Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

É possível instalar injeção direta em motores convencionais?

Injetar o combustível diretamente dentro da cãmara de combustão tem suas vantagens, mas sua adaptação em motores convencionais é inviável 

Por Redação
Atualizado em 3 Maio 2021, 15h57 - Publicado em 6 out 2016, 14h58

injecao direta bosch

Como funciona a injeção direta, como a do VW Up!? – William Veríssimo Ribeiro, São Paulo (SP)

É possível instalar injeção eletrônica direta em motores equipados com injeção eletrônica indireta? – Fábio Luís Limeira do Valle, por e-mail

O conceito dessa tecnologia é injetar o combustível não no coletor de admissão a uma pressão de cerca de 4 bar (como acontece no sistema tradicional), mas diretamente na câmara de combustão, a uma pressão entre 150 e 250 bar. Em comparação ao sistema de injeção eletrônica indireta (convencional), a direta é mais precisa e não é tão dependente dos tempos de abertura das válvulas.

LEIA MAIS: 

>> Encher o tanque além do clique da bomba pode ser prejudicial?

>> Quais as vantagens e desvantagens dos motores boxer?

>> Os carros atuais ainda podem sofrer com ferrugem?

Pressões tão elevadas pulverizam o combustível a ponto de formar partículas microscópicas, que permitem uma queima mais rápida e eficiente, o que gera mais potência e reduz o consumo. A tendência é que todos os motores passem a adotar esse recurso, que também é um dos mais eficientes para reduzir as emissões de poluentes.

Continua após a publicidade

Mas não pense em instalar injeção direta no motor do seu carro. Embora não seja um processo impossível, não é tão fácil como instalar injeção eletrônica em motor que originalmente usava carburador. Na verdade, é algo inviável tanto pelo alto custo quanto pela falta de dispositivos confiáveis.

Além de uma nova central eletrônica, a conversão para injeção direta exigiria a instalação de novos bicos injetores, de um coletor de admissão e uma linha para a pressão de combustível muito mais alta. Assim, seriam necessários materiais mais resistentes para suportar tais forças, além de uma bomba de combustível capaz de fornecer uma maior pressão – vale lembrar, inclusive, que a bomba de alta pressão é um dos componentes mais caros dos motores de injeção direta.

Apesar de todos esses fatores, a Ford resolveu adotar a injeção direta de combustível no motor Duratec 2.0 após anos de mercado na configuração indireta. Combinada à adoção do sistema flex, a mudança reduziu o consumo em 10% e aumentou a potência em 20%, de acordo com a marca.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.