Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

BYD Han e Tan chegam em 2022 mais luxuosos e baratos que carros a gasolina

QUATRO RODAS teve acesso ao sedã e ao SUV que marcarão a estreia da BYD no mercado de carros de passeio no Brasil; confira o vídeo exclusivo!

Por Henrique Rodriguez Atualizado em 16 nov 2021, 19h35 - Publicado em 16 nov 2021, 17h45

Fabricantes chinesas entraram tarde no mercado de carros a combustão, mas largaram na frente na produção de veículos elétricos. Não à toa, montadoras tradicionais buscam tecnologias por meio de parcerias com empresas chinesas.

A BYD, que foi fundada em 1995 para produzir baterias, é um exemplo: faz carros elétricos desde 2002 e hoje tem joint venture com Daimler e Toyota para a produção de EVs. Além disso, fechou contrato para fornecer baterias à Tesla. A BYD é a próxima fabricante chinesa a estrear no Brasil, no início de 2022.

QUATRO RODAS testou, com exclusividade, os primeiros carros de passeio que a BYD (sigla para Build Your Dreams, ou “construa seus sonhos”) venderá por aqui. Confira o vídeo exclusivo:

O primeiro lançamento será do BYD Tan (na China, Tang), um SUV com o porte do BMW X5 e que será o primeiro automóvel elétrico de sete lugares à venda no Brasil. O início das vendas está previsto para acontecer entre janeiro e fevereiro de 2022. Com motores dianteiro e traseiro, soma 517 cv e 69,3 kgfm. Não à toa, chega aos 100 km/h em 4,9 s (teste Quatro Rodas).

BYD Han e Tan Quatro Rodas 2022
Fernando Pires/Quatro Rodas

A bateria LFP Blade de 86,4 kWh garante autonomia é de 505 km em ciclo NEDC e 400 km em ciclo WLTP.

BYD Han e Tan Quatro Rodas 2022
Fernando Pires/Quatro Rodas

Depois, em maio, será a vez do BYD Han, um sedã de luxo com o porte de um Audi A7 e conforto digno dos maiores sedãs da Lexus e da Volvo. Nele, os dois motores somam 494 cv e 69,3 kgfm. A bateria de 76,9 kWh garante autonomia de 550 km em ciclo NEDC.

BYD Han e Tan Quatro Rodas 2022
Fernando Pires/Quatro Rodas

Em comum, os dois têm o pacote de equipamentos farto, muita potência e qualidade construtiva de fazer inveja a muitas marcas com mais tradição. A promessa de preços entre R$ 400.000 e R$ 500.000 coloca até carros equivalentes com motor a combustão em situação desconfortável.

BYD Han e Tan Quatro Rodas 2022
Fernando Pires/Quatro Rodas

Basta ver que um Audi A7 com motor V6 3.0 de 340 cv custa a partir de 574.990 e o Volvo S90 parte dos R$ 391.950. Ambos são híbridos. Além disso, SUVs elétricos como Jaguar i-Pace (R$ 651.950), Audi e-tron (R$ 595.990) e Mercedes EQC (R$ 629.900) estão em uma faixa de preço bem acima do que a BYD planeja para o Tan.

Ecossistema completo

Embora atue no Brasil desde 2015, até então só vendeu para empresas seus ônibus, caminhões, empilhadeiras, furgões (o e-T3 foi o elétrico mais vendido do Brasil em junho) e até alguns automóveis, sempre elétricos. A empresa, inclusive, tem três fábricas no Brasil: de painéis solares e ônibus, em Campinas (SP), e monta as baterias usadas por eles em Manaus (AM).

Continua após a publicidade

BYD Han e Tan Quatro Rodas 2022
Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Agora, a BYD negocia com 20 grupos de concessionários para ter seus próprios pontos de venda. Está nos planos da fabricante chinesa vender nas concessionárias pacotes com carregador, painéis fotovoltaicos e baterias acumuladoras (para guardar a energia a ser usada à noite) aos seus clientes. É uma solução para não se preocupar nem com o preço da gasolina nem com o preço da energia elétrica para a recarga.

Por ser uma das grandes fabricantes de baterias recarregáveis do mundo, a BYD diz estar planejando oferecer maior prazo de garantia para os seus carros – a média é oito anos.

Os próximos carros da BYD

A BYD gosta de destacar a grande variedade de mecânicas disponíveis para seus carros, o que permite que ela traga ao Brasil as opções mais adequadas. Os próprios Han e Tan também tem versões elétricas com apenas um motor e opções híbridas – que não virão tão cedo.

Para explorar o mercado de híbridos, a empresa apostará em dois modelos menores: o SUV médio Song e o sedã Qin (lê-se tim), que terão preços na casa dos R$ 200.000. O lançamento dos dois está previsto para o segundo semestre de 2022, mas ambos já estão em testes no Brasil, assim como a minivan elétrica D1. Confira os detalhes de cada um deles:

BYD Song Plus

byd_song_21
BYD/Quatro Rodas

Ainda que seja menor que o Tan, o BYD Song Plus ainda é grande como um Jeep Commander. Tem 4,70 m de comprimento, 1,89 m de largura, 1,68 m de altura e entre-eixos de 2,76 m. O carro que roda no Brasil é o Song Plus DM-i, que além de ser a versão mais luxuosa tem mecânica híbrida. 

Ele combina um motor 1.5 de quatro cilindros de ciclo Atkinson (e, por isso, taxa de compressão de 15,5:1) com modestos 110 cv e 13,8 kgfm com um motor elétrico e câmbio CVT. Dependendo da versão, pode ter um total de 180 cv e 32,3 kgfm ou 198 cv e 33,2 kgfm, com tração integral. O consumo pode superar os 22 km/l.

O que também muda entre as versões é a autonomia em modo elétrico: 110 km na versão mais potente e 51 km na versão mais fraca. Ainda não se sabe qual delas será a escolhida para a comercialização no Brasil.

BYD Qin Plus

byd_qin_plus_dm-i_2
BYD/Quatro Rodas

Na verdade, foi o Qin Plus o primeiro BYD a adotar a tecnologia Super Hybrid DM-i. Trata-se de um sedã médio com 4,76 m de comprimento e 2,72 m de entre-eixos.

No caso do sedã, a potência combinada com os motores elétricos variam entre 178 e 196 cavalos. A autonomia no modo elétrico é de 55 km no primeiro e 120 km no segundo.

Por dentro, o nível de qualidade e conforto é equivalente ao do Song Plus. Ambos, inclusive, mantêm a central multimídia com tela giratória de 15,6 polegadas presente no Tan e no Han, além do quadro de instrumentos digital.

BYD D1

carro-eletrico-BYD-D1
BYD/Divulgação

Com chance de ser o carro elétrico de entrada da BYD no Brasil, o monovolume D1 tem 4,40 m de comprimento, 1,85 m de largura, 1,65 m de altura e 2,70 m de entre-eixos. Curiosamente, ele foi criado em parceria com a gigante chinesa DiDi, dona do app 99 para ser um veículo exclusivo para motoristas da plataforma. E ele já está em testes no Brasil.

Seu desempenho é limitado pelo motor elétrico de 136 cv que o permite chegar a uma máxima de 130 km/h. A bateria de 70 kWh garante autonomia de 305 km.

Continua após a publicidade

Publicidade