Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Como o Koenigsegg Gemera atinge 1.700 cv sem usar comando de válvulas

Koenigsegg substitui comandos de válvulas mecânicos por sistema de acionamento hidropneumático e consegue extrair 600 cv de um motor 2.0

Por Paulo Campo Grande Atualizado em 16 Maio 2021, 19h33 - Publicado em 6 jul 2020, 07h00
Motor 2.0 tem atuadores de válvulas hidropneumáticos
Motor 2.0 tem atuadores de válvulas hidropneumáticos Divulgação/Koenigsegg

Tudo o que se relaciona ao mais novo modelo da sueca Koenigsegg, o Gemera, que foi lançado em março deste ano, é superlativo.

Equipado com quatro motores, sendo três elétricos e um a combustão, esse Gran Turismo tem nada menos que 1.700 cv de potência combinada.

Separadamente, são 2.000 cv, uma vez que dois dos motores elétricos produzem 500 cv cada um, enquanto o terceiro motor elétrico gera 400 cv e o motor a combustão rende 600 cv.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Segundo a fábrica, o Gemera acelera de 0 a 100 km/h em 1,9 segundo e atinge 400 km/h de velocidade.

A parte mais admirável desse conjunto propulsor reside no motor a combustão, que é um 2.0 de três cilindros biturbo equipado com cabeçote multiválvulas com válvulas controladas por atuadores hidropneumáticos.

koenigsegg-tfg
Divulgação/Koenigsegg

Esse motor dispensa comandos, correias de acionamento e outras coisas menos óbvias como borboletas de admissão, válvulas de alívio do turbo (porque tanto o fluxo de ar como a pressão no turbo são controlados pelas próprias válvulas) e pré-catalisador (o sistema reduz a fase fria do motor).

As válvulas trabalham com total liberdade entre si e em relação aos movimentos que fazem de abertura e fechamento, governadas por uma central eletrônica que usa inteligência artificial para saber a melhor maneira de se adaptar às situações.

  • O cabeçote do motor foi desenvolvido pela Koenigsegg juntamente com a empresa Freevalve e, segundo o construtor Christian Koe-nigsegg, pode ser aplicado a qualquer motor a combustão, melhorando seu rendimento como um todo.

    Não somente o desempenho, mas também o consumo e as emissões de combustível. Veja ao lado como é que funciona.

    Continua após a publicidade

    Atuadores

    Atuadores
    Divulgação/Koenigsegg/Arte/Quatro Rodas

    Cada válvula tem um atuador que consiste de: 1) mola (retrátil); 2) câmara pneumática; 3) câmara hidráulica; 4) pistão (que empurra a válvula); 5) sensor de posição da válvula; 6) o qual envia informações para a central inteligente que controla todo o sistema.

    Construção

    Como dispensa diversos componentes, o motor é compacto e leve (pesa apenas 70 kg).

    Além disso, em razão de as válvulas trabalharem de forma independente, cada coletor de admissão e escape tem sua própria porta no bloco, com dimensões e layout individuais e projetados de acordo com o movimento desejado para o fluxo do gás nas câmaras.

  • Eficiência

    Cada pistão desloca cerca de 660 cm³ de mistura e tem velocidade linear de 26,5 m/s (95,4 km/h), que é a mesma velocidade atingida nos motores dos carros da Fórmula 1.

    Segundo a Koenigsegg, o cabeçote proporcionou um aumento de 45% na potência e 47% no torque, resultando em até 20% de economia no consumo e 35% de redução nas emissões.

    Pressão total

    freevalve

    acionadores
    Divulgação/Koenigsegg/Arte/Quatro Rodas

    Sob a tampa do cabeçote existem: 1) galerias hidráulicas; 2) e pneumáticas; 3) fiação elétrica; 4) que aciona os solenóides; 5) que controlam a pressão nas linhas usadas para movimentar as válvulas.

    Cavalaria a solta

    gemera
    Divulgação/Koenigsegg

    O Koenigsseg Gemera é um GT de quatro lugares com carroceria de fibra de carbono, que acelera de 0 a 100 km/h em 1,9 segundo.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade