Clique e assine por apenas 5,90/mês

Sucessor do McLaren F1 é um supercarro V12 manual mais leve que um Ford Ka

Nova criação de Gordon Murray, projetista de bólidos guiados por Senna e Piquet na F1, tem tudo que gostamos, mas custa quase R$ 10 milhões

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 5 jun 2019, 15h07 - Publicado em 5 jun 2019, 15h05
Superesportivo T.50 começará a ser entregue em 2022 Gordon Murray Automotive/Divulgação

Você pode não conhecer o Gordon Murray, mas certamente conhece suas criações.

Além do McLaren F1 – que foi o carro mais rápido do mundo no início dos anos 90 –, ele assina o projeto do Brabham BT46B (com um enorme ventilador na traseira), dos Brabham BT49 e Brabham BT52, que levaram Nelson Piquet aos seus dois títulos mundiais, e também o McLaren MP4/4, pilotado por Alain Prost e por Ayrton Senna na F1 em 1988. 

O mais novo projeto do engenheiro sul-africano é um supercarro que tem tudo que os entusiastas adoram: motor V12 aspirado, câmbio manual, tração traseira e baixo peso.

Chamado de T.50 (não confundir com o JAC T50), o esportivo deverá entrar em produção em 2022 com a pretensão de ser o sucessor espiritual do McLaren F1.

O motor V12 3.9 é criação da Cosworth e poderá girar a até 12.100 rpm. Ele gera 650 cv e 45,9 mkgf de torque, o que não seria um número tão elevado para os supercarros atuais se o T.50 não pesasse 980 kg – 32 kg a menos que um Chevrolet Onix Joy.

Novo supercarro segue as linhas do McLaren F1 Gordon Murray Automotive/Divulgação

Para manter o baixo peso, o T.50 terá câmbio manual de seis marchas especial, que ainda está sendo desenvolvido pela Xtrac, terá sempre tração traseira e o sistema de freios terá pinças monobloco de alumínio e discos carbono-cerâmicos.

Continua após a publicidade

O chassi, por sua vez, terá monocoque de fibra de carbono e os painéis externos serão de carbono.

A distribuição de peso na proporção 50/50 é uma das promessas do projeto, assim como um porta-malas com boa capacidade.

Um detalhe importante: como o McLaren F1, o T.50 terá três lugares, com o motorista posicionado bem no meio do carro.

 

“Eu não tenho absolutamente nenhum interesse em perseguir recordes de velocidade máxima ou aceleração. Nosso foco é, ao contrário, entregar a experiência de direção mais pura e recompensadora de qualquer supercarro já construído – mas, tenha certeza, será rápido ”, disse Murray.

Poucos, porém, poderão dirigir o carro. Apenas 100 unidades do T.50 serão produzidas na fábrica da Gordon Murray Automotive em Surrey, no Reino Unido.

Cada carro custará 2 milhões de libras – ou R$ 9.856.800 na conversão direta – antes dos impostos.

Continua após a publicidade
Publicidade