argo tem a intenção de atender um público que tem estado normalmente de fora da base de clientes de seguradoras tradicionais: os donos de veículos avaliados em até 30.000 reais. 

A Youse, da Caixa Seguradora, também testa uma modalidade de seguro com cobrança por quilômetro. O “Auto por KM” prevê o pagamento de uma mensalidade mínima fixa somada à quilometragem.

Continua após a publicidade

Atualmente um teste é conduzido com 200 clientes que estão na fase de renovação e a empresa tem a intenção de lançar o produto ao público nos próximos meses. 

O presidente da Thinkseg explica como consegue oferecer preços tão mais acessíveis que os modelos tradicionais de seguro: “Isso só é possível graças à tecnologia de telemetria que permite saber o comportamento do usuário.

As coberturas de sinistro de acidente, por exemplo, são desligadas a partir do momento que o carro está estacionado”, diz Gregori. “O mesmo ocorre se o segurado está na rodovia, quando as coberturas de roubo e furto são descontratadas, pois a chance de acontecer com o carro a 100 km/h é nula”, explica.

 

  • O cliente desse modelo de seguro deve instalar um aplicativo em  seu celular para que a telemetria esteja ativada e a instalação é mandatória para a contratação do mesmo. Também cabe ao aplicativo calcular os deslocamentos do motorista ao longo do mês.

    O seguro da Thinkseg está disponível para carros avaliados na tabela FIPE entre 20.000 até 300.000 reais e que tenham até oito anos de uso no caso dos nacionais ou cinco para os importados. 

    Novos serviços premiam o motorista que dirige melhor dando produtos ou descontos na apólice
    Por meio do aplicativo instalado pela seguradora é possível saber informações como a velocidade média e se o carro está estacionado Tato Araújo/Quatro Rodas

    Ao que tudo indica esse novo modelo de seguro auto veio pra ficar e transformar a forma de utilização e contratação no Brasil e, por enquanto, quem sai ganhando é o consumidor.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

    Fernando Pires/Quatro Rodas

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade