Clique e assine com até 75% de desconto

Correio técnico: como é a classificação dos pneus no Inmetro?

Veja se vale a pena pagar mais caro por produtos com melhor classificação em aderência, índice de ruído e resistência ao rolamento

Por Redação Atualizado em 1 out 2018, 17h44 - Publicado em 1 out 2018, 17h38
Todos os pneus vendidos no Brasil a partir de abril 2018 virão com etiquetas
Todos os pneus vendidos no Brasil desde abril de 2018 têm etiquetas Denis Freitas/Quatro Rodas

Percebi que os pneus à venda têm letras que vão de A até G para aderência no molhado e economia de combustível. Será que a diferença é tão significativa a ponto de justificar a grande variação de preço? – Carlos Bonandim, Brasília (DF)

Depende de cada pneu, fabricante e mesmo sua medida. Os elementos que definem o preço de um pneu incluem seu desenvolvimento, mercado e até os ingredientes utilizados para a composição da borracha.

Alguns materiais, como a sílica, ajudam a reduzir a resistência ao rolamento (o que melhora o consumo), porém têm custo maior e impactam no preço final do produto.

Etiquetas do Inmetro mostram a eficiência do pneu – e se ele realmente é um pneu verde Divulgação/Quatro Rodas

“Levamos em conta fatores como o uso do pneu, o perfil do motorista, os tipos de piso e, principalmente, o que cada consumidor específico procura. Pode ser performance, melhor custo/benefício ou maior quilometragem”, detalha a Goodyear.

  • Mas é melhor fica atento: além do preço distinto, um pneu com nota A de aderência pode ter um índice de ruído ou de resistência ao rolamento inferior àqueles com melhor classificação.

    Continua após a publicidade
    Publicidade