Clique e assine por apenas 6,90/mês

Audi Q5 Security: testamos o quanto blindagem de meia tonelada afeta o SUV

Fabricante cobra R$ 90 mil para vender carro blindado de fábrica com adaptações em suspensões e freios. Constatamos na pista as diferenças de comportamento

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 28 jan 2019, 09h39 - Publicado em 28 jan 2019, 09h18
O SUV usa chapas de aço com 2 mm sob a carroceria e foi submetido a testes de colisão pela Audi Divulgação/Quatro Rodas

Sabia que o Brasil tem a maior frota de blindados no mundo? Segundo a Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin), foram 15.145 carros à prova de balas em 2017. Por isso, não é de estranhar que o Audi Q5 Security, opção blindada de fábrica, foi lançado aqui por R$ 370.990 – R$ 91.000 mais caro que o Q5 comum.

Baseada na intermediária Prestige Plus – antiga Ambiente –, a novidade tem suspensão a ar (indisponível nas demais versões) e freios maiores (350 mm), emprestados do esportivo SQ5. Vidros traseiros escurecidos, pneus runflat e porta-malas com acionamento elétrico vêm de série.

Suspensão passa a ser pneumática na versão Divulgação/Audi

É difícil notar as diferenças em relação aos modelos blindados por oficinas terceirizadas, ainda que os materiais sejam diferentes: em vez das mantas de aramida, o Q5 Security tem apenas aço com 2 mm. Na balança, o acréscimo é de 500 kg no modelo feito pela Audi contra até 190 kg das versões adaptadas.

Acabamentos não têm adaptações, como nas blindagens de oficinas Divulgação/Audi

“As mantas de aramida têm duas características: são leves, para evitar a perda de desempenho, e flexíveis, permitindo a instalação em partes curvas, como caixas de roda, portas e teto. Só que, por ser um tecido, não há resistência mecânica para suportar disparos a menos de 30 mm das bordas”, explica a Abrablin.

Continua após a publicidade
Freios foram emprestados da versão esportiva SQ5 Divulgação/Audi

Para contornar isso, blindadoras sobrepõem materiais e utilizam aço inox 304 L em colunas, fechaduras e lanternas, por exemplo. “Usamos aço por ser o melhor material disponível”, diz a Audi. Como resultado, o Q5 Security piorou 1,7 s no teste de 0 a 100 km/h em relação à opção convencional: ele precisou de 8 s.

Para aumentar a segurança, a terceira janela foi substituída por aço Divulgação/Audi

Nas frenagens, os discos maiores garantem melhores resultados – o blindado parou em 14,8 m a 60 km/h e 58 m a 120 km/h, contra 16,2 m e 60,2 m, respectivamente. Só não dá para contrariar a física: mais peso (equivalente a quatro passageiros de 125 kg) piora as respostas da direção e faz a carroceria rolar nas curvas.

Como o esperado, Q5 ficou 1,7 s mais lento com o peso extra da blindagem Divulgação/Audi

“Como a blindagem é mais leve, levantamos a suspensão traseira só 1,5 cm, para manter o parâmetro de fábrica”, diz Thelly Leandrini, dono da oficina que leva seu sobrenome. No caso da paulistana BSS, não há alterações de freios ou suspensão.

Original ou não, essas blindagens têm o mesmo nível III-A, proteção máxima permitida pelo Exército para veículos de uso civil. Ou seja: teoricamente suporta até tiros de submetralhadora 9 mm e revólver Magnum 44.

A Audi destaca que faz testes de colisão no seu SUV – o que não acontece nas blindadoras independentes. O problema é o preço: com itens semelhantes e sem perder garantia, há opções até R$ 21.000 mais baratas.

Publicidade