Clique e Assine QAUTRO RODAS por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

GMA T.33 Spider é conversível com motor V12 e porta-malas lateral

Conversível segue a mesma proposta e consegue ser tão aerodinâmico e leve quanto a sua versão cupê

Por João Vitor Ferreira
5 abr 2023, 23h14

Se você já se impressionou com o barulho do motor seis cilindros 4.0 do Porsche 718 GT4 RS, imagine como não é ter um V12 3.9 chegando a 11.100 rpm bem atrás de você. É isso que o novo GMA T.33 Spider promete.

O motor Cosworth é o mesmo de outros modelos da fabricante de Gordon Murray (o pai do McLaren F1), mas no T.33 ele é amansado para produzir 617 cv e 46 kgfm, assim como ocorre na versão cupê. Aliás, mesmo se tratando de um conversível, boa parte do projeto é reaproveitado, mantendo a mesma filosofia de redução de peso e boa aerodinâmica.

t.33 sPIDER
(Divulgação/GMA)

Logo, ele mantém exatamente o mesmo chassi e, como consequência, oferece a mesma rigidez torcional. Os painéis em fibra de carbono na carroceria ajudam a não aumentar muito o peso, a despeito dos reforços necessários em conversíveis. 

t.33 sPIDER
(Divulgação/GMA)

Mas para o renomado projetista isso não foi um problema, já que o resultado final foi um superesportivo de 1.108 kg (o peso de um Ford Ka), apenas 18 kg a mais do que o sua versão cupê. Uma facilidade é que desde o começo do projeto, o T.33 foi pensado para ser um conversível, mesmo que a versão com capota fixa tenha vindo primeiro.

Continua após a publicidade

“Desde o primeiro esboço, eu sabia que, com seu cockpit aberto e o incrível motor Cosworth GMA V12 logo atrás de você, o T.33 Spider proporcionaria uma experiência de direção verdadeiramente envolvente e diferente de qualquer outra.”, contou Murray.

Outros pontos semelhantes entre as duas versões do T.33 está na entrada de ar, logo acima dos bancos, que resfria o V12. Além disso, o motor usa as mesmas tampas de cames amarelas do cupê, que foram inspiradas no carro de corrida Ford LM de 1972, também projetado por Gordon Murray.

Continua após a publicidade
t.33 sPIDER
(Divulgação/GMA)

Ele também tem o mesmo sistema de controle de camadas limites (PBLC), que melhora em cerca de 30% a aerodinâmica do assoalho, fazendo com que a maior parte da força descendente do carro venha da parte inferior. Isso permite excluir o uso de asas, como acontece no cupê, e deu mais liberdade para “se livrar” do teto fixo, já que a aerodinâmica não seria tão prejudicada.

t.33 sPIDER
(Divulgação/GMA)

Claro que as duas versões têm suas diferenças no projeto. A parte traseira do pilar A teve que ser reformulada para se adaptar às características de um conversível, ganhando um painel duplo que serve como capota removível e pode ser guardado num compartimento de carga dianteiro de 115 litros. Mas, além disso, Murray desenhou um arco de segurança, que ajuda a proteger os ocupantes em caso de capotamento e é mais aerodinâmico que os designs de arcos duplo mais comuns.

t.33 sPIDER
(Divulgação/GMA)

O câmbio também é o mesmo, mas devido a grande procura pelo sistema manual, a GMA decidiu por não oferecer o sistema de trocas instantâneas, no qual borboletas no volante acionam um mecanismo que troca as marchas mecanicamente. Pesando apenas 82 kg, a montadora afirma que essa é a transmissão de supercarro mais leve do mundo.

Continua após a publicidade

Por dentro, o T.33 Spider é igual ao cupê, ou seja, sem telas e com comandos analógicos para simular um carro de corrida. A alavanca de câmbio e outras partes feitas em alumínio usinado, enquanto o volante é de fibra de carbono e revestido de couro, tudo para diminuir o peso.

Compartilhe essa matéria via:

Uma supresa está no compartimento “secreto” localizado logo acima das roda traseiras, que serve mcomo um porta-malas de 180 litros. “Embora ainda seja um supercarro de motor central, eu não aceitaria nenhum compromisso em termos de usabilidade: é por isso que o T.33 Spider é único no setor de supercarros por oferecer armazenamento a bordo e uma capacidade de bagagem de 295 litros”, explicou Murray.

Continua após a publicidade
t.33 sPIDER
(Divulgação/GMA)

Apenas 100 felizardos – e com muito dinheiro – poderão levar um GMA T.33 Spider para a casa. O preço, segundo a Road & Track, começará na casa de 1,89 milhão de libras, equivalente a cerca de 11,88 milhões de reais. A produção está marcada para começar no final do ano. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.