Correio Técnico: o câmbio muda em carros com mão inglesa?

Inversão de volante altera outros comandos de modelos vendidos em países como Inglaterra e Japão

Nos carros de mão invertida, o volante muda, mas câmbio e pedais continuam iguais

Nos carros de mão invertida, o volante muda, mas câmbio e pedais continuam iguais (Vauxhall/Divulgação)

Em um automóvel de mão-inglesa, qual é a posição das marchas quando ele tem câmbio manual? – Moacyr Cunha, Recife (PE)

É a mesma dos carros que têm volante do lado esquerdo. O que muda é o movimento que você faz na troca, pois a primeira marcha passa a ficar longe do motorista, enquanto as relações mais longas ficam próximas da perna esquerda do condutor.

No entanto, em alguns países, como o Japão, os comandos da seta e do limpador são invertidos – para acionar a luz de direção do lado esquerdo é preciso levantar a alavanca do lado direito.

Mas nem todos os veículos possuem o câmbio na disposição tradicional.

O mais comum é mudar a posição da ré, mas alguns esportivos já usaram o sistema “dogleg”, com a primeira posicionada para baixo, deixando a segunda e terceira (muito usadas em circuitos) na mesma linha e facilitando a troca.

Muito além do volante

A caixa de direção e sistema de freios também precisam ser modificados com a mudança do volante

A caixa de direção e sistema de freios também precisam ser modificados com a mudança do volante (divulgação/Volkswagen)

Além do volante e espelhamento do painel, modelos de mão inglesa podem demandar outras mudanças. A principal é a troca da caixa de direção, que pode exigir outras mudanças no cofre do motor para abrir espaço ao componente.

Também são invertidos limpadores do para-brisas, espelhos retrovisores, comandos internos (como alavanca de abertura do porta-malas) e até faróis, em mercados onde são usados fachos assimétricos.

A troca do pedal do freio normalmente exige o reposicionamento do cilindro-mestre e hidrovácuo na parede corta-fogo, mas algumas marcas contornam isso usando uma extensão que liga o pedal ao mecanismo.

O único problema disso é que se a modificação não for bem feita, o passageiro (que seria o motorista em outros mercados) é capaz de frear o carro pisando no assoalho, como aconteceu no Citroën C3 Picasso britânico, que passou por um recall.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s