Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Desblindagem do carro ganha espaço, mas pode sair mais caro que blindar

Processo de desblindagem tem se tornado frequente, mas é um serviço complexo e tão caro quanto a blindagem. Veja se vale a pena

Por Fernando Miragaya Atualizado em 23 nov 2020, 22h08 - Publicado em 24 nov 2020, 07h20
Estevan Silveira/Quatro Rodas

Medo e sensação de insegurança continuam a fazer parte da rotina da sociedade brasileira. Mas, na contramão desse sentimento – e dos índices de criminalidade –, tem gente que quer se livrar de uma proteção: a blindagem de carros.

Ao mesmo tempo que o segmento cresce entre 20 e 25% ao ano, um movimento de “desblindagem” começa a ganhar relevância. Só que esse processo de reversão não é nada simples. Tampouco barato. 

A Black Friday já começou na Quatro Rodas! Clique aqui e assine por apenas R$ 5,90

A desblindagem é até recente, mas a demanda por esse serviço tem se tornado comum. São donos de modelos seminovos blindados que querem devolver as características originais do carro, seja pelo peso extra que afeta o desempenho e o consumo, seja pelo custo elevado do seguro, pela dificuldade de revender o carro, uma vez que um blindado tem menor procura ou simplesmente pela falta de manutenção da blindagem.

Sim, veículo à prova de bala deve fazer revisões periódicas a cada 15.000 km, em média, especialmente dos vidros. 

Porém, nada é tão simples quanto o prefixo “des” sugere. O processo de desblindagem é mais complicado até do que a blindagem em si. É preciso desfazer soldas e reforços que o veículo recebeu em partes da carroceria, como tampas do capô e do porta-malas, e em componentes, como freios e suspensão. Ou seja, o carro que foi adaptado corretamente terá todos os parâmetros alterados novamente.

  • Além disso, a lataria pode ter sido reforçada com placas de aço, que são coladas e aparafusadas – no caso de o material ser aramida é mais simples, pois é apenas colado. Além de desaparafusar, será preciso encontrar um meio de “tapar” ou esconder os vestígios que vão ficar.

    Há pontos ainda mais críticos para o serviço de reversão. As portas são preparadas para receber os vidros grossos. Ao colocar janelas normais e finas, ficarão frestas nas portas, que terão de ser readaptadas – é preciso ter equipamento adequado e mão de obra especializada para tal. Em alguns modelos de carros, no processo de retirada da blindagem é preciso até comprar portas e vidros originais.

    Continua após a publicidade

    “Há coisas que são difíceis de reverter, como o alargamento da porta, ou alguns cortes para o vidro que não vão encaixar. É um serviço complexo e que não é garantido que vai ficar perfeito”, alerta Marcelo Christiansen, presidente da Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin).

    QUATRO RODAS também ouviu diferentes especialistas do setor e engenheiros, e todos foram quase unânimes. Devido a essa complexidade, a desblindagem não é recomendada. Até porque nem todas as lojas de blindagem fazem o serviço. A reportagem entrou em contato com seis empresas do ramo, quatro em São Paulo e duas no Rio. Nenhuma delas fazia ou recomendava a reversão.

    Estevan Silveira/Quatro Rodas

    Conseguimos encontrar o serviço em dois estabelecimentos que fazem a retirada. Como clientes, pedimos um orçamento para desblindar um Volkswagen Jetta 2015 que tinha recebido a proteção 3A, a mais popular – mais de 90% dos automóveis blindados usam esse nível. Os atendentes deram preços entre R$ 50.000 e R$ 60.000. O detalhe é que a blindagem para o mesmo sedã ficaria entre R$ 45.000 e R$ 55.000.

    Segundo Christiansen, conforme o modelo, só janelas originais podem custar mais caro que os vidros blindados produzidos aqui no Brasil. Ou seja, se o seminovo “protegido” que a pessoa quer é um negócio imperdível, é melhor manter a blindagem e só consertar o que precisar – como trocar os vidros. 

    Mas se a pessoa estiver disposta a pagar e desblindar de qualquer jeito, a recomendação é procurar, de preferência, a mesma loja na qual foi feita a proteção. Ou então buscar empresas renomadas e com boa reputação no mercado, e com equipamentos certos para fazer o serviço. 

    O Denatran informa que qualquer modificação das características de um veículo deve ser precedida de autorização do órgão de trânsito, conforme determina o art. 98 do Código de Trânsito Brasileiro. Nesse aspecto, as modificações permitidas são aquelas previstas na Tabela do Anexo da Resolução Contran nº 292/2008, com redação dada pela Portaria Denatran nº 38, de 2018.

    A retirada de blindagem está prevista no item 7 dessa tabela e requer a obtenção de um Certificado de Segurança Veicular (CSV) emitido por uma instituição técnica licenciada após o veículo ser submetido a uma inspeção técnica de segurança veicular. Além disso, deve ser retirada do campo Observações do CRV e do CRLV a informação de que o veículo é blindado. 

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital. 

    Arte/Quatro Rodas
    Continua após a publicidade
    Publicidade