Jeremy Clarkson: Lamborghini Urus é um ótimo SUV; mas não é um Lamborghini

Ele tem espaço interno de sobra, custo/benefício muito bom e ainda parece ser superconfiável. Mas eu não queria nada disso. Queria só um Lamborghini

Com seu V8 de 650 cv, o Urus é o primeiro Lamborghini turbinado

Com seu V8 de 650 cv, o Urus é o primeiro Lamborghini turbinado (Divulgação/Lamborghini)

Não sei exatamente quando ou por que todas as pessoas ricas do mundo decidiram que precisavam de monstros com tração 4×4, mas já que isso aconteceu, nos próximos meses Aston Martin, Ferrari e Rolls-Royce lançarão SUVs para concorrer com os leviatãs já oferecidos por Bentley, Porsche e Maserati.

É claro que a Lamborghini não ia ficar de fora, e criou o carro acima. Ele se chama Urus, o que eu achava que era um embaraçoso problema urinário. “Doutor, estou com uma coceira no meu urus.” Na verdade, é uma raça de touros.

Porém, ao contrário das outras marcas de carro para rappers e estrelas do futebol, a Lamborghini já tinha se aventurado nessa área antes. Nos anos 70 ela decidiu que o coronel líbio Muammar Gaddafi queria uma picape italiana para seus soldados.

Acontece que ele não queria – nem qualquer outro exército. Por isso ela colocou na proposta um motor V12 de um Countach, revestiu de couro o interior extremamente apertado e tentou convencer o mundo de que era isso que eles tinham em mente o tempo todo.

Eu dirigi o resultado uma vez, e ele era tremendamente divertido e terrível ao mesmo tempo. A alavanca que engatava a reduzida era tão dura que acioná-la exigia duas pessoas: uma sentada no painel, puxando com os braços, e a outra no banco de trás, empurrando com as pernas.

E, quando ela finalmente se soltava, a pessoa do painel era atirada pelo para-brisa. Depois eu levei o carro a um posto de combustíveis, onde enchi o tanque por 147 libras (R$ 770) de gasolina. O que, na época, era o que eu ganhava em um mês.

É claro que os tempos mudaram. Gaddafi já se foi, seu antigo exército anda pelo deserto em picapes Toyota e a Lambo não é mais administrada por pessoas que têm suas melhores ideias numa mesa de bar. Ela é só uma pecinha no império VW.

Também é a fabricante dos carros mais empolgantes do mundo. Hoje a Ferrari está se achando tão importante que começa a ser hostil até com seus clientes mais fiéis: não permite que a imprensa conduza testes adequados e, quando cede, o carro que fornece é sempre estranhamente rápido.

O nome vem de uma raça de touro, porém parece mais um problema urinário

O nome vem de uma raça de touro, porém parece mais um problema urinário (Divulgação/Lamborghini)

A Lambo é gerida por pessoas mais legais e – não espalhe – também faz carros melhores. O Huracán Performante é o melhor supercarro na estrada – ele janta a Ferrari 488 – e o Aventador continua sendo o carro mais chamativo do mundo.

E aquela coceira genital? Bem, a primeira coisa que você precisa saber é que, embora o nome Lamborghini esteja na tampa do porta-malas, as coisas não são bem assim.

A plataforma vem do Audi Q7, o motor e o câmbio do Porsche Cayenne, o eixo traseiro e a suspensão do Bentley Bentayga, o painel de instrumentos do Audi A8 e os comandos dos vidros elétricos – aposto que a assessoria de imprensa esperava que eu não fosse perceber isso – do Volkswagen Golf de sétima geração.

Nada disso faria diferença se ele fizesse um som de Lambo, mas não é o que ocorre. Não no modo de rua. Seu som é como o de um cruzamento louco entre Walter O. Bentley e Ferdinand Porsche.

Só quando você o coloca no modo pista ele começa a balançar seus braços e se mostrar nervoso. E é isso que eu quero de um Lamborghini. Quero um lunático de revirar os olhos com machado numa mão e motosserra na outra. 

E, sim, em um lago congelado, com o controle de tração desligado e o sol brilhando. E, com todas as configurações em modo “doido varrido”, ele ofereceu um show de fogos de artifício. Mas no resto do tempo…

Parte do problema é o visual do carro. Você diz a si mesmo que ele é brilhante, porque é cheio de ângulos e detalhes ao estilo Lambo. Também é bem mais baixo e de linhas mais fluidas do que outros SUVs – em especial o Bentayga.

Mas, quando você para e presta atenção, na verdade ele não tem um visual tão ousado assim.

Painel é o mesmo do Audi A8

Painel é o mesmo do Audi A8 (Divulgação/Lamborghini)

Então você entra na cabine e lá estão todos aqueles adoráveis toques de estilo italiano. Mas tudo passa a sensação de bem germânico. E daí tem o espaço interno.

Eu não precisei empurrar o banco do motorista todo para trás para ficar confortável, e, mesmo se o fizesse, ainda teria espaço para alguém de 1,80 metro sentar atrás de mim. E atrás dele haveria um porta-malas grande o suficiente para uma semana de férias.

Ele funciona no off-road. Bem, sim, ele tem tração 4×4 e você pode elevar a carroceria para aumentar o vão livre. Então, se você tiver os pneus certos, pode subir por uma pista de esqui. Eu sei porque fiz isso.

Mas ele não tem bloqueio de diferencial ou reduzida. Você só diz para ele o tipo de terreno em que está – neve, areia ou barro – e ele faz o melhor que pode para te ajudar.

Eu acho que, para um fora de estrada sério, ele seria deixado longe por um Range Rover. Embora possa ser bem divertido aparecer para uma caçada em um Lambo amarelo.

Na rotina de ir e voltar do trabalho, ele é bem silencioso e confortável. Mas ao pisar fundo há uma hesitação, pois os turbos – é a primeira vez em que colocam essas coisas num Lambo – e o câmbio automático conversam para decidir quem atua primeiro.

É muito educado, mas não o que você espera. Ou quer.

Depois de um dia, comecei a me sentir um pouco triste. Eu estava ansioso pelo Urus porque pensei que seria uma obra de engenharia alemã embalada em algum exagero de videogame.

Mas eu me senti – posso falar isso? – ordinário. Sim, você pode usar o modo de pista e desligar os auxílios à condução e criar alguma loucura desse jeito. Mas você nunca fará isso. De fato, não.

Não se engane: ele é muito rápido. E gruda nas curvas como se não tivesse suspensão alta. Mas, de novo, você nunca fará isso. Você o dirigirá normalmente e ele o recompensará por ser normal.

Mas se o normal é o que você quer, economize 80.000 libras (R$ 420.000) e compre um Range Rover. Ou espere pelo Aston.

Você também pode esperar pelo SUV da Ferrari, mas há a possibilidade de que, a não ser que compre a versão completa, você seja colocado no fim das listas de espera das concessionárias e então avisado de que não vai poder comprar o carro.

Nesse meio-tempo, a Lamborghini fez um carro muito bom, que é silencioso e confortável, rápido e, provavelmente, superconfiável. Ele tem também, e sei que parece ridículo, um custo/benefício muito bom.

Mas, infelizmente, por tudo isso, ele não é um verdadeiro Lamborghini. Que era o que eu queria.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s