Clique e assine por apenas 8,90/mês

Ford Explorer está deixando motoristas doentes devido aos gases do escape

Segundo a agência Bloomberg, milhares de proprietários nos EUA reclamam de sonolência e dor de cabeça provocada por contaminação ao guiar o SUV

Por Rodrigo Ribeiro - 29 mar 2019, 16h44
Problema afeta principalmente a penúltima geração do Explorer Divulgação/Ford

Tem muita gente que é tão fã de um carro que se considera doente por determinado modelo. O problema é que muitos donos do Ford Explorer estão ficando — literalmente — adoecidos por causa de seus carros.

Segundo a agência Bloomberg, milhares de clientes do Explorer (que acabou de trocar de geração) têm reclamado de sonolência, fadiga e dores de cabeça provocadas pelo automóvel.

Os gases entrariam pela porção traseira do carro Divulgação/Ford

Os proprietários relatam que foram diagnosticados com intoxicação por monóxido de carbono. Esse gás inodoro e incolor é um dos produtos que o carro emite pelo escapamento, e pode ser fatal em caso de inalação excessiva.

Segundo os donos do Explorer, passageiros da segunda e terceira fileira do SUV chegam a sentir um cheiro incomum (provocado por outros gases emitidos juntos ao monóxido de carbono) quando o carro está com os vidros fechados e o sistema de ventilação acionado.

Continua após a publicidade

Um proprietário entrevistado pela Bloomberg chegou a colocar um detector de monóxido de carbono na última fileira de bancos de seu Explorer, e afirmou ao veículo que o aparelho alerta o excesso de gases ao menos uma vez por semana.

Entrando por onde não devia

O monóxido de carbono é um dos gases emitidos pelo escapamento Divulgação/Ford

Segundo especialistas o problema acontece quando o sistema de ventilação do Explorer está com a recirculação acionada.

Nessa situação forma-se uma área de baixa pressão na parte posterior da cabine, permitindo a entrada de gases do escapamento para dentro do carro.

Em 2017 a Ford enfrentou o mesmo problema com o Explorer, mas na versão policial do SUV. Na ocasião, a marca afirmou que furações extras para passar o cabeamento de luzes e sirenes abriam caminho para os gases externos.

Continua após a publicidade

Advogados dos clientes afetados, porém, afirmam que se trata do mesmo problema.

A Ford afirmou à Bloomberg que está acompanhando caso a caso e já recomprou 50 Explorer de clientes entre 2011 e 2016 como sinal de boa vontade.

Publicidade