Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Colecionador tem elevador só para levar carros antigos até seu escritório

A garagem/escritório foi produzida com dez contêineres e abriga 40 carros antigos de marcas e estilos variados e ainda conta com mais de 70 tipos de coleção

Por Isadora Carvalho Atualizado em 20 jan 2021, 20h50 - Publicado em 20 jan 2021, 18h19
Garagem arquitetônica
Entre os clássicos, encontram-se bicicletas, carrinhos e placas de postos de gasolina e oficinas Fernando Pires/Quatro Rodas

São 1.800 metros quadrados, dez contêineres, 40 carros, 70 tipos de coleção, mil objetos vintage e um helicóptero. Esses são alguns dos números da garagem/escritório do empresário paulista Antonio Coelho, 60 anos.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 7,90

Por mais admiráveis, porém, números só expressam quantidade e não dizem nada sobre a qualidade de carros e objetos guardados e nem do projeto arquitetônico do lugar.

O dono conta que a ideia de construir o espaço anexo à casa onde ele vive surgiu da necessidade de organizar e expor coleções como câmeras fotográficas, cadeiras de barbeiro, cabines telefônicas, máquinas de café, placas de postos de gasolina e, ufa!, brinquedos, entre outros itens.

A lista é imensa. Setenta para ser exata. Antonio é um colecionador de coleções. Mas a principal é a de carros.

Garagem arquitetônica
Antonio entre dois dos alemães que admira: a Mercedes SL (1961) e o BMW GT 1600 (1966) Fernando Pires/Quatro Rodas

“Eu não compro apenas modelos americanos ou europeus. Tenho unidades de várias fábricas dos anos 40 até os 90”, diz o empresário. Na garagem, estão 40 exemplares, mas a coleção chega a 150 antigos (o restante fica em outro galpão). São preciosidades como Mercedes SL “Pagoda” (1970), Ferrari Mondial (1983), Cadillac Series 62 (1960), BMW 1600 GT (1966), Volvo P1800 (1971) e até um Rolls-Royce Corniche (1978).

Continua após a publicidade

Chama a atenção o fato de que, de qualquer lugar do escritório (no andar superior), é possível visualizar a coleção de clássicos como protagonista do espaço, e claro que isso não é uma coincidência.

  • “Escolhemos os contêineres para trazer esse tom industrial, e a intenção era que houvesse uma interação entre todas as coleções. Por isso criamos as janelas na parte de baixo das paredes, proporcionando uma visão privilegiada da garagem”, conta a arquiteta Gabriela Coelho, filha do colecionador, que assina o projeto junto com a empresa SuperLimão.

    Garagem arquitetônica
    O elevador pode expor qualquer um dos clássicos da garagem Fernando Pires/Quatro Rodas

    “Os contêineres foram comprados no Porto de Santos e o transporte dos dez até a zona sul de São Paulo rende uma história à parte”, brinca Lula Gouveia, sócio da empresa.

    Como toda obra, houve imprevistos: em se tratando de um projeto para um colecionador, o desafio consistiu em dobrar o número de vagas previsto inicialmente para os antigos (de 20 para 40). “Foi um susto, mas nós resolvemos bem adotando duplicadores de vagas”, afirma Gabriela.

    Garagem arquitetônica
    A Mercedes “Pagoda” (1970) se tornou o destaque cativo da vaga de destaque da garagem Fernando Pires/Quatro Rodas

    Outra surpresa foi a compra de um helicóptero da década de 1940. O teto onde fica exposto teve de receber um reforço estrutural. Um dos elementos que mais se destacam na obra estava planejado desde o início: o elevador para os carros, que parte da garagem e sobe até o escritório, permitindo a exibição de um dos modelos do acervo.

    Garagem arquitetônica
    Essa é a visão da mesa de trabalho do empresário Antônio Coelho Fernando Pires/Quatro Rodas

    Em tempos de home office, ter um clássico ao lado da mesa de trabalho é, sem dúvida, motivo para não sair de casa.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Quatro Rodas capa 741
    arte/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade