Clique e assine por apenas 8,90/mês

Entenda como o tombo do petróleo pode afetar o valor da gasolina no Brasil

Desentendimento entre Arábia Saudita e Rússia fez preço do barril de petróleo despencar 30%. Entenda os possíveis reflexos que podem chegar ao Brasil

Por Daniel Telles - 10 mar 2020, 07h00
O Creta inaugura uma nova fase: os carros serão abastecidos somente com gasolina
Queda de 30% no preço do petróleo foi a maior desde 1991 Christian Castanho/Quatro Rodas

Depois de uma sequência de quedas devido ao surto do coronavírus, um desacordo entre Arábia Saudita e Rússia fez o preço do petróleo despencar até 30% e chegar a faixa dos US$ 30,00, a maior queda desde a Guerra do Golfo, em 1991. 

O desacerto se deu após o governo de Moscou ser contra a diminuição da produção da commodity, proposta pela Opep (Organização dos Países Produtores de Petróleo), para conter a queda dos preços que já ocorria devido ao surto do coronavírus.

Após a negativa russa, o governo saudita anunciou o aumento da produção a partir de abril e a redução no preço de venda do óleo.

Consultado por QUATRO RODAS, o economista e analista político Carlo Barbieri entende haver, pelo menos a princípio, um aspecto positivo na crise.

Continua após a publicidade

“A crise num primeiro momento é positiva. Beneficia tanto os países europeus, compradores do produto, quanto o consumidor final que receberá um combustível mais barato.”

Entretanto, entende que o preço deve estabilizar e voltar a subir num ritmo mais desacelerado.

“Em algum momento a Arábia Saudita ou a Rússia irá ceder. Não é interessante para nenhum dos dois que o barril chegue a faixa dos US$ 20,00. O preço deve voltar a subir, mas o ritmo não deve ser tão acelerado.”

Refinaria de Petróleo de Manguinhos: caso política de preços da Petrobras seja mantida, consumidor deve sentir redução nos preços Agência O Globo/Veja

No Brasil, o impacto deverá ser sentido no preço final da gasolina. Isso porque a Petrobras tem adotado uma política de preços atrelada ao que é praticado no exterior.

Continua após a publicidade

Uma hipótese para que o preço não sofresse tanto impacto seria o ajuste da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) por parte do governo. Hoje o imposto é de R$ 0,10 por litro de gasolina e zerado para o diesel.

Entretanto, em postagem desta segunda-feira (9), o presidente da República Jair Bolsonaro descartou a intervenção e destacou que a tendência é que os preços diminuam nas refinarias.

Para Barbieri, o problema está na passagem do preço da refinaria para a bomba de gasolina.

“Por vezes o preço cai na refinaria, mas por inúmeros motivos não chega na bomba de gasolina para o consumidor final. A tendência é que a queda seja sentida [pelo consumidor], mas não imediatamente.”

Continua após a publicidade

Por fim, o economista ressalta ainda o aspecto negativo da crise para a petrolífera brasileira.

“Para a Petrobras é ruim. A queda brusca afeta o preço negociado pela petrolífera brasileira. Há uma necessidade real de se achar uma solução que seja benéfica para a companhia.”

Publicidade