Jeremy Clarkson: o desengonçado porém divertidíssimo Defender Twisted V8

Quem teve a ideia de colocar um V8 de Corvette numa carroça como o falecido Defender? Mas é duro admitir: deu vontade de trocar pelo meu Range Rover

O monstro preparado pela Twisted vai de 0 a 100 km/h em 6,5 s

O monstro preparado pela Twisted vai de 0 a 100 km/h em 6,5 s (Twisted/Divulgação)

Nunca fui fã do Land Rover Defender, e não entendo o sentimentalismo de homens barbados que verteram lágrimas quando ele saiu de linha, em 2016. Para mim, era como a cabine telefônica vermelha em relação a carros. Funcionava porque sempre esteve por aí.

Mas a verdade é que é melhor telefonar de um iPhone que de dentro de uma cabine com correntes de ar frio e cheiro de gente estranha. E é melhor, caso você more no campo, dirigir uma picape que um Defender lento, mal construído e de dirigibilidade ruim.

Bem, um dia, do lado de fora do escritório estava o tipo de coisa que faria qualquer bebedor de cerveja profissional perder o equilíbrio.

Era, ou tinha sido uma vez, um Defender 110, mas alguém colocou pneus gordos, rodas enormes, molduras de para-lama aumentadas, uma barra de faróis com o poder de um sol em colapso e, a julgar pelo escapamento duplo, algum tipo de motor estranho com 1 milhão de cavalos.

Investigação mais cuidadosa revelou que, sob o capô, em vez de uma caldeira resfolegante que funcionava com uma mistura profana de sidra e carvão, estava o inconfundível V8 6.2 LS3 de 430 cv do Chevrolet Corvette.

De fato, não é um motor ruim, mas estava fora do lugar, no que eu pensei que era a última compra insensata do meu colega Richard Hammond. Aliás, o nome do veículo era Twisted, com o “S” escrito ao contrário. E isso é a cara bem dele.

Quando você pisa fundo, o bico levanta e, com um urro capaz de atordoar uma vaca a 400 metros, ele decola e faz você abrir um grande sorriso
Infelizmente, era meu carro para a semana. E, para piorar, vinha com a carta da filha do dono do Twisted. “Caro Jeremy”, dizia ela, “este é o meu Twisted Defender favorito. Espero que você também goste. Cuide dele para o meu pai. Assinado Molly, 7 anos e 9 meses de idade.”

Quando você pisa fundo, o bico levanta e, com um urro capaz de atordoar uma vaca a 400 metros, ele decola e faz você abrir um grande sorriso
Infelizmente, era meu carro para a semana. E, para piorar, vinha com a carta da filha do dono do Twisted. “Caro Jeremy”, dizia ela, “este é o meu Twisted Defender favorito. Espero que você também goste. Cuide dele para o meu pai. Assinado Molly, 7 anos e 9 meses de idade.” (Twisted/Divulgação)

“Harrumph” disse a mim mesmo, de forma beligerante. “Não vou ser afetado por essa chantagem emocional.” Por mais bem escrita que tenha sido.

Especialmente quando vi o preço desta versão topo de linha: mais de 150.000 libras (R$ 740.000). “Hummm”, pensei, “isso pode ter sido fabricado na tradicional North Yorkshire, mas com um preço desses não acho que vão vender muitos”.

No dia seguinte, fui à minha casa de campo e, ao sair, o tempo estava encoberto e escuro, mas não havia sinal do que eu encontraria à frente. Todos já dissemos “nunca vi uma chuva assim”, mas eu realmente não tinha visto uma dessas.

Já passei por chuvas de monção na Índia e tempestades no Vietnã, mas nada chegou perto do bombardeio daquela noite. Era como dirigir debaixo de um avião que apaga incêndios.

E não há outro jeito de dizer isso: eu não poderia imaginar, nessas condições, um carro melhor do que o Twisted. Ele esmurrava seu caminho pelos lagos que se formavam a cada depressão e pelos rios escoando a cada ladeira.

Com edição limitada, todos os Twisted são numerados, mas o dono pode personalizar seu carro

Com edição limitada, todos os Twisted são numerados, mas o dono pode personalizar seu carro (Twisted/Divulgação)

Sim, seus faróis montados no teto causavam um ofuscamento cada vez que eu entrava em água funda, e o jato que lançava ao ar era igual ao de um submarino nuclear que tivesse acabado de explodir perto da superfície, mas o carro como um todo fazia com que mesmo o másculo Mercedes Classe G ficasse parecendo um brinquedinho.

E tem mais. Em geral, as pessoas capazes de instalar bloqueio de diferencial Air Locker nos dois eixos, freios Alcon e uma suspensão reforçada ao que basicamente era uma carroça de feno são totalmente ineptas para projetar interiores.

Bem, tem alguém na Twisted que sabe, porque exceto pela falta inerente de espaço para ombros, ali há um belo espaço para se sentar. Eles até acharam um sistema de controle e GPS sensato, sem aquele monte de funções de que ninguém precisa.

No dia seguinte, sem chuva, dei uma olhada de perto nesse monstro bem-acabado.

No porta-malas havia um grande e bem construído baú para gim, licores e todos aqueles suquinhos para melhorar a mira de que os matadores de faisões britânicos precisam. Tinha até compartimentos para suas armas de caça. Embora elas não estejam incluídas no preço.

O que está incluído é uma aceleração difícil de acreditar. A trilha sonora diz que há um pouco de vida sob seu pé direito, mas sua cabeça está dizendo que você está num Defender 110, e é necessário muito mais para levar um velho tanque desajeitado a algo mais rápido que um trote.

Mas sua cabeça está errada, pois quando você pisa fundo, o câmbio automático reduz uma ou duas marchas, o bico levanta e, com um urro capaz de atordoar uma vaca a 400 metros, ele decola com uma aceleração que faz você abrir um grande sorriso.

Essa coisa não é só rápida. Ela é hilariantemente rápida.

Não é que esses caras sabem fazer um belo interior?

Não é que esses caras sabem fazer um belo interior? (Twisted/Divulgação)

E você não precisa reduzir muito a velocidade nas curvas. Claro que, com pneus Cooper lameiros, ele não tem o nível de aderência de um superesportivo, mas, graças aos bancos Recaro e à suspensão retrabalhada, você pode fazer muita coisa.

O único ponto irritante era o jeito como as pessoas indo na direção oposta também em um Defender acenavam enquanto eu rasgava a estrada. “Não temos nada em comum!”, eu queria gritar. Não é que esses caras sabem fazer um belo interior?

Sei que é importante ter o carro certo num evento cheio de executivos com relógios grandes e ternos caros. Nessa hora, um simples Range Rover não é suficiente.

E eu adoraria aparecer nesses lugares com este monstruoso Twisted, sabendo que poderia me embrenhar no mato e voltar para casa mais rápido do que qualquer um ali.

Então, Molly, tudo bem. Mesmo que ele tenha começado a vida como um Land Rover, que eu detesto mais do que você deve detestar alguns de seus professores, gostei do carro do seu pai.

E se eu não tivesse acabado de comprar um Range Rover, ficaria muito tentado por ele. Especialmente pelo gabinete de bebidas.

Jeremy Clarkson

Jornalista, apresentador do programa The Grand Tour e celebridade amada pelos fãs e odiada por algumas marcas

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s