Fabricantes mudam estratégias para renascer no mercado

Seja com problemas financeiros ou de imagem, o efeito fênix é uma saída para as marcas

Fiat Toro, Peugeot 3008, VW Polo e JAC T40

 (reprodução/Divulgação)

Recomeçar é buscar uma nova chance. Assim também encaram as fabricantes que, para aumentar as vendas ou melhorar sua imagem, promovem reviravoltas na sua estratégia.

Um caso bem-sucedido de recomeço vem da Peugeot. Há pouco mais de cinco anos, a francesa brigava por espaço entre modelos de entrada e maior volume.

Sua reestruturação começou em 2013, com o 208. De lá para cá, ela focou na sofisticação com veículos mais caros e tecnológicos, como 208 GT, o 3008 e o recém-lançado 5008.

Sua estratégia se reflete no ticket médio (valor médio de cada venda), que passou de R$ 59.990 em janeiro de 2012, para R$ 85.854 no mesmo período de 2018.

O destaque vai para o SUV médio 3008, que já acumula 412 emplacamentos nos primeiros dois meses do ano, num segmento em que a Peugeot até então estava ausente – o 3008 de geração anterior era uma minivan de alcance restrito.

A Volkswagen apostou na modernização de seus motores para recuperar seu prestígio no mercado brasileiro e deu força para a popularização do downsizing com a linha turbo TSI.

O Up! continua longe do sucesso de vendas, bem atrás dos concorrentes diretos Fiat Mobi e Renault Kwid. Mas a VW deu um jeito de faturar mais em cima deles. Até novembro de 2017, 45,7% dos Up! vendidos tinham motor TSI, segundo a Jato – e eles custam quase R$ 5 mil a mais que os 1.0 aspirados.

A aposta no Polo, ocupando um degrau intermediário entre o Gol e o Golf, também já rende frutos: em fevereiro, ele foi o VW mais vendido no país, ocupando a 4ª colocação no ranking geral de vendas.

Já a Fiat tem reduzido a idade média de sua linha, com Mobi, Toro, Argo e Cronos, que aos poucos tomam o lugar de Punto, Palio, Palio Fire e Weekend. E ao contrário do que o histórico popular da marca indicava, quem faz mais sucesso são justamente os modelos mais caros, como a Toro.

No caso da JAC, após a estreia grandiosa no Brasil, passou por problemas com o governo relacionados à sua fábrica de Camaçari (BA) e depois viu suas vendas despencarem, com a mudança no IPI.

Para tentar recuperar o prejuízo, a marca focará nos SUVs: tirou os compactos J2, J3 e J3 Turin de linha (e planeja fazer o mesmo com J5 e J6) para formar uma gama, com exceção da van T8, quase toda composta por SUVs e semelhantes, como T40, T5 e T6.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. O mercado automotivo do Brasil é uma piada, preços altissimos e grande desvalorização, basta dar uma olhada na tabela fipe dos modelos com 1 ano ou mais.