O homem que guarda 14 VW vermelhos refrigerados a ar em sua garagem

Aposentado mantém coleção com 14 clássicos da marca alemã na mesma cor. Coleção vai de Fusca a Zé do Caixão, passando pela Kombi

Roberto Gabarra tem uma coleção de 14 modelos da Volkswagen vermelhos e refrigerados a ar

Roberto Gabarra tem uma coleção de 14 modelos da Volkswagen vermelhos e refrigerados a ar (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Nada mais apropriado para uma revista com quase 59 anos de tradição, como a QUATRO RODAS, do que contar a história de um fiel leitor.

Mais do que leitor desde a edição número 1, o médico e professor aposentado Roberto Gabarra, de 73 anos, é um colecionador de carros.

Mas ele não tem uma coleção qualquer: na sua garagem em Botucatu (SP) ele guarda 19 veículos antigos. A graça? São 14 modelos da Volkswagen vermelhos e refrigerados a ar. Todos restaurados ali mesmo por Roberto.

Do Fusca à Saveiro, passando pelo Zé do Caixão e Brasília, o professor universitário sempre usou como referência para recuperar a originalidade dos carros sua outra coleção: as 710 edições da revista QUATRO RODAS.

“Meu filho se alfabetizou por ela. Com quatro anos de idade, ele já conhecia modelos e marcas”, comenta o aposentado.

Roberto: paixão entre o SP2 e o Karmann

Roberto: paixão entre o SP2 e o Karmann (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Ele conta que o gosto pelo universo automotivo sempre esteve presente na família Gabarra. “Tudo começou com um tio-avô que participava de corridas de calhambeque.

Já o interesse de Roberto começou no fim dos anos 70, quando ainda jovem adquiriu um VW SP2. Na época, o carro estava longe de ser uma relíquia e encontrava-se em ótimo estado.

Mas foi ao comprar o Karmann-Ghia 1962 e o Fusca 1967 que teve a ideia de reformar os próximos que comprasse e repintá-los de vermelho.

“Dos 14 veículos, 3 tinham essa cor originalmente”, diz ele, que costuma investir de dois a quatro anos no processo de restauração de cada um.

Sua garagem guarda também boas  histórias. Uma delas é do Karmann-Ghia, que pertenceu a um colega da época de faculdade. Quando o amigo foi embora da cidade, vendeu o esportivo a uma professora, que viria a falecer anos depois.

Já nas mãos do filho dela, o carro se acidentou e foi comprado pelo pai do garoto, que deu a Roberto para restaurar e com quem está até hoje, há mais de 20 anos. “Acho que era para ser meu mesmo.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s