Ela dirigiu 17.600 km dos EUA ao Brasil trazendo este Fusca para a mãe

Conheça a história de Yamara, que foi a San Diego conhecer Justin Bieber e decidiu voltar com um presente de quatro rodas para a mãe

Yamara e o primo Milton Júnior: juntos em uma aventura que durou 17.600 km

Yamara e o primo Milton Júnior: juntos em uma aventura que durou 17.600 km (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Dona Regina é famosa no Instagram de Yamara das Dores – ou apenas @Yamara. Mais do que isso, ela é a mãe de Yamara, uma menina que decidiu viajar aos Estados Unidos para fazer intercâmbio e realizar o sonho de conhecer Justin Bieber.

E, depois de alguns meses, resolveu voltar para casa trazendo na bagagem um Volkswagen Fusca conversível 1972, símbolo que representava outro Fusca amarelo – um veículo que fez parte de momentos felizes da infância da mãe até ser roubado.

Yamara logo após adquirir o Fusquinha nos EUA

Yamara logo após adquirir o Fusquinha nos EUA (Acervo pessoal/Quatro Rodas)

Cansada da rotina de escritório, a publicitária e escoteira foi para os EUA porque queria mudar de vida.Sem dinheiro e sem falar inglês ou espanhol, alugou carro para dormir, trabalhou entregando comida, pediu dinheiro na rua e fazia uma refeição por dia.

“Passei os maiores perrengues da minha vida e agradeço ao McDonald’s por oferecer comida a US$ 1″, relata.

Primo viajou do Brasil aos EUA só para ajudá-la

Primo viajou do Brasil aos EUA só para ajudá-la (Acervo pessoal/Quatro Rodas)

Após conhecer Justin Bieber, juntou grana para comprar o Fusca – amarelo, como o da mãe, claro. Desejo realizado, nasceu a ideia: dar para dona Regina o tão sonhado modelo.

“Não sabia dirigir carro manual. A ideia era aprender durante o trajeto, mas o destino colocou no caminho meu primo Milton Júnior. Ele viajou do Brasil aos EUA só para me acompanhar no trajeto de volta com o Fusca, com a missão de me ensinar a dirigir”, conta Yamara.

Não faltaram quebras e visitas ao mecânico pelo caminho…

Não faltaram quebras e visitas ao mecânico pelo caminho… (Acervo pessoal/Quatro Rodas)

A viagem não seria fácil: afinal, seriam 17.600 km a bordo de um Fusca 72 recém-adquirido e sem histórico de cuidados.

Yamara criou então a campanha “Quilômetros do Bem”, seguindo a filosofia de que valeria a pena fazer o roteiro “ajudando o próximo, em toda e qualquer ocasião”.

Viagem foi toda registrada no Instagram

Viagem foi toda registrada no Instagram (Acervo pessoal/Quatro Rodas)

Contou, ainda, com o auxílio de seguidores do próprio Instagram, mesmo que a ajuda fosse, na maior parte das vezes, apenas através de informações.

A jornada, de San Diego a São Paulo, começou em setembro de 2018, passando por 12 países.

“O Fusca mostrou problemas logo no início. Estávamos no México, em um deserto cabuloso, e a gente não entendia muito bem a mecânica do carro, não sabíamos que a bobina esquentava…”, relembra.

Algumas fronteiras, como entre Panamá e Colômbia, o bravo Fusca conversível teve que atravessar num contâiner

Algumas fronteiras, como entre Panamá e Colômbia, o bravo Fusca conversível teve que atravessar num contâiner (Acervo pessoal/Quatro Rodas)

“Fomos pegando essas manhas com o tempo, inclusive com dicas de seguidores do Insta. Tinha dia que precisávamos andar por duas horas e esperar meia hora com uma meia ou um pano úmido na bobina para fazê-la esfriar”, narra.

“Para piorar, Fusca no México é o nome de uma arma. Lá o nosso Fusca se chama Vocho. Algumas vezes fomos parados pela polícia e, como não falávamos o idioma, respondíamos que estávamos viajando dos EUA para o Brasil ‘com Fusca’”, brinca.

A chegada triunfal ao Brasil, via Peru

A chegada triunfal ao Brasil, via Peru (Acervo pessoal/Quatro Rodas)

Para piorar ainda mais, a capota não fechava direito. “Quando chovia, precisava dirigir com uma toalha no volante, para secar mesmo, pois o que entrava de água não era brincadeira.”

Chegaram ao Brasil em novembro, dois meses e três dias após a saída. Ufa! “Minha mãe ficou muito emocionada, não só porque não me via há meses como pelo Fusca. Mas disse que eu era louca por fazer essa viagem.”

Hoje, Yamara está no processo de nacionalização do Fusca como um veículo antigo, o que pode ser feito por ele ter mais de 30 anos.

“Estou regularizando, ele é meu único carro. Quando eu conseguir resolver tudo, vou continuar com meu trabalho social e voluntário pelo Brasil.”

LEGENDAS

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s