Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Falsificação de aço põe em xeque segurança de automóveis

Automóveis podem ter sido feitos com metais de qualidade inferior - mais um possível escândalo, como os airbags da Takata e o Dieselgate na Volks

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 20 nov 2017, 11h29 - Publicado em 23 out 2017, 17h14
Caso coloca em xeque a qualidade dos aços dos automóveis Reprodução/Internet

Você pode nunca ter ouvido falar da Kobe Steel. É a terceira maior siderúrgica japonesa, com 112 anos de história. Uma empresa que fornece metais para gigantes da indústria, como fabricantes de automóveis, aviões e navios.

Agora, a companhia teve os holofotes voltados para si mesma, por ter falsificado cobre, alumínio e aço que produz.

A falsificação não foi do metal propriamente dito, mas de suas especificações de resistência. A Kobe Steel entregava um material de qualidade inferior como se fosse o produto prometido ao cliente. Seu departamento de qualidade emitia um certificado falso.

Tais práticas teriam acontecido por cerca de 10 anos e se estendido a 13 produtos da empresa. Também há casos de lotes que não sofreram inspeção interna do controle de qualidade.

No caso do aço, o metal não atendia normas estabelecidas pelo governo japonês, embora cumprisse os níveis de segurança.

Mais de 500 empresas teriam sido afetadas. Entre elas estão Toyota e General Motors, Honda, Daimler, Nissan, Mitsubishi, Subaru, Kawasaki e Mazda.

Estes diferentes tipos de aços podem não ter a resistência prometida Divulgação/Volvo
Continua após a publicidade

De acordo com a Automotive News, os metais da Kobe Steel podem ter sido empregados em centenas de componentes, desde a carroceria até os blocos do motor, passando pela cinta metálica que estrutura os pneus.

Ainda não é possível medir o impacto e a consequência desta fraude. Mas as fabricantes envolvidas estão investigando se seus produtos tiveram sua qualidade e durabilidade prejudicados pelos metais fora dos padrões. 

Toyota, Honda, Nissan, Mazda e Subaru confirmaram a segurança e a durabilidade de carros que usam as folhas de alumínio adulteradas da Kobe, mas ainda verificam essa questão quanto ao aço e outros metais fornecidos pela japonesa.

Devido à grande extensão de uso dos produtos da Kobe Steel – inclusive em áreas que afetam a segurança de consumidores e passageiros – espera-se alguma demora para atestar a segurança total. A hipótese de recall não está descartada.

Quem já sofre consequências é a Kobe Steel. Ações da empresa caíram quase 40% desde que admitiu a fraude. Suas clientes já buscam outros fornecedores e a Agência Europeia de Segurança da Aviação (Easa) recomendou que as fabricantes de aviões não usem materiais da Kobe até que sua legitimidade possa ser comprovada.

O caso ainda deve induzir a indústria e as autoridades reguladoras do Japão a examinar se práticas similares estão ocorrendo em outras siderúrgicas. 

Pode sair daí mais um grande escândalo na indústria automotiva. Vale lembrar do mega recall dos airbags defeituosos da Takata e do escândalo das emissões no Grupo Volkswagen, que levou as agências europeias a encontrar manipulação de emissões, ainda que em menor escala, em outras fabricantes.

A imprensa japonesa já questiona, inclusive, como casos como o da Kobe, o da Takata e o da Mitsubishi, que no ano passado admitiu fraude nos números de consumo de alguns carros, poderá manchar a imagem dos produtos japoneses no futuro.

Continua após a publicidade

Publicidade