Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Fórum Direções 2017: o mercado iniciou sua retomada, diz Anfavea

Antonio Megale, presidente da entidade, mostrou números positivos da indústria durante evento de QUATRO RODAS

Por Rodrigo Ribeiro Atualizado em 13 nov 2017, 16h07 - Publicado em 20 set 2017, 17h04
A quarta edição do Fórum Direções debateu o futuro da indústria
Megale: o fim da crise automotiva está próximo Bio Foto/Quatro Rodas

O fim da crise no mercado automotivo não só está próximo, como a produção e venda de veículos no ano que vem irá superar os índices de 2017.

A declaração otimista foi uma das falas de Antonio Megale, presidente da Anfavea (Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores), durante sua apresentação no Fórum Direções.

Megale destacou a importância de uma maior flexibilização da legislação para acompanhar o dinamismo da indústria automotiva. “É um contrassenso os carros não poderem evoluir por determinados períodos por causa de regulamentações engessadas”, afirmou o executivo.

O presidente da associação também reforçou alguns números positivos que foram apresentados na última coletiva de imprensa da entidade.

De acordo com Megale, mais de 1,1 mil pessoas foram empregadas pela indústria automotiva no último mês, além de outros 6 mil que estavam em layoff ou no Programa de Proteção ao Emprego (PPE) terem retornado ao trabalho no mesmo período.

Continua após a publicidade

Soma-se a esta tendência o aumento da média de vendas diárias e crescimento das exportações – que, segundo Megale, pode bater o recorde histórico em 2017. Mesmo com a ociosidade da indústria próxima aos 50% (índice que passa dos 80% no segmento de pesados), a projeção da Anfavea para o próximo ano é positiva.

“Ainda não podemos divulgar nossas expectativas, mas esperamos um crescimento superior ao deste ano e próximo aos dois dígitos”, disse Megale. Neste ano a Anfavea já havia revisto para cima a projeção de vendas para 2017, chegando a 7,3% de alta.

O pacote de incentivos do Rota 2030 irá reforçar o setor de autopeças e estará alinhado com o futuro da mobilidade
O pacote de incentivos do Rota 2030 irá reforçar o setor de autopeças e estará alinhado com o futuro da mobilidade Bio Foto/Quatro Rodas

De acordo com Megale, a impossibilidade de antecipar esses números se deve, principalmente à instabilidade política. Mesmo com este cenário, no entanto, ele afirmou que a Anfavea segue em discussão com o governo para acertar os últimos detalhes para o Rota 2030, novo programa governamental que substituirá o Inovar Auto, que termina no final deste ano.

Megale não revelou muitos detalhes do Rota 2030, mas reforçou que o pacote de incentivos irá reforçar o setor de autopeças e estará alinhado com o futuro da mobilidade, que envolve a eletrificação dos automóveis.

Até lá, no entanto, o etanol deverá ser protagonista de uma fase transitória.

“Órgãos de diferentes países já concluíram que o biocombustível é a melhor alternativa a curto prazo para reduzir a emissão de gases que contribuem para o efeito estufa”, destacou. “O etanol é um grande patrimônio do Brasil, e temos que aproveitar o grande conhecimento que temos na produção deste combustível.”

./Quatro Rodas
  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade