Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Ela dirigiu 17.600 km dos EUA ao Brasil trazendo este Fusca para a mãe

Conheça a história de Yamara, que foi a San Diego conhecer Justin Bieber e decidiu voltar com um presente de quatro rodas para a mãe

Por André Deliberato Atualizado em 28 Maio 2019, 08h32 - Publicado em 28 Maio 2019, 08h25
Yamara e o primo Milton Júnior: juntos em uma aventura que durou 17.600 km Alexandre Battibugli/Quatro Rodas

Dona Regina é famosa no Instagram de Yamara das Dores – ou apenas @Yamara. Mais do que isso, ela é a mãe de Yamara, uma menina que decidiu viajar aos Estados Unidos para fazer intercâmbio e realizar o sonho de conhecer Justin Bieber.

E, depois de alguns meses, resolveu voltar para casa trazendo na bagagem um Volkswagen Fusca conversível 1972, símbolo que representava outro Fusca amarelo – um veículo que fez parte de momentos felizes da infância da mãe até ser roubado.

Yamara logo após adquirir o Fusquinha nos EUA Acervo pessoal/Quatro Rodas

Cansada da rotina de escritório, a publicitária e escoteira foi para os EUA porque queria mudar de vida.Sem dinheiro e sem falar inglês ou espanhol, alugou carro para dormir, trabalhou entregando comida, pediu dinheiro na rua e fazia uma refeição por dia.

“Passei os maiores perrengues da minha vida e agradeço ao McDonald’s por oferecer comida a US$ 1″, relata.

Primo viajou do Brasil aos EUA só para ajudá-la Acervo pessoal/Quatro Rodas

Após conhecer Justin Bieber, juntou grana para comprar o Fusca – amarelo, como o da mãe, claro. Desejo realizado, nasceu a ideia: dar para dona Regina o tão sonhado modelo.

“Não sabia dirigir carro manual. A ideia era aprender durante o trajeto, mas o destino colocou no caminho meu primo Milton Júnior. Ele viajou do Brasil aos EUA só para me acompanhar no trajeto de volta com o Fusca, com a missão de me ensinar a dirigir”, conta Yamara.

Não faltaram quebras e visitas ao mecânico pelo caminho… Acervo pessoal/Quatro Rodas

A viagem não seria fácil: afinal, seriam 17.600 km a bordo de um Fusca 72 recém-adquirido e sem histórico de cuidados.

Yamara criou então a campanha “Quilômetros do Bem”, seguindo a filosofia de que valeria a pena fazer o roteiro “ajudando o próximo, em toda e qualquer ocasião”.

Viagem foi toda registrada no Instagram Acervo pessoal/Quatro Rodas

Contou, ainda, com o auxílio de seguidores do próprio Instagram, mesmo que a ajuda fosse, na maior parte das vezes, apenas através de informações.

Continua após a publicidade

A jornada, de San Diego a São Paulo, começou em setembro de 2018, passando por 12 países.

“O Fusca mostrou problemas logo no início. Estávamos no México, em um deserto cabuloso, e a gente não entendia muito bem a mecânica do carro, não sabíamos que a bobina esquentava…”, relembra.

Algumas fronteiras, como entre Panamá e Colômbia, o bravo Fusca conversível teve que atravessar num contâiner Acervo pessoal/Quatro Rodas

“Fomos pegando essas manhas com o tempo, inclusive com dicas de seguidores do Insta. Tinha dia que precisávamos andar por duas horas e esperar meia hora com uma meia ou um pano úmido na bobina para fazê-la esfriar”, narra.

“Para piorar, Fusca no México é o nome de uma arma. Lá o nosso Fusca se chama Vocho. Algumas vezes fomos parados pela polícia e, como não falávamos o idioma, respondíamos que estávamos viajando dos EUA para o Brasil ‘com Fusca’”, brinca.

A chegada triunfal ao Brasil, via Peru Acervo pessoal/Quatro Rodas

Para piorar ainda mais, a capota não fechava direito. “Quando chovia, precisava dirigir com uma toalha no volante, para secar mesmo, pois o que entrava de água não era brincadeira.”

Chegaram ao Brasil em novembro, dois meses e três dias após a saída. Ufa! “Minha mãe ficou muito emocionada, não só porque não me via há meses como pelo Fusca. Mas disse que eu era louca por fazer essa viagem.”

  • Hoje, Yamara está no processo de nacionalização do Fusca como um veículo antigo, o que pode ser feito por ele ter mais de 30 anos.

    “Estou regularizando, ele é meu único carro. Quando eu conseguir resolver tudo, vou continuar com meu trabalho social e voluntário pelo Brasil.”

    LEGENDAS

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade