Kia anuncia investimentos no Brasil e quatro modelos para 2018

O fim do Inovar-Auto faz a marca respirar aliviada e retomar a ofensiva no mercado brasileiro; carros híbridos também estão na fila

Rio será mais um rival para Argo, Polo, HB20 e Etios

Rio será mais um rival para Argo, Polo, HB20 e Etios (Divulgação/Kia)

Com o fim do programa Inovar-Auto ainda este ano, os fabricantes já começam a ter perspectivas otimistas para 2018. A Kia foi a primeira a anunciar grandes investimentos no país a partir do ano que vem. A aplicação, que deverá beirar os R$ 165 milhões, inclui a importação de ao menos sete novos modelos: quatro já estão confirmados e outros três virão se houver incentivos fiscais.

O primeiro fruto da retomada da marca por aqui será o Rio, um hatch com dimensões próximas às do novo Volkswagen Polo. Tem 4,07 metros de comprimento, 1,73 m de largura, 1,46 m de altura e 2,58 m de entre-eixos (contra, respectivamente, 4,05 m, 1,75 m, 1,47 m e 2,56 m do Polo). Fiat Argo, Hyundai HB20, Toyota Etios e Ford New Fiesta também estão na mira do coreano.

Com dimensões similares às do VW Polo, o Rio terá motor 1.6 flex de 130 cv

Com dimensões similares às do VW Polo, o Rio terá motor 1.6 flex de 130 cv (Divulgação/Kia)

Importado do México, o modelo será equipado com motor 1.6 flex de 130 cv e cerca de 15,4 mkgf. Assim como em seu país de origem, o Rio deverá chegar as opções de câmbio manual e automático, sempre com seis marchas. Os preços deverão ficar entre R$ 55.000 e R$ 70.000.

Apesar da nomenclatura e do visual esportivo da versão GT, o novo Picanto mantém o 1.0 de três cilindros debaixo do capô

Apesar da nomenclatura e do visual esportivo da versão GT, o novo Picanto mantém o 1.0 de três cilindros debaixo do capô (Divulgação/Kia)

Em seguida será a vez da nova geração do Picanto, que mantém o motor 1.0 de três cilindros e 80 cv. Assim como o atual, o compacto deverá ter versões com transmissão manual e automática, e preços iniciais perto dos R$ 40.000. Apesar da motorização, porém, a versão importada será a GT, com visual esportivo.

Mas a Kia não se contentará apenas com segmentos de maiores volumes e trará também dois sedãs de luxo. A nova geração do Cadenza, que esteve no Salão do Automóvel de São Paulo em 2016, também está confirmada.

Rival do Fusion, Cadenza ainda é vendido em sua antiga geração no Brasil

Rival do Fusion, Cadenza ainda é vendido em sua antiga geração no Brasil (Divulgação/Kia)

Atualmente vendido no Brasil em sua configuração antiga por R$ 154.900, o concorrente de Ford Fusion, Hyundai Azera, Honda Accord e Toyota Camry chegará equipado com um motor V6 3.3 GDI de 290 cv, além de diversos itens tecnológicos de segurança, como assistente para saída involuntária de faixa, frenagem de emergência autônoma, alertas de pontos cegos e head up display.

O segundo (e inesperado) sedã será o Kia Stinger, que fez sua primeira aparição pública em janeiro deste ano, durante o Salão de Detroit (EUA). Focado nos modelos médios das alemãs Audi, BMW e Mercedes-Benz, o modelo tem estilo e mecânica dignos de um verdadeiro esportivo.

Feito para brigar com BMW Série 4 e Audi A5, o Stinger vai além da aparência esportiva

Feito para brigar com BMW Série 4 e Audi A5, o Stinger vai além da aparência esportiva (Divulgação/Kia)

De acordo com a marca, o Stinger chegará em Brasil em ao menos duas versões: uma equipada com motor 2.0 turbo de quatro cilindros biturbo GDI de 255 cv e 35,9 mkgf; outra com um V6 3.3 biturbo GDI de 370 cv e 50,9 mkgf. Ambas têm transmissão automática de oito marchas, alternando entre tração traseira ou integral. Para o V6, a direção tem relação variável e os freios a disco (ventilados na dianteira e sólidos na traseira) têm pinças Brembo.

Versão totalmente elétrica do Soul já está homologada para o Brasil

Versão totalmente elétrica do Soul já está homologada para o Brasil (Divulgação/Kia)

Outros três carros inéditos têm grandes chances de darem a cara por aqui. O primeiro, já anunciado em novembro de 2016, poderá ser o Soul EV ─ versão totalmente elétrica do crossover, que é abastecida através da tomada em cerca de cinco horas (em 240V). Com a bateria cheia, o modelo de tração dianteira e 29 mkgf promete autonomia de até 199 km e velocidade máxima de 145 km/h.

Versão híbrida do Optima brigará com o já estabelecido Fusion Hybrid

Versão híbrida do Optima brigará com o já estabelecido Fusion Hybrid (Divulgação/Kia)

O Optima Hybrid também poderá chegar às lojas brasileiras em sua versão que dispensa recargas em tomadas. Nos Estados Unidos, o modelo combina um motor 2.0 a gasolina de 156 cv e um elétrico de 51 cv que resultam em 195 cv em uso simultâneo. Vale destacar que a potência combinada não significa a soma exata dos números de ambos os motores, uma vez que eles trabalham em regimes diferentes, apesar de combinados.

Por aqui, é possível que o Optima híbrido não saia por menos de R$ 150.000, uma vez que seu principal concorrente ─ o Ford Fusion Hybrid ─ parte de R$ 160.900. O Prius, híbrido mais barato do país, sai por R$ 126.600, seguido do Lexus CT200h, por R$ 135.150.

O Niro já veio ao Brasil em 2016, no Salão do Automóvel

O Niro já veio ao Brasil em 2016, no Salão do Automóvel (Divulgação/Kia)

O último pretendente ao mercado brasileiro é o Niro, também exposto no último Salão do Automóvel. Nascido como um híbrido, o SUV é movido por um motor 1.6 a gasolina de 105 cv e um elétrico de 44 cv, que apresentam potência e torque combinados de 141 cv e 27 mkgf, respectivamente. A transmissão tem dupla embreagem e seis marchas. Ainda sem estimativa de preços, o Niro não deverá ficar abaixo dos R$ 120.000.

Em relação aos modelos híbridos e elétrico, a Kia aponta que a comercialização no Brasil ainda depende de uma política de tributação diferenciada a estes tipos de veículos. Além das quatro novidades, a Kia confirma a continuação dos atuais Cerato, Sportage, Sorento, Soul, Grand Carnival e o caminhão Bongo. A marca não comenta sobre a disponibilidade dos sedãs Quoris e Optima.

Alinhado ao resto do mundo, o novo Sportage seguirá suas vendas por aqui

Alinhado ao resto do mundo, o novo Sportage seguirá suas vendas por aqui (Divulgação/Kia)

Investimento otimista

A declaração da Kia Motors do Brasil em relação aos seus investimentos no país são otimistas ─ ou ambiciosas, como queira. De acordo com a fabricante, cerca de R$ 165 milhões serão aplicados por aqui, sendo R$ 50 milhões destinados a novas concessionárias, R$ 45 milhões em publicidade e marketing, R$ 30 milhões em softwares e equipamentos, R$ 35 milhões para o centro tecnológico e R$ 5 milhões para treinamentos de colaboradores e estoque de peças de reposição para os novos modelos.

Na linha 2017, faróis estão mais afilados e ligados à grade Cerato segue como sedã mais barato da linha

Cerato segue como sedã mais barato da linha (João Mantovani/Quatro Rodas)

Ainda segundo a empresa, em 2018 serão inauguradas 25 novas lojas (sendo 10 previstas já para janeiro e 15 até o final do ano), 1.300 novos empregos diretos serão gerados e há a expectativa de que 20.000 veículos sejam comercializados no ano.

Para efeito de comparação, em 2017, a perspectiva é de que os atuais 90 pontos de venda emplaquem cerca de 8.000 unidades. Já em 2011, melhor ano da marca no Brasil, foram 80.000 carros distribuídos para as então 180 concessionárias, o que representou 2,25% do mercado de automóveis e comerciais leves. Em 2016 a sul-coreana ficou com 0,54%, segundo a Fenabrave.

Rasteira imposta

O grande mal feito à Kia (e diversas outras marcas dependentes de importados) foi a instauração do programa Inovar-Auto, um regime automotivo válido desde 2013 sob a lei 12.715/2012. No programa, carros importados (exceto de Mercosul e México) possuem acréscimo de 30 pontos percentuais de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), incentivando as montadoras a instalarem unidades produtivas no país. Caso o façam, esses pontos são automaticamente desconsiderados.

Contudo, aderindo ao Inovar-Auto sem a instalação de unidades fabris, mas com investimentos locais, as empresas poderiam importar 4.800 carros por ano com o desconto dos 30 pontos percentuais do IPI. É o caso da Kia. A crise do setor acabou por piorar ainda mais a situação da coreana, que agora comemora a estabilização do mercado e o fim das regras de importação.

O programa Rota 2030 substituirá o Inovar-Auto a partir do ano que vem. As novas medidas ainda não foram estabelecidas.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s