Clique e assine por apenas 5,90/mês

Como funcionam os seguros para carros antigos, superesportivos e blindados

Apesar de boa parte desses automóveis poder custar mais, protegê-los não é tarefa das mais fáceis

Por Gustavo Henrique Ruffo - 8 nov 2018, 19h39
Veículos placa preta, por exemplo, podem receber cobertura de até R$ 100.000 Denis Freitas/Quatro Rodas

Se boa parte da frota nacional circula sem seguros, mesmo tendo acesso teoricamente fácil a eles, o que dizer de superesportivos? Ou de algum clássico precioso ou até mesmo de um simples veículo blindado? Apesar de boa parte desses automóveis poder custar mais de R$ 1 milhão, protegê-los não é tarefa das mais fáceis, já que a grande maioria das seguradoras e corretores evita ao máximo trabalhar com esse tipo de automóvel.

Quando se fala nos antigos, a grande verdade é que não existe seguro. Não, pelo menos, como se concebe o serviço hoje, pois não existe aceitação da apólice completa, que inclua a colisão. Quando aceitam, só há cobertura para roubo e furto, com guincho e assistência 24 horas.

Salão de Veículos Antigos - parte 2
Os antigos podem receber cobertura para o segurado, ascendentes, descendentes e cônjuge por incêndio, explosão e fumaça Edu Ramos/Quatro Rodas

Uma inovação no segmento veio da Porto Seguro, com a apólice Porto Seguro Residência Premium. Esse seguro residencial pode incluir veículos que tenham placa preta (atestado oficial de originalidade para carros com 30 anos ou mais) que pernoitam na residência.

O produto oferece cobertura opcional de até R$ 100.000 para os automóveis do segurado, ascendentes, descendentes e cônjuge por danos causados por incêndio, explosão e fumaça. 

barreira dos cinco anos

Superesportivos são outra grande causa de dor de cabeça para os corretores de seguro automotivo.

Continua após a publicidade

“A primeira dificuldade está em modelos importados que não estão cadastrados no sistema das seguradoras, devido à pouca quantidade desses veículos no Brasil”, explica Marcio de Paiva Costa, da corretora Mazetto Seguros, de São Paulo, que também atende a blindados e carros de leilão.

A grande dificuldade está nos superesportivos importados que não estão cadastrados no sistema das seguradoras Lamborghini/Divulgação

“Se conseguirmos fazer o enquadramento, surge outro problema: o valor do veículo. E aqui entra uma verdadeira negociação com as seguradoras para que elas aceitem o contrato. Se o veículo tiver mais de cinco anos, as chances de aceitação são mínimas. Nesse caso, apenas 3 das 17 seguradoras com as quais trabalhamos aceitam o seguro”, diz.

A questão da idade do automóvel afeta também os blindados. Os que têm até quatro anos podem ser assegurados do mesmo modo que os carros comuns. Nesse caso, o cliente contrata o seguro total mais o valor de cobertura para blindagem.

Só é preciso apresentar a documentação da blindagem, que inclui a nota fiscal do serviço, a Autorização do Exército para Blindagem e o documento atualizado do automóvel, quando o cliente blinda o carro depois de já ter feito o seguro para o veículo. 

Resumindo, é quase como se o seguro de blindados fosse dois produtos em um, ou seja, seguros separados para o carro e para a blindagem. “E, mesmo assim, apenas duas seguradoras do mercado aceitam veículos com blindagens de mais de cinco anos. Mas o seguro não é para a blindagem. Apenas para o veículo em si”, afirma Costa.

Continua após a publicidade
Publicidade