Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Parente distante do Romi-Isetta, Microlino 2.0 custará só 12.000 euros

Com três anos de atraso, empresa suíça revive Romi-Isetta, primeiro carro fabricado no Brasil, mas como elétrico com características atuais

Por Pedro Henrique Oliveira Atualizado em 10 set 2021, 11h31 - Publicado em 10 set 2021, 10h37
Microlino 2.0 cinza fosco visto 3/4 de frente
O modelo é inspirado no clássico Isetta, lançado na Europa na década de 50 e fabricado no Brasil a partir de 1956 Micro/Divulgação

O Salão de Munique trouxe inovações já esperadas, como o primeiro Mercedes-AMG elétrico e novidades da Volkswagen em relação à elétricos e direção autônoma, mas provavelmente a notícia mais surpreendente foi a do renascimento do Romi-Isetta, o primeiro carro a ser fabricado no Brasil.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

O Isetta era fabricado pela Romi – por isso o nome – em Santa Bárbara D’Oeste (SP). O modelo surgiu pela primeira vez na Europa no final da década de 40 e foi o primeiro carro produzido em larga escala no território brasileiro. 

Entre 1956 e 1961, cerca de 3.000 unidades do Romi-Isetta foram produzidas por aqui. Na década de 90, durante o governo de Itamar Franco, estudou-se a possibilidade de trazer de volta o modelo, mas as indústrias já contavam com investimentos milionários e o aspecto financeiro pesou contra o projeto. 

Romi Isetta azul visto de lado
Um Romi-Isetta de 1959. O carro parou de ser fabricado por aqui em 1961 Marco de Bari/Quatro Rodas

Mas calma, o modelo lançado em 1956 não voltará a ser produzido, mas ganhará um parente suíço. A empresa Micro apresentou a versão de produção do seu modelo chamado Microlino 2.0, um elétrico com o mesmo visual do Romi-Isetta produzido por aqui. 

O protótipo foi apresentado pela primeira vez em 2016 com o objetivo de ser lançado em 2018. Depois de inúmeros atrasos e mudanças no projeto original, até com o encerramento de parcerias com outras empresas, a marca suíça finalmente revelou o Microlino em sua versão de produção. 

Romi Isetta azul visto de frente com a porta aberta
Por só ter uma porta, ele não era considerado um automóvel pelas autoridades Marco de Bari/Quatro Rodas

O novo elétrico terá três opções de bateria, cada uma com dados de autonomia e desempenho diferentes. Ele disponibiliza baterias de íon-lítio de 6 kWh, 10,5 kWh e 14 kWh. As autonomias são respectivamente, de 95, 175 e 230 quilômetros.

Continua após a publicidade

O Isetta clássico entregava algo em torno de 9,5 cv, mas o seu neto suíço vai além. De acordo com a marca, o Microlino entrega um motor de 15 cv e até 10,1 kgfm. Por conta do baixo peso – na casa dos 435 quilos – o modelo pode ir de 0 a 100 km/h em 5 segundos e chega até 90 km/h. 

Microlino 2.0 chumbo visto 3/4 de frente com a porta aberta
O design entregue pela empresa suíça é focado no clássico, mas a Micro adicionou alguns detalhes tecnológicos Micro/Divulgação

Um dos pontos positivos é o tempo de recarga. As baterias de 6 e 14 kWh necessitam de quatro horas para carregar 80% de sua capacidade, enquanto a opção de 10,5 kWh precisa de apenas três horas. 

Em relação ao visual, ele é totalmente influenciado pelo modelo dos anos 50. A porta é única e na frente do modelo, assim como era a do clássico, mas sem maçaneta. Ela se abre ao apertar um botão. Ainda no lado de fora, alguns elementos dão um tom mais moderno ao elétrico, como barras de LED e faróis redondos montados ao lado do modelo.

Microlino 2.0 chumbo visto 3/4 de trás
Entre as novidades tecnológicas estão as barras de LED na dianteira e traseira, principalmente como lanternas Micro/Divulgação

O interior tem espaço, embora que pouco, para duas pessoas. O volante é fixo e não conectado à porta, o painel conta com um design minimalista contraposto por um quadro de instrumentos digital. No centro do painel há uma pequena tela sensível ao toque para coordenar as principais funções do carro. 

Microlino 2.0 Dolce vermelho visto 3/4 de frente
A Micro oferece três versões, Urban, Dolce (a da foto) e Competizione Micro/Divulgação

A marca anunciou três versões do elétrico. O modelo de entrada se chama “Urban” e é disponibilizado em branco “Santorini” e laranja “Amsterdã”. Ele tem um teto preto brilhante e estofamento na mesma cor ou com tom de carvão.

Quadro de instrumentos do Microlino 2.0
O quadro de instrumentos digital é um dos aspectos contemporâneos que a marca adicionou à silhueta clássica Micro/Divulgação

A versão intermediária se chama Dolce e conta com detalhes cromados em seu exterior. Além disso, terá a adição dos tons menta “Paris”, vermelho “Milão” e azul “Zurique” combinados a um teto branco. As barras de LED aparecem na dianteira e traseira. Nesta versão, o estofamento é de tecido ou couro vegano e o teto dobrável – opcional na Urban – é padrão na Dolce. 

  • Por último, mas não menos importante, a Competizione é a versão topo de linha que tem novas opções de cores, como o antracito “Gotham” e verde “Londres” que são associadas a um teto preto brilhante. 

    Painel do Microlino 2.0 visto da primeira fileira
    O painel conta com design minimalista, mas itens tecnológicos e volante fixado, independente da porta são novidades no elétrico Micro/Divulgação

    Apesar das mudanças no projeto e no desenvolvimento do modelo, a Micro permaneceu fiel ao valor que havia divulgado no início do projeto. O modelo elétrico irá custar €12,500, algo em torno de R$ 78.250 em conversão direta. Portanto, ele é um pouco mais caro que a versão intermediária de um Logan ou de um Chevrolet Onix.

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Quatro Rodas

    Capa quatro rodas 748 agosto 2021
    Capa quatro rodas 748 agosto 2021 A edição 748 de QUATRO RODAS já está nas bancas!
    Clique e Assine
    Continua após a publicidade
    Publicidade