Clássicos: VW Passat se despediu em grande estilo com versão GTS Pointer

A versão esportiva do Passat alcançou o mais alto grau de refinamento técnico para encerrar com louvor a carreira do modelo

O vermelho Fênix metálico era um dos três opcionais do GTS Pointer

O vermelho Fênix metálico era um dos três opcionais do GTS Pointer (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Referência em desempenho, o Passat TS foi objeto de desejo dos brasileiros na maior parte dos anos 70, mas sucumbiu na década seguinte frente à modernidade de rivais como Chevrolet Monza e Ford Escort.

Para recuperar o prestígio perdido, a Volkswagen desenvolveu aquele que seria um de seus modelos mais cultuados: o Passat GTS Pointer.

O GTS Pointer surgiu como uma evolução do pacato Passat GTS de 1983, idêntico à luxuosa versão GLS com motor de 1,6 litro.

Motor para alto giro: AP-800S entregava potência de modo progressivo e linear

Motor para alto giro: AP-800S entregava potência de modo progressivo e linear (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Em junho de 1984, o elegante cupê desenhado por Giorgetto Giugiaro recebeu o novo motor de 1,8 litro, o mesmo que impulsionava o recém-lançado Santana.

O torque subiu de 12,9 mkgf a 2.600 rpm para 15,2 mkgf no mesmo regime. O ganho em potência foi ainda mais expressivo e saltou de 82 cv a 5.200 rpm para 92 cv a 5.000 rpm.

Alcançou ótimos números de desempenho no seu primeiro teste: máxima de 162,89 km/h e aceleração de 0 a 100 km/h em 13,39 segundos.

Seu equilíbrio era igual ao do Passat TS em 1976: freios eficientes com boa modulação e sem desvios de trajetória.

Recalibrada, a suspensão aliava conforto e estabilidade com tendência ao subesterço no limite da aderência. Precisa, a direção tinha o peso correto em qualquer velocidade.

Era a primeira vez que o Passat recebia rodas de 14 polegadas, a famosa Avus com pneus 185/60.

Passat GTS Pointer foi um dos primeiros nacionais a oferecer bancos Recaro

Passat GTS Pointer foi um dos primeiros nacionais a oferecer bancos Recaro (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os bancos dianteiros eram fornecidos pela Recaro, anatômicos e com eficientes apoios laterais. O traseiro contava com dois encostos de cabeça e apoio de braço central. Entre os opcionais, estavam ar-condicionado e teto solar.

Mais leve, o GTS Pointer era muito mais ágil e comunicativo que o Santana. E era sensivelmente superior em espaço interno e porta-malas quando comparado ao Gol GT.

A nova mecânica marcou o renascimento do Passat, que apresentou uma reação positiva em vendas com as atualizações adotadas em 1985.

Esportivo familiar: espaço para quatro adultos e 362 litros de porta-malas

Esportivo familiar: espaço para quatro adultos e 362 litros de porta-malas (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os para-choques de lâmina metálica deram lugar a outros de plástico envolvente, com indicadores de direção posicionados na parte inferior.

As lanternas traseiras receberam frisos horizontais pretos e o painel de instrumentos foi completamente redesenhado. Mas a melhor novidade foi o câmbio de cinco marchas com escalonamento esportivo.

O novo câmbio fez o GTS Pointer ganhar quase 1 segundo no 0 a 100 km/h, realizando a prova em 12,45 segundos.

Outras novidades no interior do modelo 1985 eram o termômetro de óleo posicionado ao lado do voltímetro no console e o belíssimo volante de quatro raios, que logo ficou conhecido como “Quatro Bolas”.

O desempenho chegou ao auge no modelo 1986, quando o GTS Pointer recebeu o mesmo motor do Gol GT.

Com motor 1.8 que equipava o Gol Gt, o Passat deixou para trás tanto o irmão quanto a concorrência

Com motor 1.8 que equipava o Gol Gt, o Passat deixou para trás tanto o irmão quanto a concorrência (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Com comando de válvulas do Golf GTI alemão, a potência mínima estimada era de 105 cv – os 99 cv declarados na ficha técnica eram uma estratégia tributária da VW para evitar uma alíquota maior do IPI.

O novo motor fez o veterano Passat superar não só o Gol GT como o recém-lançado Chevrolet Monza S/R: alcançou a máxima de 170, 61 km/h e foi de 0 a 100 km/h em 11,46 segundos.

Além de ter o melhor desempenho, ainda era o mais econômico, com média de 7,36 km/l de etanol.

O Monza S/R reagiu com um motor de 2 litros em 1987, mas em seu último teste o GTS Pointer cravou 10,91 segundos para ir de 0 a 100 km/h.

Apesar das virtudes, a VW estava mais preocupada em propagar novidades como o Gol GTS, o Voyage GLS e, no ano seguinte, o tão esperado Santana 2000 (com motor 2 litros).

A última unidade deixou a fábrica em São Bernardo do Campo em 2 de dezembro de 1988.

Seu caráter sóbrio e esportivo teve como sucessores o Santana GL com motor 2 litros e o igualmente cultuado Gol GTi.

Ficha Técnica – VW Passat GTS Pointer 1.8 1989

  • Motor: Longitudinal de 4 cilindros em linha, 1.8 L, 8V, comando simples no cabeçote, carburador de corpo duplo; 99 cv a 5.600 rpm e 14,9 mkgf a 3.600 rpm
  • Câmbio: Manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: Comprimento, 426 cm; largura, 160 cm; altura, 135,5 cm; entre-eixos, 247 cm; peso, 970 kg
  • Pneus: 185/60 R14
  • Desempenho: (teste em abril de 1988) Aceleração: 0 a 100 km/h em 10,91 segundos; velocidade máxima de 169,15 km/h; consumo: 6,35 km/l (urbano) e 9,91 km/h (rodoviário)
  • Preço: Cz$ 1.467.170 (mar/88) – Atualizado: R$ 136.000 (IPC-A-IBGE)
Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s