Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Empresa cria sensor de embriaguez que funciona integrado ao volante

Dispositivo mede ingestão de álcool a partir da detecção dos gases emitidos pela pele

Por Rodrigo Furlan Atualizado em 9 nov 2016, 14h41 - Publicado em 17 set 2015, 12h32
seguranca

Um novo dispositivo criado por uma empresa canadense promete contribuir para a redução de acidentes causados por motoristas sob influência de álcool. Nesta semana, a Sober Steering foi uma das atrações do Salão de Los Angeles de Carros Conectados, sendo eleita uma das dez melhores startups do evento com o seu Zero Tolerance System.

Basicamente, trata-se de um sensor instalado no volante que captura os gases emitidos pela pele do motorista (em especial, a das mãos). Esses gases são emitidos pelo corpo humano a partir de cinco minutos da ingestão alcoólica. Ao contrário dos bafômetros, cuja utilização demanda que o carro e o motorista estejam parados, o Zero Tolerance System pode ser usado com o veículo em movimento.

 

A partir do momento em que é capturada a informação do nível alcoólico elevado, o GPS presente no sistema a dispara, tendo como destinatários as empresas às quais os carros pertencem, as forças policiais e, até mesmo, os familiares dos motoristas. Uma característica interessante é que a medição ocorre continuamente, de modo a prevenir que o condutor ingira bebidas durante o trajeto.

Continua após a publicidade

A Sober Steering levou cinco anos para desenvolver o Zero Tolerance System. Nesse período, um projeto-piloto foi desenvolvido na cidade de Waterloo, região de Ontario, tendo como base um ônibus escolar. Curiosamente, a ideia original era de que a empresa tivesse sede na Flórida, mas o governo dos Estados Unidos não apoiou a iniciativa – ao contrário do canadense, que financiou parte do projeto.

Num primeiro momento, o Zero Tolerance System será destinado apenas ao uso por carros de empresas, mas a perspectiva é de que o sistema possa ser instalado em qualquer veículo num futuro próximo. Os preços do equipamento não foram revelados.

Continua após a publicidade

Publicidade