Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Guia de Usados: Kia Cerato (2ª geração)

Bonito e com ótimo custo-benefício, ele pesa com custo de manutenção alto e barulhos na suspensão

Por Felipe Bitu Atualizado em 24 jun 2018, 01h20 - Publicado em 8 nov 2012, 10h41

Kia Cerato

Quem acompanha o mercado de sedãs sabe que muitos dos lançamentos não são um primor de beleza e harmonia. Não é o caso do Kia Cerato de segunda geração, que tem no estilo um de seus maiores trunfos.

Apresentado na linha 2010 e substituido em 2013, o coreano é obra do designer Peter Schreyer, que trabalhou mais de 25 anos na Audi.

Kia Cerato

Já seu motor 1.6 16V de 126 cv convence, mas não empolga. Com 1.223 kg e câmbio automático de quatro marchas, o carro quando está carregado sofre em aclives, acelerações e retomadas.

O problema foi amenizado na linha 2011, com caixas de seis velocidades (manual e automática). Relações de marcha mais próximas exploravam melhor os 15,9 mkgf a 4.200 rpm.

Ao menos ele é econômico, mérito do Cx de 0,29, que atenuava o fato de não ser flex.

Kia Cerato

O comprador do Cerato, no entanto, era seduzido mesmo pela garantia de cinco anos e pelo excelente custo-benefício.

A versão mais simples já vinha de fábrica com ar-condicionado, airbags dianteiros, trio elétrico, computador de bordo, faróis de neblina, rodas de liga leve aro 15 e um ótimo sistema de som com entradas auxiliares USB e para iPod.

A versão mais procurada é a intermediária, que acrescenta ABS, encostos de cabeça ativos, acabamento interno diferenciado, volante e manopla do câmbio revestidos de couro, ar digital e rodas aro 16.

A versão top trazia itens que realçavam a esportividade, como rodas de 17 polegadas e detalhes de acabamento interno vermelhos.

Apesar de bem projetado, o interior do Cerato abusa de plásticos de aspecto barato e o revestimento do estofamento tem aparência barata demais para o segmento.

Kia Cerato

Outra queixa comum dos proprietários é a suspensão, de curso muito curto e que sofre constantemente com batidas secas em pisos irregulares, que vez ou outra resultam em danos à caixa de direção, buchas e batentes.

Essa dureza, aliada ao acabamento simplório do interior, resulta em excesso de ruídos.

Outro ponto negativo é o pós-venda: as revisões são relativamente caras e algumas peças quase nunca estão disponíveis para pronta-entrega, principalmente em cidades longe das capitais.

Continua após a publicidade

FUJA DA ROUBADA

Não vale a pena investir nos Cerato mais básicos: os freios traseiros são a tambor e não há a opção de ABS e encostos de cabeça ativos.

A VOZ DO DONO

“O Cerato é um carro bonito 
e sóbrio: tem desenho esportivo 
e formal ao mesmo tempo. Ele 
tem muita presença e nunca 
passa despercebido. À exceção da suspensão dura e barulhenta, gusto do seu conforto e economia, mas sinto que falta potência às vezes, mesmo explorando o recurso do câmbio automático sequencial.” – Elson Carlos da Silva, 40 anos, empresário, São Paulo (SP)

O que eu amo: “Bom custo-benefício, belo design, baixo consumo (nem precisa ser flex) e um áudio que surpreendeu pela ótima qualidade
de som. Além disso, é superconfiável.” – Lucas Cortezia Quedevez, 27 anos, estudante, Rio de Janeiro (RJ)

O que eu odeio: “A suspensão é dura demais para o piso brasileiro, o que o torna barulhento. O motor poderia ser mais forte, pois sofre quando está carregado. E a rede deixa a desejar.” – Gustavo Camargo, 25 anos, profissional de marketing, Campinas (SP)

ONDE O BICHO PEGA

Kia Cerato

Câmbio automático – Pode apresentar falhas nos comandos, deixando de reduzir ou avançar marchas. O problema vem do mau contato elétrico na solenoid da alavanca seletora, devendo ser substituída em garantia.

Suspensão – O ajuste mais firme resulta em batidas secas e interior barulhento. Boa parte desses solavancos se deve a batentes de amortecedores gastos, que devem ser reclamados em garantia. Um jogo novo não sai por menos de 500 reais, mais 300 de mão de obra.

Caixa de direção – Batidas
 secas na parte dianteira podem significar uma caixa de direção comprometida ou desgaste nas buchas da cremalheira, transtorno abordado pela seção Autodefesa de julho de 2011. Problema recorrente, ele é causado por graxa lubrificante fora da especificação. A Kia costuma fazer o conserto em garantia.

Embreagem – De acionamento hidráulico, pode deixar o pedal mais duro de acionar por desgaste precoce do atuador. As concessionárias têm substituído o conjunto em garantia.

Motor – Pode apresentar problemas de detonação em função da qualidade do combustível, a famosa batida de pino. O problema some com o uso de gasolina de boa procedência, mas se persistir só poderá ser sanada com a reprogramação da injeção.

NÓS DISSEMOS – Setembro de 2009

“O Cerato tem o porte do Corolla. Se parece menor, é graças ao trabalho de peter Schreyer. (…) Ele é tão bonito que às vezes decepciona. Você corre a mão pelo painel e encontra plástico duro, em vez de superfícies emborrachadas. (…) O banco do motorista tem ajuste de altura, mas é forrado por tecido sintético não muito diferente daquele que encontramos no Mille. (…) a suspensão é convencional (McPherson na frente e barra de torção atrás), mas o ajuste lembra o do antigo Corolla. Na cidade, ele filtra bem os buracos e paralelepípedos, sem sacolejos ou batidas ocas. Em velocidade, o Cerato é comunicativo, mas não é nervoso.”

Preço médio dos usados (FIPE)
2010 2011 2012 2013
1.6 16V M/T R$ 32.650 R$ 33.744 R$ 35.641 R$ 40.974
1.6 16V A/T R$ 34.008 R$ 36.756 R$ 40.383 R$ 45.895

PENSE TAMBÉM EM UM……

Honda City: Se você ainda hesita em apostar num Kia Cerato, o Honda City é
uma alternativa a ser considerada. Seu motor 1.5 16V tem a vantagem de ser flex, o câmbio automático sequencial de cinco marchas é muito bem escalonado e o porta-malas impressiona com seus 504 litros (o Kia tem 415 litros).

O rodar firme é semelhante ao do Cerato, mas
o City leva vantagem pela precisão da direção elétrica, no custo de manutenção e no atendimento do pós-venda, mesmo com a garantia de apenas três anos.

Considerado caro, o Honda nunca se destacou na relação custo-benefício, porém é mais bem aceito pelo mercado.

Continua após a publicidade
Publicidade