Clássicos: Ferrari 330, o pioneiro da linhagem de GTs V12

A 330 deu origem a uma linhagem de modelos GTs que marcaram época e associaram definitivamente os motores V12 ao nome Ferrari

A berlineta GTC compôs a última geração da série 330 ao lado do conversível GTS

A berlineta GTC compôs a última geração da série 330 ao lado do conversível GTS (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Durante muito tempo Ferrari foi sinônimo de V12. E o motor desenvolvido pelo engenheiro italiano Gioacchino Colombo (1903-1988) foi um dos maiores responsáveis por essa fama, começando pelo 125S de 1,5 litro (de 1947) e passando pelos lendários 250 de 3 litros (de 1953).

A necessidade de obter mais torque e potência fez Enzo Ferrari redimensionar a arquitetura do V12 Colombo, dando origem à série 330 em 1963.

Rodas raiadas Borrani eram opcionais

Rodas raiadas Borrani eram opcionais (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A primeira da linhagem 330 foi a America, nome dado às últimas 50 unidades produzidas do modelo 250 GTE 2+2, notório por ter sido a primeira Ferrari para quatro ocupantes.

A cilindrada total da nova geração do V12 Colombo cresceu de três para quatro litros. Os cabeçotes mantiveram o esquema de comandos simples e duas válvulas por cilindro. Alimentado por três carburadores Weber, o torque subiu de 25 para 33,3 mkgf.

O acréscimo de potência também foi substancial, saltando de 240 cv para 300 cv.

 (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Raríssima, a America cumpriu tabela até a apresentação oficial da 330 GT 2+2 no Salão de Bruxelas de 1964. Para acomodar melhor os quatro ocupantes, seu interior foi reconfigurado e a distância entre os eixos cresceu 5 cm.

O estilo dos quatro faróis principais destoava da harmonia típica das Ferrari, mas seu desempenho continuava adequado a um grã- turismo.

Mesmo pesando 1.380 kg, ia de 0 a 100 km/h em 7,2 segundos e chegava a 224 km/h. Encarava Aston Martin DB4 e Maserati 3500 GTiS Sebring, mas foi pega de surpresa pelo Lamborghini 350 GT.

O V12 de Sant’Agata Bolognese foi criado por ex-empregados da Ferrari como Gian Paolo Dallara e Giotto Bizzarrini, todos recrutados por Ferruccio Lamborghini. Redesenhada em 1965, a segunda série da GT 2+2 trazia dois faróis principais, câmbio de cinco marchas e rodas Campagnolo de alumínio.

A tocada fica a cargo do volante Nardi com aro de madeira

A tocada fica a cargo do volante Nardi com aro de madeira (Christian Castanho/Quatro Rodas)

As rodas raiadas Borrani eram opcionais, junto dos vidros elétricos, direção hidráulica e ar-condicionado. Conforto era prioridade: desempenho era com a Ferrari 500 Superfast, graças ao V12 Colombo de 5 litros e 400 cv. Cerca de mil GT 2+2 foram produzidas até 1967.

A terceira e última geração das 330 foi representada pela berlineta GTC, que estreou no Salão de Genebra de 1966 com a mesma concepção da 275 GTB: entre-eixos de 2,4 metros, câmbio traseiro e suspensão por braços duplos nas quatro rodas.

A conversível GTS surgiu no Salão de Paris do mesmo ano. Capô baixo, grade oval e para-choques bipartidos eram inspirados na 500 Superfast, enquanto o terceiro volume seguia o perfil da conversível 275 GTS.

O estilo cativou personalidades como Leopoldo Pirelli, Sergio Pininfarina e o rei Leopoldo III da Bélgica, que presenteou a esposa Lilian com uma das quatro 330 GTC Speciale apresentadas em 1967.

Apesar de ter apenas dois lugares, a GTC ainda era um grã-turismo dos mais funcionais. O volante era com aro de madeira (Nardi) e a alavanca do câmbio, guiada pela clássica grelha indicando a posição das marchas.

Design a cargo de estúdio Pininfarina

Design a cargo de estúdio Pininfarina (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O painel exibia instrumentação completa e o porta-malas era mais do que suficiente para um casal. Menor e mais leve, acelerava de 0 a 100 km/h em menos de 7 segundos, com máxima de 242 km/h.

O jornalista Paul Frère exaltou o baixo nível de ruído e vibração, e o campeão de F-1 Phil Hill declarou que a GTC era a melhor Ferrari de rua já produzida, graças ao equilíbrio perfeito entre motor, direção, suspensão e freios. 

Fabricado em 1967, o modelo das fotos integra o acervo da FBF Collezione. A produção da Ferrari 330 foi encerrada em 1968, após 598 berlinetas GTC e 100 conversíveis GTS.

Foi um degrau indispensável ao desenvolvimento da aclamada 365 GTB/4 Daytona, e suas linhas foram mantidas até 1970 nos modelos 365 GTC e GTS.

Ficha técnica – Ferrari 330

  • Motor: V12, 4.0; Torque: 33,3 mkgf a 5.000 rpm; Potência: 300 cv a 7.000 rpm.
  • Carroceria: fechada, 2 portas, 2 lugares
  • Câmbio: manual, 5 m., tração traseira
  • Dimensões: compr., 447 cm; larg., 166,5 cm; alt., 128,2 cm; entre-eixos, 240 cm; peso, 1300 kg
  • Desempenho: aceleração 0 a 100 km/h: 6,8 segundos; Velocidade máxima de 242 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s