Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Correio Técnico: por que os carros elétricos não têm grade do radiador?

Apesar de não parecer, esses modelos possuem sistema de arrefecimento. Mas não é para o motor

Por Rodrigo Ribeiro
Atualizado em 1 jul 2021, 15h06 - Publicado em 17 dez 2019, 07h00
No ID.3 só a entrada de ar inferior já basta
No ID.3 só a entrada de ar inferior já basta (Divulgação/Volkswagen)

Por que os carros elétricos não têm necessidade de grade na dianteira, já que também contam com reservatório de líquido de arrefecimento? – Marcio Maximilian, Sorocaba (SP)

Porque os poucos elementos que esquentam não demandam uma tomada de ar tão grande.

O fluido de arrefecimento que eles possuem é usado para refrigerar o inversor de corrente (que transforma a eletricidade de alternada para contínua, e vice-versa) e, em alguns modelos, o conjunto de baterias.

Já o motor elétrico, na maioria das vezes, conta apenas com refrigeração a ar, por gerar menos calor.

Continua após a publicidade

Outro trocador de calor que é mantido nos elétricos é o usado no sistema de ar-condicionado, que é basicamente o mesmo de carros convencionais, mas com compressor elétrico, em vez de mecânico.

Retirar as grades melhora a eficiência, pois isso reduz o arrasto aerodinâmico.

Por esse motivo, aliás, diversos carros, incluindo o nacional Chevrolet Spin, possuem aletas móveis à frente do radiador que se fecham quando o motor está frio ou há grande fluxo de ar para melhorar a eficiência energética.

Troca-troca

Jaguar I-Pace
O calor das baterias e inversores do I-Pace é reaproveitado para climatizar o interior do veículo (Divulgação/Jaguar)

A forma menos eficaz de gastar eletricidade é para gerar calor. Por isso, em um elétrico, o ar-condicionado gasta mais energia no modo de aquecimento do que refrigeração.

Para contornar isso, muitos modelos elétricos usam o calor que as baterias geram durante o processo de descarga e carga (durante as frenagens regenerativas). Isso é possível com um circuito de arrefecimento próprio e exclusivo dos acumuladores.

O processo também pode ser inverso: se necessário, o carro pode usar o calor da cabine ou do motor para esquentar as baterias, cujo ápice de eficiência acontece em um delta (variação) de temperatura muito restrito.

Continua após a publicidade

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.