Clique e assine por apenas 5,90/mês

Fiat desembolsa R$ 500 milhões para fazer motores Firefly Turbo no Brasil

Novos 1.0 e 1.3 GSE turbo estreiam em carros da Jeep e Fiat em 2020; FCA terá motor turbo a álcool

Por Leonardo Felix, de Betim (MG) - Atualizado em 23 Maio 2019, 08h49 - Publicado em 22 Maio 2019, 17h04
Os motores 1.0 e 1.3 GSE Turbo do Jeep Renegade na Europa Divulgação/Jeep

Já estava em iminência, mas o grupo FCA enfim tornou oficial: os produtos de Fiat e Jeep produzidos na América do Sul ganharão motores 1.0 e 1.3 turbo. com injeção direta flex e quatro válvulas por cilindro, em 2020. A fabricante ainda planeja o lançamento de um motor 1.3 turbo a etanol.

A fabricante anunciou nesta quarta-feira (22) um investimento de R$ 500 milhões para nacionalizar a produção dos propulsores turbinados da família Firefly – chamados oficialmente de GSE Turbo – em uma nova planta de motores dentro do complexo da marca em Betim (MG). Até componentes internos, como as turbinas, serão fornecidos por parceiras locais.

Com o início destas operações, a Fiat terá o maior polo de produção de motores e transmissões da América Latina: a capacidade anual será de 1,3 milhão de unidades dos dois componentes.

Facelift da Toro deve seguir padrão visual dianteiro do conceito Fastback Du Oliveira/Quatro Rodas

Conforme QUATRO RODAS antecipou em março deste ano, a picape Fiat Toro será a responsável por inaugurar o uso dos Firefly turbo, junto a um facelift que será lançado no mercado em junho do ano que vem.

No caso da Toro e do SUV-cupê a ser derivado dela, além  do Jeep Compass e de sua futura configuração esticada com sete lugares, a unidade escolhida será a de 1,3 litro, com potência próxima a 180 cv e 27,5 mkgf com etanol.

Ele substituirá de uma vez os motores 1.8 E.torQ e 2.0 e 2 4 Tigershark naturalmente aspirados. Internamente este propulsor é chamado de GSE T4, em menção ao número de cilindros.

Continua após a publicidade

Já a especificação GSE T3, 1.0 de três cilindros com 120 cv, deve equipar o Jeep Renegade e também a gama de compactos da Fiat, em substituição ao 1.8 E.torQ: versões de topo de Argo e Cronos, além do vindouro SUV pequeno criado a partir da plataforma MP1.

Motor 1.3 turbo deve ser o primeiro a estrear no Brasil Marlos Ney Vidal/Quatro Rodas

Além do turbo (que terá wastegate eletrônica), os propulsores T3 e T4 ganharão um novo cabeçote, a fim de comportar as duas válvulas extras por cilindro em relação às derivações naturalmente aspiradas. Além disso, terão injeção direta, sistema MultiAir de duplo comando de válvulas variável, coletor de escape integrado ao cabeçote, intercooler água/ar integrado ao coletor de admissão ebomba de óleo variável.

Esses motores, tanto os turbo como os aspirados, serão exportados para a Europa. O plano é enviar 400 mil motores para o Velho Continente até 2022. Por lá, os dois motores GSE turbo já são usados pelo Jeep Renegade desde 2018. Contudo, são produzidos na fábrica de Bielsko-Biala, na Polônia.

Etanol em destaque

A Fiat ainda adiantou o desenvolvimento do motor E4, um turbo com injeção direta que está sendo concebido para usar apenas etanol. A patente dele foi desenvolvida no Brasil.

De acordo com a fabricante, existe uma diferença de eficiência energética de 30% entre um motor a álcool e um a gasolina. A ideia é usar esse motor para elevar a eficiência dos motores a etanol a um patamar ainda não visto – e que motores flex estão longe de entregar.

R$ 16,5 bilhões de investimento

A FCA já separou R$ 16,5 bilhões para o Brasil entre 2018 e 2024, do qual faz parte o investimento nos novos motores. Parte deste montante também será usado na criação de 25 lançamentos, entre novos modelos, atualizações de veículos em linha e séries especiais.

Contudo, três deles serão modelos inéditos fabricados em Betim (MG). Destes, dois serão SUVs – segmento onde a Fiat ainda não atua no mercado brasileiro. 

Continua após a publicidade
Publicidade