Grandes Brasileiros: Ragge California

Sonho de uma geração, o jipinho carioca viveu a vida sob as ondas, foi astro de novela e saiu para conquistar consumidores mundo afora

Ragge California A carroceria de fibra fazia dele um verdadeiro garoto de praia

A carroceria de fibra fazia dele um verdadeiro garoto de praia  (/)

Considerando a variedade atual de marcas e modelos, poucas pessoas sentem saudade da década de 80, quando os automóveis importados eram privilégio de embaixadas ou de quem não se importava em rodar na ilegalidade. Foi, portanto, o momento propício para o surgimento de fabricantes independentes, especializados em veículos fora de série: o Ragge California foi um dos protagonistas dessa época.

Nascido só como Ragge (lê-se “raje”), ele é fruto dos esboços do engenheiro Júlio Correa Silla: o ex-sócio da fábrica de bugues Tanger criou a estrutura de um jipinho urbano, nos moldes dos atuais SUVs. Usando plástico reforçado com fibra de vidro, as primeiras unidades estrearam em 1986, montadas sobre chassi VW fornecido por clientes ou adquiridos no mercado de usados. Sucesso no Rio, o Ragge cativou as atenções no 14º Salão do Automóvel. A boa recepção abriu caminho para a parceria com os irmãos Paulo Roberto e Aldemar d’Abreu Pereira, que entraram em cena em 1987. Só então ele receberia o nome California, além de melhorias no acabamento.

O California usava muitas peças de outros modelos: os faróis principais eram do Fusca e os auxiliares, da Brasilia, que também cedia motor, câmbio, direção e suspensões. Lanternas do Fiat Prêmio, maçanetas do Alfa Romeo 2300, para-brisa e vidros laterais dianteiros do Chevrolet Chevette, vidros laterais traseiros da Fiat Panorama e vigia traseira da VW Saveiro. Para fechar o pacote, rodas Mangels e espelhos Metagal.

As portas também eram iguais às do Chevette, mas moldadas em fibra de vidro: o material sintético formava uma estrutura monobloco, que se apoiava sobre o chassi de Brasilia encurtado. Dessa maneira, o California estava apto a transitar por regiões litorâneas protegido da corrosão provocada pela maresia. Com a capota traseira removida, ele assumia ares de picapinha e desfilava com seu estepe pendurado na traseira.

Ragge California Chassi VW, lanternas de Uno, portas de Chevette

Chassi VW, lanternas de Uno, portas de Chevette  (/)

Mesmo custando o equivalente a um Ford Escort XR3, ele logo conquistou a juventude praiana bem-nascida e bem-criada: a modelo Monique Evans estava entre os proprietários que desfilavam com ele pela orla da zona sul carioca. Sonho de consumo, seis unidades foram sorteadas pela antiga Esso em uma promoção. Cheio de personalidade, o California contracenou no horário nobre da TV com o ator Cássio Gabus Mendes. Astro da novela Roda de Fogo, o modelo estava de malas prontas para Las Vegas, onde fez sucesso no Sema Show de 1987, destinado a carros transformados e acessórios.

A exposição internacional viabilizou os planos de exportação da Ragge: para atender às especificações americanas, o California ganhou brake-light, faróis do tipo sealed beam e banco traseiro rebaixado. Para diminuir o ruído interno, a tampa do motor foi reprojetada e o monobloco recebeu revestimento termoacústico. Além dos EUA, algumas unidades foram exportadas para Itália e Japão.

Ragge California O interior era simples ao extremo, mas levava até quatro pessoas

O interior era simples ao extremo, mas levava até quatro pessoas  (/)

O California foi sucedido pelo modelo Long Beach em 1990: o entre-eixos maior dispensava o corte no chassi VW e o novo desenho da traseira adicionava lanternas do Fiat Uno e janelas laterais exclusivas. Mas poucas unidades foram produzidas: abalado pelas reformas econômicas do Plano Collor, Silla encerrou as atividades automotivas da Ragge no começo da década de 90.

Ninguém sabe ao certo o número exato de unidades fabricadas. O exemplar das fotos acima é um modelo 1989 que pertence ao jornalista Josias Silveira: “Bom de lama e bom de praia, ele é o brinquedo ideal para curtir com minhas netas”, diz. Entusiasta do modelo, o carioca Henry Miranda é um dos poucos dispostos a documentar a história do fora de série: “Só o que sabemos é que ainda há um grande número de California em circulação, a maioria incólume nas praias, seu habitat natural. O tempo apenas comprovou a excelente qualidade de construção do Ragge”.

Ficha Técnica – Ragge California 1989
Motor: longitudinal, 4 cilindros contrapostos, 1 584 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador de corpo simples
Potência: 49 cv (SAE) a 4.000 rpm
Torque: 10,3 mkgf a 2.200 rpm
Câmbio: manual, 4 marchas, tração traseira
Dimensões: comprimento, 360 cm; largura, 160 cm; altura, 150 cm; entre-eixos, 205 cm; peso, 820 kg
Pneus: 185 SR 14 radiais
Preço (novembro 1986): Cr$ 123.500
Preço (atualizado IPC-A/IBGE) R$ 77.998
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s